Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

20 de fev de 2014

Pais devem ficar atentos aos primeiros sinais de bullying na escola


Basta entrar em uma escola no horário do recreio, conversar um pouco com as crianças que – pronto! – já escutamos aquelas velhas provocações: "Você tem quatro olhos", para quem usa óculos, ou "Você é a Olívia Palito", para uma menina muito magra. 
Considerado por muitos apenas uma brincadeira, o bullying é um tipo de violência que tem sido cada vez mais noticiado nos meios de comunicação. Não são raros os casos de crianças e adolescentes que sofrem violência verbal ou física nas escolas e os pais precisam ficar atentos aos primeiros sinais.

A psicóloga especialista em terapia familiar Miriam Barros explica que o bullying é qualquer tipo de violência física ou verbal praticada por uma ou mais pessoas contra alguém mais frágil ou sem condições de se defender. A palavra vem do termo da língua inglesa bully, que significa "valentão".
O bullying pode ser direto ou indireto. A psicóloga explica que o direto é normalmente praticado por homens e meninos, que é quando a agressão é feita diretamente, através de xingamentos, zombarias, chutes e tapas. Já o indireto é bastante usado pelas meninas e mulheres, que é quando a vítima é isolada ou rejeitada por uma pessoa ou por um grupo. "Claro que ambos podem ser praticados por homens e mulheres, não existe uma regra", diz ela. 
Ele é mais comum na infância e na adolescência, pois tanto a criança como o adolescente possuem menos recursos para se defender das agressões e humilhações. O adulto pode sofrer também, mas a maior parte consegue se defender e os danos psicológicos não são tão graves.

Muitas vezes a pessoa que está sofrendo bullying não faz uma reclamação clara para os pais ou professores, mas, segundo a pedagoga, alguns sinais podem ser notados, como a recusa em ir para a escola de forma insistente ou mesmo um comportamento mais agressivo do que o habitual. "É importante que os pais estejam atentos às mudanças de comportamento do seu filho e que eles conversem bastante com a criança, perguntando sobre como é o convívio escolar", diz ela. Já a escola, se perceber o bullying ou se for avisada sobre isso, deve chamar a família do agressor e orientar os seus pais e, se necessário, encaminhar a criança para um tratamento psicológico. 
Os casos de bullying vêm crescendo e, com isso, a violência. É cada vez mais comum vermos na televisão casos de pessoas que sofrem de bullying se matar ou tomar alguma atitude violenta. Para evitar que isso aconteça, a primeira dica da pedagoga é que os pais estejam sempre presentes e próximos da vida do filho o suficiente para acompanhá-los e para ensiná-los o princípio básico de se viver em grupo, que é respeitar o próximo e conseguir se colocar no lugar dele. "O que ocorre, porém, é que as famílias estão em crise e as crianças e adolescentes estão sofrendo as consequências de viver dentro de um contexto emocional agressivo. Muitas vezes repetem na escola o que vivem em casa ou reagem fora de casa a agressão que sofrem dentro da família", explica ela.
De acordo com Miriam, a escola pode contribuir bastante para diminuir o problema, pois as crianças passam grande parte do tempo lá dentro. A questão é que oferecer palestras informativas apenas não resolve o problema. A escola precisa criar um espaço dentro da sua grade curricular para trabalhar sentimentos e atitudes que ajudem os jovens a aprender a lidar com os próprios sentimentos e a se colocar no lugar do outro.
Muitos jovens que sofrem bullying precisam de tratamento, mas isso depende de muitos fatores, o principal é o impacto emocional que o bullying gerou naquela pessoa. Isso aparece através de sintomas como ansiedade, depressão, fobias, insônia, etc. "Pra muita gente, o bullying pode parecer besteira, mas é importante salientar que ele pode gerar traumas ou até mesmo uma doença mais grave como a depressão, por exemplo", diz ela.

Miriam Barros é psicóloga clínica formada pela FMU, Psicodramatista formada pela PUC/SOSPS e Psicoterapeuta de crianças, adolescentes, casal e família.

Postar um comentário

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!