Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
São João está chegando...

20 de mai de 2014

O Macaco e o Gato


Simão, o macaco, e Bichano, o gato, moram juntos na mesma casa. E pintam o sete. Um furta coisas, remexe gavetas, esconde tesourinhas, atormenta o papagaio; outra arranha os tapetes, esfiapa as almofadas e bebe o leite das crianças.

Mas, apesar de amigos e sócios, o macaco sabe agir com tal maromba que é quem sai ganhando sempre.

Foi assim no caso das castanhas.

A cozinheira pusera a assar nas brasas umas castanhas e fora à horta colher temperos. Vendo a cozinha vazia, os dois malandros se aproximaram. Disse o macaco:

– Amigo Bichano, você que tem uma pata jeitosa, tire as castanhas do fogo.

O gato não se fez insistir e com muita arte começou a tirar as castanhas.

– Pronto, uma…

– Agora aquela lá… Isso. Agora aquela gorducha… Isso. E mais a da esquerda, que estalou…

O gato as tirava, mas quem as comia, gulosamente, piscando o olho, era o macaco…

De repente, eis que surge a cozinheira, furiosa, de vara na mão.

– Espere aí, diabada!…

Os dois gatunos sumiram-se aos pinotes.

– Boa peça, hem? — disse o macaco lá longe.

O gato suspirou:

– Para você, que comeu as castanhas. Para mim foi péssima, pois arrisquei o pelo e fiquei em jejum, sem saber que gosto tem uma castanha assada…

O bom-bocado não é para quem o faz, é para quem o come.


*Monteiro Lobato*

16 de mai de 2014

A Panela




A velha empregada de minha família era uma preta.

Chico, o neto dela – como é costume acontecer quando não temos irmãos -, era o meu companheiro constante de brincadeiras e folguedos.

Em tudo quanto fazíamos, a parte de Chico era sempre a mais pesada, secundária e passiva.

Ele tinha sempre que dar e, nunca, que receber.



Um dia corri para casa, à saída da escola porque Chico e eu tínhamos projetado construir uma vala que fosse do poço à lavanderia.

Sem darmos por isso, cada um de nós assumiu logo o seu papel, – como de costume.

Chico era o “condenado” a trabalhos forçados, suando e repetindo esforços. E eu o implacável guarda, com uma vara na mão!


A maneira como eu estava maltratando aquele menino negro, era quase digna de um adulto imbuído de preconceitos de cor.

Foi quando a nossa preta velha chamou-nos :

- Crianças, venham pôr a minha panela no fogão!

Corremos para a cozinha. A panela estava no chão e nós a agarramos com ambas as mãos. Mas com um grito a largamos, perplexos de que ela nos tivesse mandado pegar em uma coisa que, – era evidente que sabia, – estava extremamente quente.

Em seguida, em graves e brandas palavras, tão nítidas e simples que até hoje as posso escutar, partindo do fundo do tempo, disse-nos assim:


- Ora! Vocês dois se queimaram. Que coisa mais engraçada! A cor da pele de vocês é tão diferente, mas a dor que estão sentindo é igual para ambos, não é verdade?

Concordamos que sim.

E nunca mais pude me esquecer desse episódio que sem dúvida alguma, fez de mim uma pessoa diferente.


*Wallace Leal V. Rodrigues*

15 de mai de 2014

A História do Livro


O mundo vivia em grandes perturbações... 

As criaturas andavam empenhadas em conflitos constantes, assemelhando-se aos animais ferozes, quando em luta violenta. 

Os ensinamentos dos homens bons, prudentes e sábios eram rapidamente esquecidos, porque, depois da morte deles, ninguém mais lhes lembrava a palavra orientadora e conselheira. 

A Ciência começava com o esforço de algumas pessoas dedicadas à inteligência; entretanto, rapidamente desaparecia porque lhe faltava continuidade. Era impraticável o prosseguimento das pesquisas louváveis, sem a presença dos iniciadores. 

Por isso, o povo, como que sem luz, recaía sempre nos grandes erros, dominado pela ignorância e pela miséria. 

Foi então que o Senhor, compadecendo-se dos homens, lhes enviou um tesouro de inapreciável importância, com o qual se dirigissem para o verdadeiro progresso. 

Esse tesouro é o livro... 

Com ele, apareceu a escola, com a escola, a educação foi consolidada na Terra e, com a educação, o povo começou a livrar-se do mal, conscientemente. 

Muitos homens de cérebro transviado escrevem maus livros, inclinando a alma do mundo ao desespero e à ironia, ao desânimo e à crueldade, mas, as páginas dessa natureza são apressadamente esquecidas, porque o livro é realmente uma dádiva de Deus à Humanidade para que os grandes instrutores possam clarear o nosso caminho, conversando conosco, acima dos séculos e das civilizações. 

É pelo livro que recebemos o ensinamento e a orientação, o reajuste mental e a renovação interior. 
Dificilmente poderíamos conquistar a felicidade sem a boa leitura, O próprio Jesus, a fim de permanecer conosco, legou-nos o Evangelho de Amor, que e, sem dúvida, o Livro Divino em cujas lições podemos encontrar a libertação de todo o mal...

**Meimei : Chico Xavier**

14 de mai de 2014

*Minha Sombrinha Amarela*


Adoro a chuvinha
porque posso usar
a minha sombrinha
Ela é tão bonitinha...
é amarelinha
enfeitadinha
com lindas bolinhas!

Quando eu estou
debaixo dela
parece um sonho
de Cinderela!
A qualquer momento
vai chegar o príncipe
e me levar
num barco à vela!

Sou a mais bonita
mais chique
mais bela
mais tudo, eu sou
quando eu estou
com a minha sombrinha
amarelinha!


*soninha*

A PACIÊNCIA


Lívia entrou em casa correndo e gritando por sua mãe: 
_ Mamãe, mamãe, onde está você? 

- Estou aqui filhinha, na lavanderia, o que foi que aconteceu? 

Ofegante a menina se aproximou da mãe e perguntou:
 _Mamãe, você pode me explicar uma coisinha? 

-Claro filhinha!! contanto que não seja coisa difícil. 

_ Mamãe, o que é "paciência"

- Hummmm...bem filhinha, falou Dona Rosa, "paciência" pode ser um docinho em forma de biscoito, muito saboroso, igual aquele que a comadre Joaninha faz para vender; pode ser um jogo de cartas que as pessoas que moram sozinhas costumar jogar para se distraírem, e é também uma virtude, minha filha.


_E o que é uma virtude mãezinha?

 - Lá vem você com pergunta difícil garotinha da mamãe. Você sabe que eu não sou letrada, não tenho estudo como a sua professora nem o médico que cuida de você, mas vou tentar responder de uma maneira bem simples que você possa entender. Está bem assim? 
Pois bem, a virtude é algo que existe nas pessoas, algo que não se vê nem se toca, que faz com que as pessoas pratiquem o bem e se afastem do mal. 

E a "paciência" é a virtude de "saber esperar" sem se queixar. 

_ Ah! mãezinha, acho que estou entendendo... 
Então quando eu fico esperando você fazer o meu bolo preferido de chocolate, até ele assar e esfriar eu estou tendo "paciência" mamãe? 

- Isto mesmo filhinha!! Estamos sendo "pacientes" também na fila do ônibus, do banco, no consultório médico esperando a nossa vez, na fila da merenda escolar ou esperando o Papai do Céu atender o nosso pedido...a vida toda temos que ser "pacientes" filhinha. 

_ Entendi mamãe!! Você me explicou direitinho. Sabe por que eu perguntei? 

- Não! Não sei não filha querida, por que foi? 

_ Porque hoje na escola eu me levantei antes de tocar para o recreio e fui buscar o meu lanche, a professora me fez voltar, pediu para eu ter "paciência" e, pela minha atitude, eu iria ficar de castigo sem lanche até todos terminarem. 

- Hiiiii...e você ficou mesmo de castigo filhinha? 

_ Fiquei sim mamãe, e fiquei muito chateada porque só restaram farelos de biscoito para mim e um chocolate frriiiiooooo... 

 - E o que você aprendeu com este castigo filhinha?  


_ Aprendi que devo ter "paciência", devo obedecer as regras da escola, a minha professora, os meus pais, os mais velhos, e o que eu não souber como fazer devo perguntar a você porque você é a melhor mãe do mundo!! 

- Não aprendeu mais nada filhinha? 

_ O que mãezinha? O que mais eu deveria aprender??

 - Pedir desculpas filhinha! Você deveria ter pedido desculpas à professora, você pediu? 

_ Eu não mamãe, mas eu lhe prometo que amanhã eu pedirei, está certo?

 - Tudo bem filhinha, mas não se esqueça pois é muito importante nos desculparmos quando nós erramos.


Contente com as explicações da mãezinha a garotinha Lívia abraçou a sua genitora, bem apertadinho, e lhe falou ao pé do seu ouvido: Eu te amo mãezinha! Te amo de todo meu coração, para sempre!!.

*soninha*

Trabalhando: 
"A paciência, obediência, virtudes, desculpas, amor filial, reconhecimento."

Bom dia bem gostoso!!

Muffins de chocolate: impossível resistir!
Foto: Sheila Oliveira

Chocolate só na sobremesa? O seu dia pode começar muito bem e com um sabor delicioso com pratos que levam o ingrediente queridinho dos doces..."CHOCOLATE"! Monte seu cardápio!
*Ingredientes*

1 1/3 de xícara (chá) de farinha de trigo 
. 1/2 xícara de açúcar mascavo 
. 1/2 xícara de açúcar refinado 
. 2 colheres (chá) de fermento em pó 
. 100 g de chocolate meio amargo picado 
. 50 g de amêndoas em lâminas finas 
. 3 colheres (sopa) de cacau em pó 
. 2 ovos grandes
. 1/4 de xícara (chá) de café forte, quente 
. 1/2 xícara de óleo 
. 1/2 xícara de creme de leite 
. Gotas de baunilha

*Modo de Preparo*

- Misture a farinha peneirada com o açúcar, cacau, fermento, chocolate picado e a metade das amêndoas.
- À parte, misture o café, a baunilha, o óleo, o creme de leite e os ovos. 
- Bata com garfo até que a mistura fique uniforme. 
- Misture tudo e leve ao forno pré-aquecido em forminhas de papel untadas, dentro de forminhas de alumínio. 
- Quando estiver assado, enfeite com as amêndoas restantes.

Dica: use, preferencialmente, creme de leite fresco

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!