Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
Com muitas novidades!

30 de jun de 2012

A FUGA DAS BONEQUINHAS DE PANO


Lucinha tinha muitas bonecas que havia recebido da sua mãezinha, guardava todas elas numa grande prateleira fixada na parede do seu quarto, de vez em quando ela limpava a poeira, dava um cheirinho em cada uma e recolocava no mesmo lugar.

Quando todos iam dormir e o silêncio se espalhava pela casa, as bonecas saltavam da prateleira, passeavam pelos corredores, entravam nos quartos onde ficavam a observar as pessoas dormindo, abriam a geladeira a fim de espiar o que havia ali dentro , ligavam aparelhos de rádio e TV, bem baixinho, sentavam-se nas poltronas e ficavam a escutar músicas e assistir desenhos, até que percebiam o dia chegando devagarinho, pisando bem de mansinho para não fazer barulho, elas então corriam, pulavam na prateleira e ficavam quietinhas, bem quietinhas para que ninguém notasse que haviam saído.

Um dia pela manhã Lucinha chegou perto delas e falou:

_ Mamãe, você mudou as bonequinhas de lugar?

- Não querida, respondeu a sua mãe. Porquê??

_ Por nada não mamãe; imaginei que estão em posições trocadas mas eu devo ter-me enganado.

As bonequinhas escutaram aquilo e uma delas, a lilás, falou baixinho às outras, assim que Lucinha se retirou:

* Sabe amigas, o melhor que devemos fazer é fugir daqui, porque mais dia menos dia vão nos surpreender nos nossos passeios noturnos e vamos levar uma boa sova.

As outras pensaram...pensaram e disseram:

# Tudo bem lilás, nós concordamos com você e queremos fugir.

Mas para onde nós vamos?

* Vamos para as casas das crianças que não têm bonecas pois quando elas acordarem e nos virem vão ficar muito felizes. 
Vamos hoje mesmo?!

@ Vamos sim!!
 responderam todas ao mesmo tempo.

+Ah! mas assim nós vamos ter que nos separar e vou ficar com saudades de vocês, disse a rosinha.

* Façamos assim, disse a lilás, nós nos reuniremos todos os sábados na pracinha da cidade, a fim de matar a saudade e contarmos as novidades das nossas casas novas, está bom assim?

@ Beleza!!! Está ótimo, responderam todas.

Assim, quando a casa silenciou e todos adormeceram, as bonequinhas de pano desceram da prateleira, abriram a porta da rua e foram para um bairro pobre onde as crianças não tinham brinquedos.

Entraram na casa das crianças e deitaram-se bem juntinho delas a fim de aquecê-las com o carinho da surpresa.

Quando amanheceu, todo o bairro entrou em alvoroço com as crianças entrando e saindo das casas a mostrarem as bonequinhas, umas às outras, muito, muito felizes!

E Lucinha? o que aconteceu com ela ao ver que as suas bonequinhas sumiram?

Lucinha pensou que haviam sido roubadas e pediu a sua mãe para comprar-lhe outras, a mãe consentiu e ela está esperando...

As bonequinhas de pano vivem felizes com suas novas amigas que não desgrudam delas um segundo, e, todos os sábados elas dão uma fugidinha até a pracinha onde se sentam nos bancos de pedra e ficam a tagarelar sobre a nova vida que estão levando.

soninha

beijinhos de alegria

28 de jun de 2012

A BALEINHA FELIZ




Feliz era uma baleia que vivia muito alegre porque ela amava muito a sua vida.

Todos os dias ela orava ao Papai do Céu e pedia para ele dar um puxão de orelhas nos homens para que eles parassem de matar as baleias.

Tanto a baleiinha orou que Papai do Céu deu um castigo e uns puxões de orelhas nos pescadores de baleias fazendo eles pararem de matar aqueles lindos animais.

O mundo passou a ser bem mais bonito para todas as baleias, principalmente para a baleiinha que saiu do mar e foi jogar bola com as suas amiguinhas.

O jogo foi muito divertido e bem rapidinho porque elas não podiam demorar fora da água.

A partir deste dia, nunca mais se viu o sangue das baleias tingindo a água do mar de vermelho e elas viveram muito...muito...e muito felizes pois não precisavam se preocupar com o bicho homem.

soninha
beijinhos de luz...

O DRAGÃOZINHO VERDE



Uau! 

Quem é que vem ali mastigando sem parar?

_ É um lindo dragãozinho verde que veio para brincar! falou o ventinho suave.

O dragãozinho chegou devagarinho, um lindo animal da cor das verdes folhas , calmo como as águas do rio deslizando pelo seu leito, mastigando sem parar, alguns lindos girassóis.

Quando vi o dragãozinho notei um laçarote na sua cabeça e então eu pensei ser um dragão fêmea e que ela comia flores para ficar mais bonita....rs.então eu perguntei ao ventinho suave se era verdade ?
O ventinho suave sorriu e respondeu:


Este lindo dragãozinho
Que veio para brincar
Come os lindos girassóis
Pra poder se embelezar
Dizem que estas florzinhas
Tornam em lindas gracinhas
Quem, delas, se alimentar.

Achei engraçada a maneira do ventinho me responder e perguntei a ele:
por que você fala assim ?

Falo assim, porque nasci
Com letrinhas em minha mão
Pra fazer mil historinhas
E também linda canção
Com uma linda melodia
Que transmita alegria
E a paz ao coração!

Dito isto o ventinho suave me deu um beijinho e foi embora e eu fui brincar, horas e horas com o meu mais novo amiguinho, o Dragãozinho Verde!

Esta é a minha historinha, agora você me conta a sua...rs...

beijinhos de luz...

27 de jun de 2012

JULINHO E A LIBÉLULA



Julinho tinha um medo terrível das libélulas porque ele não as conhecia direito e temia que elas pudessem transmitir doenças do tipo dengue, malária etc.Depois que ele ficou sabendo que elas são inofensivas encheu-se de coragem e adotou uma para ser a sua amiguinha do coração.

A mãe dele porém, tinha tanto medo destes insetos, que desmaiava sempre que uma delas pousava perto dela ou passava de raspão pela sua cabeça quando estavam voando.Para evitar que a sua mãe o repreendesse por causa da sua mais nova amiga,Julinho colocou-a no seu dedo,falando-lhe com todo carinho possível: 

- Linda libélula, seremos amigos por toda a nossa vida mas vou pedir-lhe um favor. 

- Pode pedir, respondeu a libélula com a sua vozinha miúda e suave. 

- Não apareça perto da minha mãe porque ela tem pavor de vocês libélulas e passa mal quando uma se aproxima dela. 

- Tudo bem,respondeu a libélula ao seu amigo. 

Os dias se passaram e Julinho se tornou cada vez mais amigo dela,a quem ele contava os seus segredos e os seus sonhos, deixando-a sempre no seu quarto, sobre o seu armário a fim de que a sua mãe não a encontrasse. 

Uma manhã Julinho saiu para a escola e a sua mãe foi realizar uma faxina no seu quarto; quando ela começou a rodar a chave na fechadura,a libélula mais do que ligeira saiu voando antes que ela entrasse e pudesse se assustar.Sabia que Julinho estava na escola e só poderia ser a mãe dele a abrir a porta,e não queria assustá-la. 

Quando o menino voltou da escola indo direto ao seu quarto para brincar com a sua amiguinha,nada! Procurou muito e não a encontrou.E o pior é que não podia perguntar a sua mãe se a tinha visto pois se perguntasse a mãe descobriria o seu segredo e o repreenderia. 

Julinho chorou com saudades da sua amiguinha e nunca mais guardou bichinhos com asas pois sabia que mais cedo ou mais tarde eles voariam e iriam embora deixando apenas a saudade no lugar. 

soninha 

beijinhos de luz

26 de jun de 2012

OS URSINHOS DE BRUNA



Na fazenda de Bruna há muitas borboletas que voam para lá e para cá, enfeitando toda a paisagem, tornando-a mais alegre mais colorida.


Bruna é uma garotinha brincalhona que ama os seus pais, é muito estudiosa e possui muitos brinquedos dentre os quais, os seus preferidos são dois ursinhos gêmeos:o leleco e o lilico.

Uma manhã de primavera quando as borboletas invadiam os campos e as moradas, a menina acordou com muita vontade de brincar com os seus ursinhos porém não se lembrava onde os havia guardado. Procurou por toda parte da casa e não conseguia encontrá-los.

Remexeu o armário de roupas, a caixa de brinquedos, a sapateira e nada!

Onde será que enfiei os meus queridos ursinhos,meu Deus do céu?!

Ah! não sei não...falou a menina. Vou tomar banho na piscina e mais tarde eu volto a procurá-los,resmungou.Vestiu o biquini, pegou uma toalha, o chapéu azul, de palhinha macia, o protetor solar e foi para a área da piscina.

Imaginem o que ela encontrou no caminho?!

Sim! Isto mesmo! O leleco e o lilico!

Sabem onde eles estavam?! Dentro da jardineira nova que a sua mãe havia arrumado num carinho de mão que não mais usavam.Havia muitas borboletas voando ao redor deles, a coisa mais linda do mundo!

Ao vê-los ela se recordou imediatamente quando a sua mãezinha estava arrumando a jardineira e ela ofereceu os seus ursinhos, dizendo que era para embelezar ainda mais a jardineira.

Ah!seus danadinhos....falou Bruninha se dirigindo aos ursinhos.Seus peraltas!De agora em diante vocês não sairão mais de perto de mim.

Agarrou os ursinhos e foi para a piscina onde passou um bom tempo se deliciando na sua água morna na companhia dos seus amiguinhos que também fizeram uso do protetor solar. (rs)

Esta menina é mesmo uma peralta!

bjs,soninha

24 de jun de 2012

O PASSEIO DE LULINHA




Quando Lulinha nasceu a sua mãezinha falou:

- Um anjinho veio do céu para alegrar a nossa casa!

Lulinha foi crecendo e se tornando um garotinho sapeca,brincalhão e muito alegre.Quando começou a falar a primeira palavrinha foi: Lua!

Os seus pais se perguntaram: por que ele falou lua?! 

Não sabiam a resposta porque eles não sabiam que a caminha do Lulinha estava pertinho da janela e ,pelas vidraças ele via a lua todos os dias quando ía dormir.

E quem ensinou o menininho que lá no céu era a lua?

Sabem quem foi?! A Fadinha Encantada que todos os dias vinha lhe contar historinhas e responder as suas perguntas de criança.

Quando ele já falava direitinho,pediu à Fadinha para levá-lo a passear lá no céu pois queria sentar e brincar na lua.

A Fadinha Encantada,muito boazinha,aproveitou que a noite estava clara,enluarada e estrelada,os pais do Lulinha dormiam, e levou o garotinho sobre as suas asinhas até a lua onde ele sentou como se estivesse num cavalinho de brinquedo,pendurou-lhe uma estrelinha para enfeitá-la enquanto segurava o balão que havia levado de casa.

Depois de brincar muito sob os cuidados da Fadinha,Lulinha retornou para casa onde adomeceu na sua caminha gostosa e quentinha.

A Fadinha lhe deu um gostoso abraço e lhe prometeu que viria mais vezes buscá-lo para passear pelo céu.

O menininho alegre lhe perguntou:

- Posso levar o papai e a mamãe comigo?

- Claro Lulinha,iremos todos nós,respondeu a Fadinha já saindo pela  janela do quarto,deixando lá dentro um suave perfume de alfazema.

soninha

beijinhos de luz...

A CANETA MÁGICA



Dona Vitória a professora da 4º classe A, ganhou dos seus colegas, uma caneta muito grande, que eles diziam ser mágica.

No dia em que recebeu o presente, ela teve a maior dificuldade em levá-la até a sua sala pois era realmente uma caneta fora do comum.

Colocou-a sobre a sua mesa de trabalho,com muito esforço, e saiu para telefonar à sua mãe para que fosse buscá-la de carro, explicando-lhe sobre o presente que recebera.

Enquanto ela saiu para telefonar, alguns garotos entraram na sala e viram aquela "canetona"...imensa...e falaram  todos ao mesmo tempo:

_ Xiiiiiiiiii...que canetão!

Dois deles ,Ivo e Luís, resolveram pegá-la para escrever, seguraram com cuidado sobre a folha do papel e,sem que fizessem nenhum movimento, surgiu no papel:

: Que caneta maluca!

_ Ué, nem escrevemos e surgiu isto? falaram os garotos.

- Ja sei o que é, falou Ivo o mais esperto dos dois.Ela lê o nosso pensamento e escreve, quando nós tocamos nela.

Chamaram outro coleguinha, o Ronaldinho e pediram que ele segurasse a caneta e esperasse um pouco.

Devagarinho a caneta foi se movimentando e escreveu: 

: Este Jair é mesmo um bobão!

_ É isso que você pensa de mim, Ronaldinho? perguntou Jair, bastante irritado.
-Esta caneta é mentirosa, falou Ronaldinho. Eu não estava pensando em nada.
Quando a professora retornou , ralhou com as garotos pedindo que voltassem às suas salas de aula e pegou a caneta com a ajuda da sua mãe, levando-a para casa.

Já em casa a caneta foi guardada em um armário trancado à chave que  foi escondida pela professora Vitória.

Os alunos ficaram tristes quando souberam que a caneta não estava mais no colégio pois desejavam descobrir o pensamento de muitos e muitos colegas.

Dona Vitória esqueceu-se da caneta dentro do armário e um belo dia quando ela  se lembrou , foi ver como estava, encontrando-a do tamanho de uma caneta normal . 

_ Ué! como foi que ela encolheu? perguntou a si mesma mas não obteve resposta.

O que dona Vitória não sabia é que os poderes mágicos da caneta se acabaram porque ela deixou de ser usada por muito tempo, e nunca mais voltariam.

Assim, ela passou a usar o presente e ninguém notou que aquela era a caneta enorme que havia se tornado normal. Nem mesmo os colegas que deram o presente foram capazes de notar.
Enquanto alguns alunos ainda sonhavam em encontrar a caneta mágica, dona Vitória, na sua casa, escrevia com ela, lindas historinhas e poemas para as crianças.

bjs,soninha

21 de jun de 2012

O COLO DA MAMÃE


O inverno começou
Estou sentindo um friozinho
Eu gosto de me aquecer
Com a mamãe, no seu colinho
Seu colinho é tão gostoso
É um cantinho primoroso
Onde eu fico bem quentinho!


Ela me acolhe, gentil
Pertinho do seu coração
Canta canções de ninar
Segurando a minha mão
Me envolve com carinho
Me premia com um beijinho
É, do amor, a perfeição!


soninha

beijinhos de alegria...

16 de jun de 2012

O ANIVERSÁRIO DA LUA



Era uma vez...

Um Reino Encantado onde tudo e todos comemoravam o seu aniversário.

Astros,asteróides,planetas,satélites,animais,fadas,pessoas,casas...tudo...tudinho!

Até a lua comemorava o seu aniversário!

Havia chegado o mês do aniversário da lua e todas as crianças estavam ansiosas para saber como seria.Não paravam de perguntar aos pais:

- será que vai ter docinhos? perguntava Vivian, enquanto Rui suispirava revirando os olhinhos:

- e para chegar por lá, será que vamos nas asas do urubu? e dava garalhadas...

Eram tantas perguntas!

Finalmente chegou o grande dia!

As crianças estavam ansiosas e nervosas e mais agitadas ficaram quando viram uma imensa espaçonave na pracinha da cidade,esperando por todos. A algazarra tomou conta e o rebuliço foi total!

Foi difícil conter as crianças,mas finalmente todos se acomodaram dentro da espaçonave e lá se foram pelo imenso espaço sideral.

A lua estava linda! Toda enfeitada aguardando os convidados que foram chegando e logo se acomodando pela sua linda superfície .

Havia docinhos,sim!Foram encomendados ao planeta marte e os próprios marcianos foram levar e participaram da linda festa. Uma mistura de terráqueos, marcianos, lunáticos, fadas, gnomos ,anjos etc...

Cantaram parabéns, soltaram bexigas pelo espaço, lindos fogos de artifício, comeram docinhos e muito suco e,ao final da festa, retornaram felizes e saudosos.

A lua se despedia de todos lembrando-lhes:

- Não se esqueçam de que no próximo ano tem mais!!


bjs, soninha

Leia também
A LAGOA DA FELICIDADE

ANINHA NO REINO ENCANTADO



Era uma vez...

...uma garotinha,a Aninha, muito sapeca que adorava ler lindas histórias.Costumava deitar-se no jardim da sua casa e alí passava horas e horas mergulhada na leitura.Ela dizia que realizava uma grande viagem quando lia um bom livro.

Um dia, ao entardecer, ela estava lendo quando escutou uma vozinha chamando-a baixinho:

- Aninha,ô Aninha,vem brincar comigo,vem!

Aninha assustada,levantou-se a fim de procurar quem a estava chamando.Quando ía fechando o livro a mesma vozinha falou:

- Não fecha o livro não senão você me prende aqui dentro.

A menina mais assustada ainda olhou para o livro com os olhos arregalados e viu uma fadinha vestida com um lindo vestido azul,era uma personagem da historinha que ela estava lendo,e estava chamando-a para ela entrar no livro e ir brincar.

Aninha perguntou:

- Como posso entrar aí?

Ao que a fadinha respondeu:

- Me dé a sua mão que eu lhe trago para cá.

Aninha estendeu a sua mão que a fadinha segurou e a levou para o mundo encantado das fadas e gnomos.A menina passou o restante da tarde dentro da historinha visitando todo o Reino Encantado das fadinhas azuis,viu a fonte onde ela morava com as outras fadas, conheceu os gnomos, a bruxinha alegre que não fazia mal a ninguém e era muito feliz ,o sapo encantado,a igrejinha onde havia dois sinos que tocavam ao mesmo tempo,o lago de água lilás,a rainha que distribuía doces todos os dias,o sol azul e a lua verdinha e tantas coisas lindas que aqui não dá para citar todas.

Já escurecia quando Aninha retornou ao seu mundo encontrando a sua mãe aflita que correu a abraçá-la perguntando:

- Onde você estva filha?! Eu fiquei tão preocupada em não lhe encontrar lá fora.

- Ah! mamãe,você nem imagina!

- Imagina o que menina,diz logo!

- Eu fui conhecer o Reino Encantado onde vivem as fadinhas azuis.

- Onde fica este tal Reino Encantado menina?!

- No livro mamãe,no livro! falou Aninha dando um longo suspiro.

- Lá vem você,de novo,com as suas histórias...falou a mãe e foi saindo.

Aninha pensativa resmungou:

- Não sei porquê a mamãe me pergunta se ela nunca acredita em mim! e, suspirando foi caminhando para dentro de casa,cantarolando enquanto abraçava com carinho o seu livro.

É sempre assim,os adultos nunca acreditam nas crianças...rs.rs!

bjs,soninha

Leia também
A ABELHINHA FELIZ

O Recadinho dos Animais


A floresta estava em festa e muitos animais se divertiam contando casinhos, cantando e dançando. 


Foram todos convidados: girafas, passarinhos, borboletas, cegonhas, elefantes, sabiás, corujas, zebras e muitos e muitos animaizinhos, mas nem todos puderam ir. 

Alguns estavam ocupados trabalhando, outros estavam viajando e outros gostavam de dormir...dormir....e dormir! 

Quando a festinha estava muito animada, uma fadinha resolveu fazer uma surpresa e pintou um lindo arco-íris no céu, ficou tão lindo que as borboletinhas se assanharam e ficaram voando para lá....e para cá....para lá...e para cá....

Os passarinhos estavam tão alegres que alguns deles pulavam e dançavam nas costas do elefante como se fosse uma pista de dança.

O elefante tentava enxergar o que estava acontecendo porém não conseguia e ficava revirando os olhos e falando: Ai meu Deus! Ai meu Deus...!

As joaninhas em cima dos galhos pulavam de alegria, doidinhas para dançarem em cima do elefante junto com os passarinhos, mas eram medrosas e ficavam assustadas com a ideia de que o elefante poderia comê-las.

Depois de muito brincarem os animais voltaram para as suas casinhas porque no outro dia havia escola bem cedinho e eles tinham que descansar. 

Mas foram todos muito felizes! 

E deixaram um recadinho para as criancinhas: eles disseram:

_ Criancinhas, brinquem! 

Brinquem muito, aproveitem a infância porque brincar é a coisa mais gostosa do mundo.

beijinhos de alegria...
Leia também
O ABRAÇO DA MAMÃE 

O TAPETE VOADOR


O TAPETE VOADOR

Luana, menina peralta e risonha adora passear no tapete mágico voador. 


Ela senta no tapete na companhia do seu amiguinho rubi e fala:
abracadabra vamos voaaarrr....
e o tapete voa rapidinho igual aos ventinhos quando
estão zangados.


Um dia o tapete levou Luana tão alto que ela tocou no céu, pegou um punhadinho de nuvens
bem branquinhas e trouxe para dar de presente a sua mãezinha.


Ao entregar a nuvenzinha para a sua mãe a garotinha tocou em algo diferente , era
uma pombinha que, ali, se escondera...


A menininha acariciou a cabeça da pombinha, deu-lhe muitos beijinhos e
lhe disse: - eu vou cuidar de você amiguinha!
Eu e a mamãe...


A sua mãezinha ganhou então dois presentinhos:
- um punhadinho de nuvem e uma pombinha, que ela adorou e agradeceu 
à filhinha com muitos beijinhos.


bjs,soninha

12 de jun de 2012

A BORBOLETA E O VENTO




No Reino das borboletas havia uma que se destacava pela beleza das suas cores e o brilho que emitia quando estava sob a luz do sol  ou qualquer outra fonte de luz. 

No escuro, havia cores fosforescentes que brilhavam como pisca-pisca e a todos encantavam. 
Por toda esta beleza apelidaram-na "luzinha"!

Sabendo-se muito bonita e destaque entre as demais ela voava como se desejasse sobressair das outras, em voos longos e cada vez mais altos.

Certo dia, o vento corria ligeirinho como se estivesse com pressa e as suas amiguinhas se recolheram com medo de serem levadas para o fim do mundo, assim diziam.

Luzinha, vaidosa e teimosa, não aceitando o convite das amiguinhas para entrar na sua casinha, continuou a desafiar o vento, voando cada vez mais alto, para lá e para cá....

O ventinho foi ficando muito zangado com aquela borboleta que o desafiava, rangeu os dentes com raiva e se transformou em furiosa ventania, carregando "luzinha" para bem longe das sua amigas.

Anos se passaram as borboletas procurando por "luzinha", e nunca a encontraram.

Contam que ela se transformou numa linda fadinha e para o Reino delas foi levada.

bjs,soninha

10 de jun de 2012

JUJUBA O LEÃOZINHO


Habitando uma grande floresta, Jujuba, o leãozinho, crescia forte e sabido.

Sua mãe, Dona Leoa, cuidava dele com muito carinho: dava-lhe banho, penteava-lhe o pelo, aparava-lhe as unhas e alimentava-o.

Muito amorosa, sua mãe defendia-o contra os perigos da floresta, não permitindo que se afastasse muito da toca.

Mas Jujuba, vivendo sempre sozinho, sentia falta de amigos, desejava ter com quem brincar.

Certo dia Jujuba resolveu sair de casa para encontrar um amigo.

Encantado com tudo o que via, embrenhou-se na mata, afastando-se da toca.

Um pouco adiante viu um coelhinho escondido entre as árvores e perguntou:


– Olá! Quer ser meu amigo?

O coelho ao ver quem lhe dirigia a palavra arregalou os olhos, assustado, e gritou, sumindo no meio do mato:

– Um leão!... 

Jujuba não entendeu a atitude do coelho, mas não desanimou.

Andando mais um pouco encontrou um veadinho que pastava tranquilamente. Aproximou-se e disse:


– Olá! Quer ser meu amigo?

Com as pernas bambas de medo, o animal fez meia-volta e desapareceu no meio da floresta, gritando:

– Fujam! Um leão! Um leão!...

Jujuba, triste, ainda não desanimou. Continuou andando e procurando. Mais adiante olhou para cima e viu um macaco enroscado num galho de árvore. 


– Quer brincar comigo? – perguntou esperançoso.

Ao vê-lo, o macaco assustou-se e foi embora, pulando de galho em galho. O filhote de leão, muito chateado e infeliz, pôs-se a chorar.

– Buá... Buá... Buá.

Ouvindo o choro, alguns animais que estavam escondidos se aproximaram. O leãozinho chorava de cortar o coração e eles se condoeram das suas lágrimas.

– Por que está chorando? – perguntou um enorme sapo.


Ao ouvir aquela voz, Jujuba parou de chorar e enxugou as lágrimas.

– Você está falando comigo? – estranhou, pois quisera conversar com ele.

– Sim, é com você mesmo! – confirmou o sapo. – O que aconteceu?

– Por que está chorando? – perguntou um enorme sapo.

E Jujuba, mais animado, explicou:

– Saí de casa para procurar um amigo. Alguém que quisesse brincar comigo. Mas ninguém gosta de mim...

E recomeçou a chorar: Buá... buá...

Ouvindo a reclamação do leãozinho, feita em voz macia e terna, o sapo olhou os outros animais, que abaixaram a cabeça.

– Não se envergonham de ter medo de um pequeno filhote? — perguntou-lhes o sapo.

O coelho, ainda tremendo de susto, indagou mais corajoso:

– É só isso que deseja? Não vai atacar-nos depois?

– Não! Por que iria atacá-los? Quero que sejamos amigos e que brinquem comigo. Sinto-me tão sozinho!

Então os animais perceberam que Jujuba era apenas um leãozinho delicado e gentil, incapaz de fazer mal a alguém. E disseram envergonhados:

– Perdoe-nos. Nós o julgamos mal sem conhecê-lo e sem saber quem era você. Queremos ser seus amigos, Jujuba. Pode contar conosco.

Satisfeito, o leãozinho agradeceu a todos e olhou em torno, preocupado.

– E agora? Creio que me afastei demais e acho que não sei voltar para casa!

Mas os bichos o tranquilizaram, afirmando-lhe:

– Não se preocupe. Nós o levaremos para casa.

Feliz, Jujuba retornou ao lar com um enorme acompanhamento de bichos e, desse dia em diante, tornaram-se grandes amigos e sempre brincavam juntos.

E os animais da floresta entenderam que não se deve julgar as criaturas pela aparência, sem conhecê-las. Que somos, na verdade, todos irmãos, filhos de um mesmo Pai, que nos criou, e que poderemos viver todos juntos em paz e harmonia, se tivermos boa vontade.


Tia Célia

Célia Xavier Camargo

***É isso aí galerinha! A tia Célia está certíssima. Não devemos julgar uma pessoa apenas pela sua aparência. Às vezes olhamos alguém e pensamos que ela é "braba", "ruim" etc e não nos aproximamos dela com medo, E, na maioria das vezes ela é uma pessoa boa, clama e prestativa. 
Vamos conhecer as pessoas antes de julgá-las!

beijinos de paz!

BEIJINHO DE LARANJA (de colher)


Ingredientes:

. 1 xícara (chá) de suco de laranja 
. 1 xícara (chá) de leite 
. 2 xícaras (chá) de açúcar 
. 2 xícaras (chá) de coco ralado 
. 2 gemas 
. 1 colher (sopa) de raspas de casca de laranja 
. 1 colher (chá) de raspas de casca de limão

Modo de preparo:

- Em uma panela, misture o suco de laranja, o leite, o açúcar, o coco ralado e as gemas. 
- Leve ao fogo brando, mexendo sem parar até começar a engrossar. 
- Desligue o fogo e junte as raspas de casca de laranja e limão. 
- Deixe esfriar e distribua em taças pequenas. 
-Leve à geladeira por 4 horas.


beijinhos de luz...

5 de jun de 2012

O LEÃO E A ANDORINHA


Cansados, os animais sentaram-se sob a copa frondosa de uma árvore,o leão aproveitou a oportunidade para se gabar do seu porte, da sua beleza e da sua força,se dizendo o melhor de todos.

A andorinha que estava pousada num galho escutando a conversa, suspirou e disse baixinho:

 _Vamos ver até onde vai tanta gabolice! 


Os dias passavam e nenhuma novidade acontecia na selva, até que, numa bela manhã ensolarada, o leão passeava pelo mato quando sentiu uma terrível dor na sua pata que o impediu de andar. 

Sentou-se, olhou e viu que era um grande espinho que havia penetrado quase todo, não deixando uma ponta suficiente para ele pegar com suas unhas e puxá-lo.

A andorinha vendo a aflição do leão perguntou: 
- Quer ajuda meu amigo? 

_Ajuda sua? Qual ajuda você pode me oferecer? 
Você é tão pequenina...

- Vamos tentar...vamos tentar...disse a andorinha.

A ave desceu do galho e, com o seu biquinho, puxou o enorme espinho 
que estava encravado na pata do leão e, mais que depressa ,
voou com medo de ser por ele devorada.

Moral: Não devemos desdenhar (fazer pouco) dos outros pois um dia poderemos precisar deles.

soninha

beijinhos de paz...

1 de jun de 2012

A LAGARTIXA VIVI E O SAPO CURURU

No reino dos animais viviam todos em harmonia, ajudavam-se entre si, cuidavam uns dos outros e nenhum deles se aborrecia. Apenas a lagartixa vivi se comportava de maneira diferente. 

Era invejosa, má, vaidosa, não gostava de cooperar nas tarefas do Reino e vivia a colocar apelidos nos outros animais. 

Certa vez ela implicou com o sapo de tal maneira que a Rainha Mãe dos animais, dona leoa, teve que chamá-la a atenção e deu-lhe uma bela de uma reprimenda. Mas a vivi não se incomodou nem um pouquinho e continuou a perturbar o sapo onde quer que ele estivesse.
Certo dia o cururu se aquecia ao sol, sobre uma pedra dentro da lagoa, aparece-lhe a lagartixa que começa: 

_ Ei seu feioso! que é que você está fazendo aí? pensa que vai ficar moreninho é? Você não tem jeito não, será sempre um feioso. 

O sapo ouvindo as ofensas fez cara feia, resmungou  baixinho e se controlou para não pular sobre a vivi e esmagá-la. 

A lagartixa pensando que ele não estava escutando elevou o tom de voz e criou novas ofensas:

 _ Responda seu cascudão horroroso! não é macho não!? O sapo irritado lhe disse: 

- Um dia eu lhe mostro se sou ou não sou macho, sua lambisgoia chata.
 _ Lambisgoia é dona sapa, a sua esposa! retrucou a lagartixa, acrescentando: - vocês vivem nesta lagoa horrorosa, não assistem TV, não conhecem ar condicionado, não sabem o que é um delicioso sofá nem uma casa limpinha. Eu sim, sei o que é isto tudo pois vivo dentro de uma mansão. 

- Até o dia que te descobrirem e te enxotarem com a vassoura, respondeu o sapo.

_ Qual nada! eu sei me esconder bem escondidinha, falou a vivi, soltando risadinhas de gozação para o sapo e se retirando da beira da lagoa. 

Os dias se passaram e, uma bela tarde enquanto vivi passeava perto da lagoa, escorregou caindo dentro da mesma.A lagartixinha aflita por não saber nadar e com medo de afogar-se começou a gritar por socorro:

 _ Socorro! socorro! alguém me acuda por favor! não quero morrer!! 

O sapo cururu que cochilava ao sol sobre uma das suas pedras favoritas, escutando os gritos da lagartixa, mais que depressa pulou na água e foi socorrê-la. Aproximou-se dela, orientou para que ela subisse nas suas costas que ele a levaria para a margem da lagoa. 

Vendo que não tinha outra alternativa, ou subia no sapo que ela tanto maltratava com as suas palavras ou morreria afogada na lagoa que era a casa dele, a vivi, envergonhada, agarrou-se às suas costas e foi, por ele, levada até a margem. 

Ao descer das costas do sapo, ela baixou a cabeça e pediu desculpas, muito envergonhada mesmo! 

O cururu apenas lhe disse:

 -Eu não lhe falei que um dia eu lhe mostraria se sou ou não sou macho?! E agora, ainda duvida de mim?!  

_Não cururu, claro que não! De agora em diante eu quero é a sua amizade, pode ser?

 - Claro que pode! eu sou amigo de todos daqui do Reino, só você que não me via com bons olhos.

 _ Eu lhe prometo sapinho! eu lhe prometo que, de hoje em diante, não implicarei mais com você. 

A partir de então a lagartixa vivi e o sapo cururu se tornaram bons amigos passando horas e horas a brincar e conversar enquanto trabalhavam no Reino. 

O exemplo da lagartixa vivi jamais deve ser seguido por nós! 

Não precisamos esperar que algo ruim nos aconteça e que alguém nos socorra para sermos amigos. 

A amizade deve ser espontânea, sincera e desinteressada e o respeito ao outro é essencial na nossa vida.
soninha 
beijinhos de luz!

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!