Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
São João está chegando...

30 de abr de 2011

O Passeio da Formiguinha



O PASSEIO DA FORMIGUINHA


No Reino dos caracóis a vida corria tranquila quando um belo dia surgiu uma nova visitante, dona formiguinha.

Dona formiguinha muito linda, pequenina, conversadeira e brincalhona, assim que chegou naquele reino repleto de caracóis, fez muitas amizades, conversava com todos eles, fazia perguntas sobre o modo de vida e participava de quase todas as brincadeiras .

Numa tarde de domingo os caracóis resolveram fazer uma corrida onde o vencedor ganharia uma caixinha cheia de surpresas. Todos se animaram e todos queriam ganhar o prêmio. A formiguinha desejou participar , mas ao perguntar ao caracol juiz se ela poderia brincar junto com eles,o juiz respondeu que não ,deixando dona formiguinha muito triste e chorosa.

O caracol listrado vendo a tristeza da formiguinha se ofereceu para carregá-la nas suas costas durante a disputa da corrida. Assim, ela participaria sem estar participando e se distrairia passeando.

Dona formiguinha muito feliz, cobriu o caracol listrado de abraços e beijos e subiu ligeirinho  nas  suas costas e lá se foi ela toda faceira como se estivesse concorrendo ao prêmio.

Para torná-la mais feliz e emocionada, o caracol listrado ganhou a corrida e o prêmio. Como o caracol listrado é muito educado e gentil, ele imediatamente ofereceu a caixinha de surpresas à formiguinha que aceitou com uma condiçaõ: dividir o prêmio entre eles.

Assim foi feito! Caramujo listrado recebeu a caixinha de surpresas como prêmio e,tudo que havia dentro dela, doces, brinquedos e suquinhos foram divididos entre os dois.

A corrida foi linda e deliciosa e dona formiguinha ficou velhinha...velhinha....mas nunca se esqueceu do dia em que ela passeou em cima de um caracol amigo, que a conduziu com o maior carinho e atenção e ainda dividiu o seu prêmio com ela.

bjs,soninha

27 de abr de 2011

Aninha, nossa melhor amiga...


ANINHA, NOSSA MELHOR AMIGA...


Mamãe contratou uma moça, a Aninha, para trabalhar aqui em casa enquanto ela vai se encontrar com as amigas, vão ao shopping, ao salão de beleza, à academia, às reuniões das quintas feiras e,algumas vezes às sessões de cinema às 20h.

Ela é uma moça simples, calada, esforçada, limpinha que só ela consegue ser, deixa tudo arrumadinho e cheiroso e nunca reclama de nada. Se a mamãe pede para lavar, ela lava; se pede para deixar a roupa no tanque e vir olhar o meu irmãozinho, ela vem correndo com um largo sorriso "pregado" no seu rostinho cansado mas sempre feliz.

Às vezes eu fico pensando onde é que a Aninha consegue energia para cuidar de tantas coisas ao mesmo tempo, e fico imaginando-a a se ligar numa tomada através de um fio invisível a fim de recolher a energia que ela precisa para trabalhar tanto.

Um dia eu perguntei para a vovó se era possível alguém se carregar com a energia elétrica? A vovó assustada me disse:

- Nem pensar! Nem pensar nisto menina peralta.A energia mata se você fizer isto!

- Eu não vou fazer isto não vovó, é que eu estou achando que a Aninha é quem faz, porque ela trabalha tanto, todos os dias, e nunca a vejo reclamar de cansaço...

- Ah! minha filha! falou a vovó, ela carrega e se recarrega em Deus!

- Em Deuuuussss!! como assim? perguntei à vovó, já fervendo de curiosidade.

- Através da oração minha querida! Quem ora com fé, recebe energia que vem de Deus para  conseguir fazer tudo que precisa fazer, sem reclamar, com muita coragem e alegria.

- Então vovó eu vou orar muito para conseguir fazer as minhas tarefas da escola...rs....rs...!

- Isto mesmo! faça isto e você será a melhor aluna do colégio. Disse a vovó me abraçando com carinho e me convidando a ir até Aninha levar-lhe um casaquinho que ela havia tricotado para dar-lhe de presente no seu dia, o Dia da Empregada Doméstica!

Fomos até Aninha, lhe abraçamos com carinho, demos-lhe o presentinho e comemos uma fatia de torta de chocolate com um delicioso suco de amoras.

Aninha?! nem é preciso contar...ficou hiper feliz! 

Nos agradeceu com lágrimas nos olhos e ainda se sentiu devedora por conta da nossa manifestação de afeto .
A Aninha é realmente muito bacana e se não fosse ela eu não sei como a mamãe iria viver....rs...rs...


** 27 de Abril: Dia da Empregada Doméstica (Brasil) **



Flores e aplausos para estas dedicadas criaturas!

bjs,soninha

22 de abr de 2011

A Tristeza de zeus



- Mamãe, mamãe, venha cá depressa! 

Foram estas as primeiras palavras que o Toninho falou ao acordar. 

Dona Ziza mais do que depressa correu para ver o que estava se passando com o filho que ainda se encontrava no seu quarto. Chegando lá, encontrou o Toninho ajoelhado aos pés do seu amigão zeus que parecia estar chorando com as patas cobrindo os olhos.

- O que foi meu filho, que você me chamou tão desesperado?

- É o zeus mamãe, parece que ele está chorando...

- Onde já se viu cachorro chorar, menino! disse a mãe dando uma risadinha.

- Está chorando sim! E deve ser saudades da diana e dos seus filhotes e eu já sei o que vou fazer...falou o menino saltando da cama.

- O que você vai fazer Toninho? Não me invente trazer a diana de volta para criar novos problemas com a dona encrenca...rs...

- Não mamãe! Eu vou levá-lo a passear e comprar um lindo e grandão ovo de páscoa para ele devorar no domingo.

- Cães não podem comer chocolate Toninho, você sabe disto, não sabe? 

- Não é de chocolate não bobinha. Estão fabricando com um produto que parece chocolate mas não tem nada dele, é só parecido....falou o menino ao tempo em que colocava a guia no cão para sair.
Zeus saiu com o amigão a balançar o rabo grande e pesado como se fosse uma corda a bater em tudo e todos. Era a mais pura imagem de felicidade! Passearam pelas ruas, foram às lojas olhar vitrines, parques, tomaram sorvete na casquinha, e por fim Toninho comprou alguns ossinhos e o delicioso ovo de páscoa para zeus e claro que comprou também para os seus pais e sua avó.

Já em casa o menino deu um ossinho para o amigão se distrair e correu para esconder o ovo para que ele não o comesse antes do dia.



Toninho vendo a felicidade estampada no cão falou com a mãe:

- Tá vendo mamãe, ele só queria passear...Mas será que ele sente saudades da diana e dos filhotes?

- Sente meu filho,sente! Ele sente falta mas qualquer agrado que lhe faça a sua tristeza viaja pra bem longe e ele volta a ser aquele zeus amigão e alegre de sempre. Você tem que mantê-lo ocupado brincando e se divertindo.

Quando a mãe se foi da sua presença Toninho falou baixinho, para si mesmo:

- Já sei, vou arranjar um colégio para matricular o amigão...

Será que ele vai mesmo?!


bjs,soninha


19 de abr de 2011

O Indiozinho Puruquinha


Puruquinha era um indiozinho muito alegre e obediente que morava com os seus pais no meio da mata e todos eles tinham medo do homem branco. O seu pai  queria ensinar-lhe a usar o arco e a flecha para pegar animais com os quais eles se alimentavam, e defender-se de algum homem branco que aparecesse  na tribo,  mas Puruquinha  dizia que não tinha coragem de matar homem branco e quando ía aprender a caçar, sempre arranjava um jeitinho de errar pois ele tinha muita pena de matar bichinhos.

Quando seu pai reclamava com ele, dizendo:

- Se você não matar você não come!

Ele respondia ligerinho:

- Que importa, eu já não como! Eu gosto mesmo é de raízes, frutos e verduras.

O pai desistiu de ensiná-lo a caçar e resolveu ensinar-lhe a pescar. Como estava muito ocupado cuidando de cortar lenha, pediu para o indiozinho Araripe,amigo de Puruquinha,  para ele ensinar-lhe, 

Araripe era um grande pescador!

E lá se foram os dois indiozinhos para o rio numa linda canoa. Araripe pescava como se fosse um índio adulto, não perdia nenhum peixe que se aproximasse da canoa. Ele pescava, jogava dentro da canoa e, imediatamente o indiozinho Puruquinha os devolvia às águas do rio.

Quando Araripe descobriu o que o amigo estava fazendo, resolveu pegar os peizes com a lança porque assim o peixe morria e não podia ser devolvido às águas.


Puruquinha não gostou de ver o peixinho preso na lança se debatendo antes de morrer, jogou-se na água e voltou nadando até a terra, correu para o seu pai e lhe disse com energia:

- Não vou matar peixes, não vou! E não vou aprender a pescar; pode me deixar morrer de fome que eu não importo.

O pai de Puruquinha vendo que ele não mudaria de ideia em relação à matança de animais, resolveu ensinar-lhe a cuidar da terra, plantar e colher.

Foi assim, que naquela tribo onde todos gostavam de se alimentar de caças e peixes, surgiu um indiozinho que amava cuidar da terra, semear, colher e preparar deliciosos quitutes com a batata, a mandioca, o aipim e muitas outras raízes, frutos e verduras.



Mesmo sem comer caças e peixes Puruquinha se tornou um índio adulto muito forte e vencia todas as lutas quando brincava com os seus amigos.Deixou de ser o indiozinho Puruquinha para ser o Grande Guerreiro Puruquinha.

bjs,soninha

18 de abr de 2011

Dia Nacional do Livro Infantil : 18 de Abril



O LIVRO INFANTIL


Um livro pra ser infantil
Há que ser pretensioso
De conquistar criancinhas
E ser muito prazeroso


Há de ter um colorido
Como não se viu igual
De cantar somente o Bem
E nunca falar do Mal


Fadinhas não faltarão
Nem jujubas e estrelinhas
Há de ter muitos bichinhos
Mil palácios e rainhas


Festinhas bem animadas
Carrossel e pirulitos
Mamães falando baixinho
Nele, não se ouve gritos...


Há de ter uma fazenda
Com vaquinhas no curral
Dando leite aos bezerrinhos
E as galinhas no quintal


Os cavalos lá no pasto
Bem verdinho, se alimentando
E o vaqueiro na ordenha
Trabalhando e cantando...


Alguns porcos no chiqueiro
Se emporcalhando na lama
Enquanto os carneirinhos
Saltitam na verde grama


Há de ter uma vovozinha
Com cabelo bem branquinho
Que saiba contar histórias
Com muito amor e carinho


Uma gorda cozinheira
Que faça lindos docinhos
Que sejam bem saborosos
E gostosos quitutinhos


Uma caminha gostosa
Onde se dorme quietinho
Depois de fazer a oração
E de ganhar um beijinho


Neste livro infantil
Há de ter, tudo, um pouquinho
E conter em abundância
O amor e o carinho


bjs,soninha

15 de abr de 2011

Infância!


INFÂNCIA


Infância, é um pirulito
Feito com muito amor
É um jardim bem florido
Onde a criança,é a flor
De todas a mais bonita
A do mais doce olor!


Infância, é joia bem rara
Merece todo carinho
É pomba saída do ovo
Escondidinha, no ninho
É doce de coco bem fresco
Se come, devagarinho...


Infância, é cabelo lavado
Na chuva que limpa a calçada
É noite de céu estrelado
Se brinca, na terra molhada
É gude correndo na lama
É a mamãe estressada


Infância, é o livro querido
Onde se lê historinhas
Que foram feitas com amor
Pelas queridas vozinhas
Qu'embalam os seus netinhos
Deitados nas cadeirinhas


Infância, é o grupo escolar
Cheio de animação
É a mamãe esperando
Na saída do portão
A professora querida
Que mora no coração!


Infância é ponte de luz
A nossa mais grata esperança
De não crescermos, jamais
Sermos eternas crianças
Onde não chegam os "ais"
E tudo na vida é bonança!

Coisa boa é a Infância! 

bjs,soninha

10 de abr de 2011

Papai do Céu



Não sabemos porque aquele homem fez aquela maldade com as crianças daquela escola no Rio de Janeiro, atirando em quem estava estudando. 

Sabe Papai do Céu, eu lhe peço, por favor, nunca mais  deixe acontecer uma coisa feia igual a àquela. Nos proteja,por favor!

abçs das crianças,

O Retorno de Zeus!



Vocês estavam pensando que zeus não viria mais?!Enganaram-se!

Toninho cansado de esconder-se  na casa dos tios a fim de ficar com zeus, diana e seus filhotinhos, resolveu voltar para a sua casa com o amigão deixando a diana e os filhotes para virem depois.

Na casa do Toninho a alegria foi geral, a sua mãe,o seu pai a sua vozinha, não economizaram aplausos,gritinhos e palmas quando Toninho saiu do carro na porta de casa e tirou o amigão lá de dentro. Dona Ziza preparou um prato de ração bem cheio pois sabia que que zeus estaria faminto quando chegasse e não se esqueceu do ossinho para ele se divertir e limpar os dentes.

Assim que entrou em casa o cachorro correu por todos os cantinhos,cheirando e marcando o seu território,ficando cansado de levantar a perna...hahaha!!

Imaginem que zeus levou um tombo e quase caiu dentro da piscina! Bem que ele ía gostar se tivesse caído pois ele adora e muito, os banhos na piscina.Se não fosse o Toninho que estava pertinho dele,o amigão teria se divertido bem mais logo na sua chegada.

Após passear por toda a casa, cheirar todos os cantos e todas as pessoas,após três longos meses e dez dias de ausência, zeus dormiu aos pés da cama do Toninho e quem o olhasse diria que ela estava sorrindo.

Agora é esperar para novas aventuras deste lindo e delicioso cão!

bjs,soninha

9 de abr de 2011

Uma Criança Chamada Ternura


Lucinha era uma criança linda,meiga e inteligente, a filha caçula de dona Maria e seu José, e tinha oito irmãozinhos,todos do sexo masculino. Em sua casa era muito engraçado quando se reuniam em torno da mesa para as refeições, ou na sala para conversarem,ou mesmo quando saíam a passeio,nove varões e apenas duas mulheres.

A menina e a mãe sorriam muito mas se sentiam como se fossem rainha e princesa e todos eles fossem seus vassalos.

Houve uma época na vida desta família,que a situação financeira estava um pouco ruim e até a comida era pouca.Tinham que dividir e redividir o pão, o leite,o feijão e o arroz para que não ficasse nenhum deles sem alimentar-se, mesmo que pouquinho.

Lucinha ficava imaginando uma maneira de ajudar a família a sair daquela situação e,depois de muito pensar ela encontrou a sua maneira de ajudar. Ela iria orar todos os dias, antes das refeições,agradecendo a Deus por aquele pouquinho que eles recebiam e rogar pelos que nada tinham.

A ideia da menina foi bem recebida pela família, e seu José chegou a comentar com a esposa:

- Nossa filhinha é um anjo.Tão pequenina e nos dando tão bela lição de amor e gratidão a Deus e à vida.

- É verdade! falou a mãe com os olhos marejados de lágrimas.

O horário das refeições se tornou um momento especial para a família pois todos agradeciam pelo pouco que estavam desfrutando e rogavam pelos que nada tinham, e assim se sentiam felizes pois sabiam que Deus estava escutando as suas súplicas e que um dia as coisas melhorariam na vida de todos.

Enquanto as coisas não mudavam,Lucinha vivia a espalhar carinho e alegria por onde passava e as pessoas encantadas com a menina passaram a chamá-la de Ternurinha.

Os pais da menina viviam como se estivessem no céu por compartilharem a vida com uma criança tão especial,a sua filha Lucinha ou... Ternurinha!

A menina não se dava conta do bem que estava espalhando entre as pessoas e,na sua simplicidade agia como se fosse um anjinho vindo do céu para iluminar a vida de todos.

Um dia a vizinha bateu à porta da sua casa, ela estava no seu quarto se preparando para ir à escola  e escutou a conversa entre ela e sua mãe:

- Ternurinha está aí,dona Maria?

- Está sim,dona Ziza,quer falar com ela?!

- Não, eu vim apenas trazer este bolinho de chocolate para ela pois sei que ela gosta.A senhora entrega a ela e diz que foi a Ziza quem mandou.

- Muito obrigada vizinha! Eu entrego,sim e darei o seu recadinho.

Quando a vizinha se foi a menina foi até a sala e pergunto à mãe:

- Mãezinha,por que dona Ziza me chamou de Ternurinha?!

Dona Maria olhando a filha dentro dos seus lindos olhinhos lhe disse:

- Não é ela apenas que lhe chama assim,filha, é toda a cidade e o fazem porque você é a criança mais doce,mais educada,gentil e graciosa daqui.

Lucinha abraçou a mãe,deu-lhe um beijinho na face e saiu sorrindo e falando baixinho:

- Ternurinha...hummmm...Ternurinha....hahaha! Gostei deste apelido!


bjs,soninha

5 de abr de 2011

Concurso de Beleza!


CONCURSO DE BELEZA!

 No Reino das Joaninhas houve um concurso de beleza e a joaninha piririca foi a vencedora.Dentre milhares delas a sua beleza e simplicidade se destacaram, fazendo com que ela ganhasse um prêmio de um passeio por muitos jardins de outros Reinos e uma florzinha especial só para ela.

Piririquinha afoita e encantada sentava-se na sua florzinha e,gritava com muita alegria:

- Aqui é o meu trono! O trono da Rainha da Beleza!

Muitas das suas amigas ficaram felizes com a sua felicidade e as invejosas ficavam torcendo para que a fina haste da flor se partisse e piririca levasse um bom tombo.

O anjo-da-guarda da joaninha leu os pensamentos das invejosas e, imediatamente,chamou vários gnomos para que ficassem sempre por ali cuidando a fim de que a haste da florzinha não se partisse.

Os gnomos que conhecem muitas artes,inventaram um mingauzinho tipo uma colinha dura,passaram no caule da florzinha e ele ficou durinho igual a um cabo de vassoura.

- Pronto! falou o gnomo pai.Agora até um elefante pode subir na florzinha pois ela nunca irá quebrar...

Os gnomos felizes aplaudiram o sucesso enquanto as joaninhas invejosas roíam as unhas com raiva por não realizarem os seus maus pensamentos.

A festa comemorando a vitória da bela joaninha durou muitos dias até que o Rei veio buscá-la para que ela começasse as viagens pelos jardins e canteiros de outros Reinos.

Piririca arrumou as suas coisinhas e partiu com o Rei, rumo ao desonhecido prometendo na sua volta nos contar tudo que ala viu no seu passeio.


Trabalhando: A Simplicidade, A Alegria, A Inveja, Anjo da Guarda e os Maus Pensamentos!

bjs,soninha


2 de abr de 2011

Uma Menina Diferente


UMA MENINA DIFERENTE


Marcelinha nasceu no seio de uma família pobre que vivia numa roça um pouco distante da cidade. Ali se plantava alguns legumes e frutas,feijão de corda,raízes como aipim e batata doce e,se Deus ajudasse com um pouco de chuva ,colhiam belos tomates,pimentões e fartura de tempero verde.

As galinhas comiam as sobras da família e um pouco de milho triturado que seu Joaquim comprava na quitanda do povoado onde ele ía de quinze e em quinze dias buscar uns mimos para a família.Ele trocava ovos por: rapadura,querosene para os fifós,balas de hortelã,velas,sabonete com cheirinho de flores e água de cheiro para a sua véia Naná.

Muitos ovos eram recolhidos dos ninhos mas somente a metade era destinada à alimentação da família, e a troca na quitanda e o restante era chocado pelas galinhas,surgindo novos pintinhos que alegravam o terreiro da casinha humilde com os seus piadinhos: piu...piu...piu...piu...piu...piu...

A menina nasceu num tempo de fartura e nela foi crecendo até que dona Naná e seu Joaquim notaram que ela era diferente.Não conversava,não se interessava por coisa alguma,vivia quietinha no seu canto e somente um aro velho girando no terreiro lhe despertava àtenção.

Assim viveu alguns anos com a sua família,não foi para a escola nem brincou com as crianças da roça vizinha. Quando ela estava com dezesseis aninhos apresentou um febrão e Papai do Céu mandou lhe buscar para ir morar lá no céu de onde olhava por seus pais velhinhos,falando para a nuvenzinha azul:

- Olha lá nuvenzinha,os meus velhinhos e amados pais.Foram eles quem cuidaram de mim com muito amor e nunca se aborreceram com a minha doença de não querer participar das coisas que todas as outras pessoas faziam.

A nuvenzinha azul sorria e piscava o olhinho pois ela sabia que Marcelinha havia sido uma criança autista e por isto assim se comportara.

Lá no roçado seu Joaquim e dona Naná continuavam na labuta e,vez por outra,choravam com saudades daquela filha "diferente" mas muito especial, que Deus enviara para alegrar as suas vidas  e que havia levado de volta tão cedo,deixando um grande vazio naquele lar cheio de amor.

Quem conheceu Marcelinha guarda boas lembranças de um sorriso que,de vez em quando,escapulia de lá de dentro dela tornando o seu rosto iluminado qual o rostinho de um anjo.


bjs,soninha

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!