Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
Com muitas novidades!

17 de dez de 2014

Sino Pequenino Sino de Belém


beijinhos de alegria

Zucotto de Panetone

Foto: Ormuzd Alves

Ingredientes:

. ½ xícara (chá) de cereja em conserva picada 
. ½ xícara (chá) de uvas-passas 
. ½ xícara (chá) de nozes picadas 
. 4 colheres (sopa) de conhaque 
. 1 panetone de 500 g ou sobras 
. 300 g de chocolate meio amargo 
. 1 lata de creme de leite 
. 150 g de cream cheese 
. Rum para umedecer o panetone 

Cobertura:

. 200 g de chocolate para cobertura 
. 1 lata de creme de leite 

Modo de preparo:

- Num recipiente, coloque cerejas, passas, nozes e conhaque e espere 30 minutos. 

- Corte o panetone em fatias finas. 

- Esfarele algumas até obter três xícaras e reserve. 

- Derreta o chocolate em banho-maria, tire do fogo, junte o creme de leite e o cream cheese. 

- Bata até ficar cremoso. 

- Misture as frutas e o farelo. 

- Forre a tigela com papel-alumínio. 

- Acomode fatias de panetone nos lados e umedeça-as com rum. 

- Espalhe o creme, revezando com fatias. 

- Cubra com papel-alumínio e gele por três horas.

Cobertura:
Em banho-maria, derreta o chocolate, tire do fogo e misture o creme de leite. Espalhe sobre o zucotto.


A Lagarta Infeliz


Num jardim muito agradável e florido vivia uma lagarta que se sentia sempre muito infeliz.

Na verdade, ali ela tinha tudo o que precisava.

Passeava pelas plantas e se alimentava de folhas bem verdinhas e macias, e se abrigava entre os

ramos das árvores.

A lagarta era muito boa, prestativa e gostava muito de ajudar os outros, mas quem?

Todos a temiam e fugiam dela exclamando:

- Que bicho feio!


Os garotos caçoavam dela e maltratavam a pobrezinha, que corria a esconder-se entre as folhas.

Por isso, ela vivia muito triste. Possuía um coração terno e amoroso e queria muito ter amigos,

mas não conseguia aproximar-se de ninguém.

Os próprios bichos a olhavam com desdém, dizendo:

- Vejam que roupa mais feia!

E a pobre lagarta ficava cada vez mais triste e sozinha, até que, cansada de tanto ser maltratada

ela não saiu mais de casa.

Não podendo aproximar-se de ninguém, ainda assim querendo doar algo de si mesma, ela fez a

única coisa que sabia fazer: teceu lindos fios para que alguém pudesse aproveitar confeccionando

belas roupas. Como tinha muito tempo à sua disposição, ela trabalhou bastante.

Enrolou-se toda no casulo e ficou quietinha... quietinha...

Estava com tanto sono! Sentia-se tão cansada...



E a lagarta dormiu... dormiu...dormiu...

Quando acordou, sentiu-se diferente, mais leve, mais bem disposta.

Teve vontade de passear e saiu de casa.

Notou que todos os que estavam por perto a fitavam com surpresa e admiração.

- O que está acontecendo? 
– pensou. Olhou-se e ficou deslumbrada.

Oh! Maravilha! 
Era um lindo dia e, sob os raios do sol morno da manhã, ela percebeu que se

transformara em uma linda borboleta de asas coloridas e cintilantes.




Sem poder conter a emoção do momento, satisfeita da vida e muito, muito feliz, ela bateu as asas




brilhantes e, depois de beijar as perfumadas flores do jardim, voou para o infinito.

*Tia Célia*

_Célia Xavier Camargo_

16 de dez de 2014

O Pinheirinho Mágico


Era uma vez....

um garotinho muito estudioso, obediente, gentil e educado, que vivia numa fazenda onde os seus pais eram empregados, ele se chamava Luís Jorge mas todos o chamavam Lulinha.

Os pais de Lulinha, o sr. Marcos e D. Rosa, moravam numa casinha nos fundos da casa grande da fazenda de Sr. Roberto e D. Maria, que tinham três filhos: Vânia, Robertinho, e Carlinhos.

As crianças, inocentes, brincavam juntas, banhavam-se no rio, corriam pelos campos, mas chegava o momento em que se separavam indo para as suas casas.

Lulinha , nestes momentos, ficava muito pensativo e se perguntava por que Vânia, Robertinho e Carlinhos moravam numa casa tão bonita, ganhavam tantos presentes no Natal e ele recebia apenas os brinquedos e as roupas já usadas?

O garoto perguntava aos pais e eles respondiam: 
- Porque sim meu filho! Vai brincar e esquece este assunto.

Mas Lulinha não parava de se perguntar....

Uma noite ele sonhou com uma Fadinha que lhe dizia:

_ Lulinha, amanhã cedo vá ao Bosque dos Pinheiros , lá você encontrará pinheiros de vários tipos mas há um que se destaca pelo brilho e beleza, é o Pinheirinho Mágico!

- Sim! Mas que faço com ele Fadinha? perguntou o garoto.

_Traga-o para sua casa, peça ajuda ao seu pai, porém não conte o nosso segredo para ele; espere que chegará o momento em que você precisará contar a todos. 
Assim que o Pinheirinho Encantado entrar na sua casa, ele mudará a vida de vocês completamente.

Ao acordar, após a higiene matinal e o café, o garoto pediu ao pai para irem ao Bosque dos Pinheiros pois ele desejava um pinheiro bem lindo para enfeitar a casa no Natal.

O pai do menino concordou em ir com ele e, lá chegando, Lulinha logo viu aquele que a Fadinha havia falado. Ele brilhava muito!!

- É aquele papai!! É aquele ali que eu quero!!

_ Está bem filhinho, nós o levaremos! Tem certeza?

_ Claro que tenho papai!! Não vê como ele brilha??

_ Não sei não! Falou o pai do garoto. Para mim todos brilham do mesmo jeitinho...

- Que nada papai!! Esse brilha bem mais!!

Lá se foram Lulinha e o seu pai carregando o Pinheirinho Mágico para a sua casa .

Ao colocarem o pinheirinho num dos cantos da sala a casa de Lulinha foi se transformando numa linda casa novinha, com quartos espaçosos,camas, colchões e armários novinhos, banheiros bem grandes com água quente e fria, uma bela cozinha com uma geladeira repleta de comida e guloseimas e muitas coisas com as quais o menino sempre sonhara....

Quando os patrões do pai de Lulinha viram quela transformação quiseram saber o que foi que acontecera?

Lulinha que não gostava de mentir, lembrou-se das palavras da Fadinha e viu que aquele era o momento para contar o que fora um segredo entre eles, então contou o sonho que tivera com ela.

Todos ficaram boquiabertos... 

A partir daquele dia Lulinha não parava de agradecer a Papai do Céu e à Fadinha que veio ao seu sonho para lhe dar aquele precioso presente!!

E que tal se você também ganhasse um Pinheirinho Mágico??

*soninha*

beijinhos de luz...

Pinheirinho Pinheirinho


beijinhos de alegria...

15 de dez de 2014

Tronco de Natal


Esta receita feita com castanha portuguesa tem um sabor especial e vai agradar a toda família. Aprenda aqui como preparar esta delícia e deixar a sua mesa de Natal de dar água na boca:

Ingredientes

· 400 g de castanhas portuguesas
· 2 xícaras (chá) de leite aproximadamente
· 1 colher (café) de essência de baunilha
· 2 1/3 de xícara (chá) de manteiga
· 100 g de açúcar de confeiteiro
· 3/4 de xícara (chá) de cacau em pó
· 100 g de nozes trituradas
· 1/2 cálice de licor
· 1/2 xícara (chá) de chocolate em pó
· 1 lata de leite condensado

Modo de preparo

- Cozinhe as castanhas por 10 minutos e descasque-as ainda mornas. 

- Ponha em uma panela e despeje o leite o suficiente para cobri-las. 

- Junte a baunilha e deixe ferver até todo o leite ser absorvido. 

- Amasse com um garfo até formar um purê e reserve. 

- Bata bem 1 1/3 de xícara (chá) de manteiga com o açúcar e adicione o cacau, as nozes, o licor e o purê de castanhas. 

- Mexa bem. Sobre uma folha de papel-alumínio úmido, espalhe a massa. 

- Modele como um tronco e embrulhe. 

- Leve à geladeira por quatro horas.

Prepare a cobertura

- Bata o restante da manteiga com o chocolate e o leite condensado até formar um creme. 

- Retire o tronco da geladeira e espalhe a cobertura. 

-Com uma faca, faça as ranhuras imitando madeira e sirva decorado com fios de ovos e cerejas.


É Natal


beijinhos de paz!

Surpresa de Natal


Num bairro muito pobre, na periferia de uma grande cidade, morava Paulinho.

De coração bom e generoso, era estimado por todos.

Em sua casa, faltava quase sempre o necessário. O pai trabalhava duro na roça como bóia-fria,

mas ganhava pouco. A mãe, apesar de dar duro lavando roupas para as famílias mais abastadas,

também não recebia muito.

Assim, tudo o que ganhavam era gasto em alimentação, aluguel da casa, água e luz.

Paulinho sonhava com roupas, calçados e brinquedos que via nas vitrines e que nunca poderia

ter.

Vestia-se muito pobremente, andava descalço e brincava de faz-de-conta, à falta de um carrinho

ou de uma bola.



Apesar de tudo, era feliz, porque amava a todas as pessoas e todos o amavam também.

Pela manhã ia à escola. Ao retornar, ajudava a mãe nos serviços domésticos. Depois, saía para a

rua. Sempre aparecia o que fazer.

Prestativo, com sorriso no rosto ajudava a quem estivesse precisando.

Dona Vitória dava-lhe a incumbência de pagar uma conta urgente.

- Claro, dona Vitória. Fique tranquila. - respondia ele.

Outra hora, passando pela rua, alguém o chamava:

- Paulinho, você faria companhia a Ritinha, enquanto vou fazer compras? Sabe como é, ela é paralítica

e pode precisar de alguma coisa enquanto eu estiver ausente...


- Com prazer, dona Benedita.

Aproveito e conto a ela uma história que aprendi na escola.

- Obrigada. Ela fica muito feliz quando você está por perto.

E lá ia Paulinho para a casa de dona Benedita. Entrava, e um lindo sorriso abria-se no rosto da

menina de dez anos que, em virtude de uma paralisia infantil não podia andar.

- Ô menino, me ajude a chegar até em casa. Vamos, tenho pressa!

Ninguém gostava do seo José porque era muito ranzinza, mas Paulinho não se incomodava com

o jeitão dele.

- Claro, seo José. Como vai sua saúde? Melhorou da bronquite?

Assim, escorando o velho, com muita paciência e boa vontade, Paulinho acompanhou conversando

alegremente.

Ele era assim com todos.

Generoso, não apenas ajudava, mas repartia sempre o que ganhava.

Certo dia encontrou uma pedra muito bonita. Era lisinha e brilhava como o Sol, limpou-a bem e

guardou-a com carinho. Mais adiante, porém, encontrou André um menino pequeno que chorava.

Tinha levado um tombo e o joelho estava doendo. Paulinho, não teve dúvidas. Tirou a pedra

do bolso da calça e afirmou:

- Está vendo esta pedra, André?

- Ela é mágica e vai tirar a sua dor. Fique com ela. É sua!

O garotinho olhou encantado para a pedra e parou de chorar, abrindo um sorriso agradecido.

Na escola, Paulinho ganhou um livro de histórias e logo pensou:

- Vou dar para Ritinha.

Certamente, ela precisa mais dele do que eu. Posso fazer um montão de coisas, mas minha amiga

Ritinha só pode ficar naquela cama ou na cadeira de rodas.

O Natal se aproximava. A cidade estava toda bonita, cheia de luzes, de cores e de alegria. Paulinho

tinha muita vontade de ganhar um presente, mas sabia que era impossível. Seus pais não tinham

dinheiro para isso. Contudo, sempre de bom ânimo, ele pensava: 

- Para que quero presente? Jesus já me deu tanta coisa! Tenho saúde, pais amorosos, amigos...

nada me falta!



No dia de Natal, Paulinho saiu de casa. Queria encontrar os amigos. Mas, todos tinham desaparecido.

Não encontrou ninguém.

Voltou para casa um pouco triste. Afinal, era Natal, dia em que se comemora o nascimento de

Jesus, e ele queria cumprimentar seus amigos.

À tardezinha vieram lhe avisar que dona Benedita queria falar com ele.

Sem demora, dirigiu-se até a casa dela. Estranhou que estava tudo escuro. Já era noite e as luzes

continuavam apagadas. Bateu devagarzinho.

A porta se abriu e – oh! surpresa! – as luzes se acenderam e ele foi recebido com uma salva de

palmas.

Olhou ao redor. A pequena casa de dona Benedita estava cheia de gente. Todos os seus amigos


estavam ali, até o seo José! Tinha árvore de Natal e enfeites pelas paredes.

- Mas... mas o que está acontecendo? – gaguejou espantado ao ver todo aquele povo ali reunido.

Ritinha sorriu e explicou:

- Resolvemos fazer uma festa para você, Paulinho! Por tudo o que você tem feito a todos nós, receba

o nosso agradecimento.

- E, tirando de debaixo das cobertas uma caixa, falou:

- Este é o meu presente! FELIZ NATAL!

Sem poder acreditar no que estava acontecendo, com lágrimas nos olhos, Paulinho viu a cara de

um cachorrinho malhado de preto e branco, com uma fita vermelha amarrada no pescoço.

Tomou o animalzinho nos braços, acariciando-lhe o pelo sedoso.


- Nem sei como agradecer, Ritinha! Sempre quis ter um cachorrinho!

- Pois não agradeça. Você merece muito mais!

Todos o abraçaram desejando-lhe boas festas, inclusive seus pais, também presentes, muito orgulhosos

do filho. Cada um lhe entregou um pacote. Dona Vitória, uma roupa que tinha costurado

especialmente para ele. Seo José, um par de sapatos que fora do seu filho. O pequeno André entregou-lhe

um carrinho, outro um estojo e assim ganhou uma porção de presentes.

Enxugando as lágrimas, Paulinho abriu os braços e só conseguiu dizer cheio de emoção:

- Obrigado! Obrigado! FELIZ NATAL para todos!

E naquela noite, tiveram uma festa animada e agradável exemplificando a 
fraternidade e a solidariedade que deve prevalecer no coração de todas
 as criaturas, lembrando a terna mensagem de Jesus.

*Tia Célia*

_Célia Xavier de Camargo_

13 de dez de 2014

O Marinheiro Popeye - E a bola levou...


beijinhos de luz...

Dia do Marinheiro


Marinheiros são os profissionais das marinhas de comércio e pesca, os militares das marinhas de guerra  e os profissionais e amadores certificados da náutica e recreio e existem várias especializações e categorias dentro da profissão de marinheiro.


Quem não se lembra do mais famoso marinheiro do mundo?
 O marinheiro Popeye!


Popeye é um personagem clássico dos quadrinhos, criado por  Elzie Crisler Segar  em 17 de janeiro de 1929  , e adaptado para desenhos animados em 1993 pelos irmãos Dave e Max Fleischer.


É um marinheiro carismático que está sempre tentando proteger sua namorada, Olívia Palito  (em inglês Olive Oyl, e pronuncia-se: "Ólev Oiu"), das garras de seu eterno inimigo,Brutus (em inglês Bluto).


Quando come espinafre , Popeye fica muito mais forte e confiante, podendo vencer qualquer desafio, tendo sua força equiparada e superior até ao poderoso Superman.


Vem Chegando o Natal


O natal tá chegando gente....

beijinhos de alegria!!

12 de dez de 2014

Chocotone Recheado de Brigadeiro


O Natal tá chegando gente...é hora de começar a pensar nas guloseimas...

Veja no vídeo o passo a passo para fazer esta delícia!!


Bom apetite!!

beijinhos de alegria...

Gingerbreads


Peça à mamãe pra fazer no Natal!

beijinhos de alegria

Já é "Dezembro"

 

Estamos no mês do encantamento!

As crianças sonham com o Natal , a visita de Papai Noel com os presentinhos que elas pediram nas suas cartinhas, a ceia tão gostosa que a mamãe prepara todos os anos, as brincadeiras e tanta coisa boa....

Que este ano Papai Noel não se esqueça de nenhuma criança e todos desfrutem de muita paz nos seus lares.


beijinhos de luz...

8 de dez de 2014

Até mais...


bjs

26 de nov de 2014

23 de nov de 2014

Biscoitinho Doce

Foto: Mauro Holanda

Ingredientes

.3 xícaras (chá) de farinha de trigo
.1 e 1/2 xícara (chá) de açúcar
.2 colheres (chá) de cremor de tártaro (à venda nos supermercados)
.1 colher (chá) de bicarbonato de sódio
.1 xícara (chá) de gordura vegetal
.1/2 colher (chá) de sal
.2 ovos
.1 ovo para pincelar

Modo de preparo

- Peneire juntos a farinha, o açúcar, o cremor, o bicarbonato e o sal. 

- Ponha em uma tigela e faça um buraco no meio. Junte a gordura vegetal e os ovos ligeiramente batidos. 

- Mexa com a ponta dos dedos até obter uma consistência homogênea e divida a massa em várias partes. 

- Faça pequenos cordões com as mãos e una as pontas. 

- Disponha os biscoitinhos em uma assadeira untada, pincele com o ovo e leve ao forno preaquecido até dourar. 

- Desenforme frio.

Dica:
- Se quiser substitua o ovo para pincelar por uma mistura de açúcar e canela. 
- Faça os biscoitinhos, passe-os nessa mistura e leve ao forno.

A Caixa de Bombons


Dinho, menino de cinco anos, não conseguia parar quieto. Impaciente, andava de um lado para outro, com expressão de sofrimento.

Percebendo a inquietação do menino, a mãe perguntou:

— O que está acontecendo, meu filho?

Com as mãos apertando a barriga o garotinho reclamou, em lágrimas:

— Minha barriga dói, mamãe! Ai! Ui! Ai! Não agüento mais!...

Cheia de ternura, a mãezinha colocou o pequeno no colo e passou a massagear- lhe a região da dor, enquanto ele se aconchegava ao seu seio.

— Por que, mamãe, estou sofrendo tanto? Será que o Papai do Céu não gosta mais de mim? — perguntou, com a voz entrecortada pelos soluços.

Acalentando-o ainda mais junto ao peito, a mãezinha explicou:

— Não é nada disso, meu filho. Deus ama a todos nós da mesma maneira: a você, a mim e às outras pessoas. Nós é que, muitas vezes, com nossas atitudes, causamos o próprio sofrimento.

Fez uma pausa, para ver se o garoto estava entendendo, e perguntou:

— Vejamos: o que foi que você comeu hoje?

Dinho, que prestava atenção no que a mãe dizia, franziu a testa no esforço de se lembrar, e, parando de chorar, respondeu:

— Quando levantei, tomei um copo de leite e comi bolachas.

— Ótimo! E na hora do almoço?

— Comi arroz, feijão, bife e batatinha frita, que gosto muito!

— Muito bem! E foi só isso? Será que não esqueceu alguma coisa?

O menino concentrou-se e depois acrescentou, satisfeito:

— Tomei sorvete de morango!

— Isso mesmo, Dinho. Mais alguma coisa?

— Não. Só comi isso.

— Pense bem, meu filho!

Dinho não saberia dizer se foi o olhar da mãe que parecia saber tudo, mas a verdade é que baixou a cabeça, com o rosto vermelho, sentindo-se descoberto. Lembrou-se de que, na parte da tarde, foi até o armário onde sua mãe guardava as guloseimas para repartir com a família, pegou uma caixa de bombons e comeu tudo, tudo, tudo, sozinho, escondido atrás da casa. 

Esfregando as mãos, com medo da reação da mãe, ele contou o que tinha feito. 

Sem reprovar o comportamento do menino, ela considerou:

— Está vendo, Dinho? A dor não foi mandada por Deus, meu filho. Ela é conseqüência da sua gulodice. Se você tivesse repartido com seus irmãos a caixa de chocolates, não estaria passando mal e sentindo dor. 

Nesse momento, ouviram o barulho de um trem que chegava. De longe escutaram seu apito estridente: PIUIIIIII... PIUIIIII...

A mãezinha aproveitou a oportunidade e explicou:

— Está escutando o apito do trem? 

— Estou. 

— Pois bem! O maquinista está comunicando a todos que o trem está se aproximando da cidade e que é preciso tomar cuidado. É um aviso! Da mesma forma, meu filho, a dor também é um alerta do nosso corpo avisando que algo não vai bem dentro dele e que é preciso tomar cuidado. Entendeu?

— Entendi, mamãe. A dor é nossa amiga! É por isso que a gente vai ao médico?

— Isso mesmo, meu filho! Normalmente, quando estamos com algum problema, procuramos o médico que saberá nos ajudar. 

— Então, hoje nós iremos ao médico?

A mãezinha sorriu, completando:

— Neste caso, não há necessidade. O doutor, que conhece você muito bem e sabe da sua gulodice, já prescreveu um remédio natural para essas ocasiões. Agora, vou dar-lhe algumas gotinhas que ajudarão seu organismo a melhorar, amenizando a dor. Está bem? 

Dinho sorriu, confiante e satisfeito. Sentia-se seguro, porque o Pai do Céu o amava e porque tinha uma mãezinha tão sabida e tão boa. 


*Tia Célia*

Célia Xavier Camargo

Cãozinho vai sozinho ao PetShop tomar banho!!


Bill é um cãozinho muito esperto!

Ele mora em Santana do Livramento no interior do Rio Grande do Sul.

O cachorro pertence a Diego Silveira Quadros, 25 anos, neto de Ênio Silveira, 67 anos, e Sônia Kowalik, 63. 

Como o jovem não tinha como ficar com o cachorro, que foi um presente de formatura, acabou deixando na casa dos avós para que eles tomassem conta. Eles acabaram acostumando a levar o cachorro semanalmente para tomar o banho no mesmo petshop.

Com o passar do tempo "Bill" aprendeu a ir sozinho ao pet. O sr. Ênio telefonava ao dono do 
PetShop avisando que o cachorrinho já havia saído de casa para que ele deixasse a porta do
PetShop aberta porque se estivesse fechada o cãozinho voltava para casa sem tomar banho.

Assista o vídeo e veja que beleza!!

17 de nov de 2014

O Gatinho Trapalhão


Miau, Miau, vou passear no quintal,

disse Boris, o gatinho.

Andou, correu, subiu, desceu e "tichibum", tropeçou.

Caiu na lata de óleo

e saiu melado igual a pinto pelado


Au, au, fez o cachorro. Não conheço você, não.


Quá, quá, disse o pato. Boris você não é, não.

Currupaco, papaco, papaco. 

Sai senão te empaco, disse o papagaio.



Boris ficou muito triste.
Seus amigos não o conheciam mais e ninguém 
queria brincar com ele.



Aí mamãe gata chegou.

- Boris, meu filho, por que você está tão triste?

Você me conhece, mamãe?,

perguntou Boris.


- Claro, meu filho! Mesmo vermelho de tomate, verde igual a abacate, amarelo como marmelo, eu conheço sempre você, Boris querido.


beijinhos de luz!!

Bom dia segunda-feira!


Bom dia segunda-feira
perfumada e arrumadinha;
de toda a semana
és a mais engraçadinha!

Vens limpinha e descansada
muitas vezes, com a chuvinha;
que cai em muitas gotas
lavando a calçadinha.

Na escola os coleguinhas
adoram se rever,
se abraçam com carinho
e pegam um livro para ler.

Leem histórias engraçadas
depois, fazem o seu dever;
são gentis e educados
que adoram obedecer!

Segunda-feira graciosa
tão amada e colorida,
tens o cheiro de uma rosa
perfumando a nossa vida!!

Seja bem vinda segunda-feira!!

*soninha*

beijinhos de luz...

16 de nov de 2014

Clips Infantis


beijinhos de alegria...

Queridos Animais


Papai do Céu abençoe
Todos os animaizinhos
Nós gostamos muito deles
São os nossos amiguinhos.

Gostamos de um cachorrinho
De um gato e de um leão
De uma onça bem pintada 
E das cores do pavão

A girafa encantadora
Tem o nosso eterno amor
Para ela ofertamos
Um beijinho e uma flor

O leão que está na selva
Não nos causa nenhum mal
É só deixá-lo quietinho
Não trazê-lo pra o quintal.

A galinha carijó
Vermelha e branquinha
Chocando seus ovinhos
Parece uma princesinha

Eu adoro os animais
Nunca vou lhes maltratar
Pois Papai do Céu nos deu
Pra nossa vida alegrar!


*soninha*

beijinhos de alegria...

8 de nov de 2014

Criança adora gelados no calor...Mousse de Limão!

Foto: Ormuzd Alves

Ingredientes 

. 1 envelope de gelatina em pó sem sabor 
. 1 lata de leite condensado 
. 1 ½ xícara (chá) de suco de laranja 
. Suco de 1 limão 
. 3 claras batidas em neve 
. 300 g de chocolate ao leite picado 
. 1 caixa de creme de leite

Modo de preparo

Prepare a gelatina de acordo com as instruções da embalagem. 

No liquidificador, bata o leite condensado, o suco de laranja, o suco de limão, a gelatina e misture as claras em neve. 

Distribua em um refratário ou em taças individuais e leve-as à geladeira até firmar. 

Derreta o chocolate em banho-maria e misture o creme de leite. Deixe esfriar e cubra a musse. 

Sirva em seguida, decorada com fatias de laranja.

Dica: você pode usar outras frutas, como coco ralado no lugar da laranja.


beijinhos de alegria...

7 de nov de 2014

Pulguinha na cueca do vovô


legal!!

beijinhos de paz!

O Macaco e o Coelho


Um macaco e um coelho fizeram a combinação de um matar as borboletas e outro matar as cobras. Logo depois o coelho dormiu. O macaco veio e puxou-lhe as orelhas.

– O que é isso? – gritou o coelho, acordando num pulo.

O macaco deu uma risada.

– Ah, ah! Pensei que fossem duas borboletas…

O coelho danou com a brincadeira e disse lá consigo: “Espere que te curo.”

Logo depois o macaco se sentou numa pedra para comer uma banana. O coelho veio por trás, com um pau e lept! – pregou-lhe uma grande paulada no rabo.

O macaco deu um berro, pulando para cima duma árvore, a gemer.

– Desculpe, amigo – disse lá embaixo o coelho – vi aquele rabo torcidinho em cima da pedra e pensei que fosse cobra.

Foi desde aí que o coelho, de medo do macaco vingar-se, passou a morar em buracos.


*Monteiro Lobato*

beijinhos de alegria...

Seja bem vindo!


Cheio de brincadeirinhas e docinhos!!

beijinhos de alegria...

A CORRIDA DOS SAPINHOS




     

                                               
   

Era uma vez uma corrida de sapinhos: o objetivo era atingir o alto de uma grande torre.

Havia no local uma multidão assistindo para vibrar e torcer por eles.


Começou a competição... mas a multidão não acreditava que os sapinhos pudessem alcançar o alto daquela torre. O que mais se ouvia era:


- Que pena, esses sapinhos não vão conseguir.... não vão conseguir!


E os sapinhos começaram a desistir. Mas havia um que persistia e continuava a subida em busca do topo. E a multidão continuava gritando:


- Que pena, esses sapinhos não vão conseguir.... não vão conseguir!



                                               


E os sapinhos estavam mesmo desistindo, um por um, menos aquele que continuava tranqüilo, embora arfante. Ao final da competição, todos haviam desistido, menos ele. A curiosidade tomou conta de todos.... queriam saber o que tinha acontecido. E assim, quando foram perguntar ao sapinho como ele havia conseguido concluir a prova, descobriram que ele era surdo. 

Ou seja.... não permita que as pessoas com o péssimo hábito de serem negativas derrubem as melhores e mais sábias esperanças de seu coração. 

Lembre-se sempre: há poder em nossas palavras e em tudo o que pensamos.

*Monteiro Lobato*

bjs,soninha



                                          

22 de out de 2014

A Aranha e as Uvas


Uma aranha observou durante dias a fio os movimentos dos insetos, e notou que as moscas ficavam em torno de um grande cacho de uvas muito doces.

- Já sei o que fazer – disse ela para si mesma.

Subiu para o alto da parreira e, por meio de um tênue fio, desceu até o cacho de uvas, onde instalou-se num pequenino espaço entre duas frutas. 

De dentro do esconderijo começou a atacar as pobres moscas que vinham em busca de alimento. 

Matou muitas delas, pois nenhuma suspeitava que houvesse ali uma aranha. 

Porém em breve chegou a época da colheita. 

O fazendeiro foi para o campo, colheu o cacho de uvas e atirou-o para dentro de uma cesta, na qual se viu espremido junto com os outros cachos.

As uvas foram a armadilha fatal para a aranha impostora, que morreu exatamente como as moscas que enganara.

*Leonardo da Vinci*

beijinhos de luz...

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!