Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

30 de jan de 2013

O Pote Mágico de Palavras


No Reino da Gurizada havia um garotinho, Lulinha, muito curioso que desejava conhecer como as coisas haviam surgido no mundo e, principalmente, quem colocou o nome em todas elas.

Quando sentia sede ele pegava o seu copo, erguia e perguntava:


_Mamãe, ô mamãezinha, quem foi que colocou o nome "copo" nesta coisinha bonitinha onde bebo água?

Dona Maria, encabulada, respondia: 

- Não sei meu filhinho, não sei; nunca me preocupei com estas coisas.

_Ah! mamãe!! pois eu quero saber de onde apareceram tantos nomes e quem foi que os colocou em tantas coisas....

Um dia, Dona Maria cansada das perguntas de Lulinha, inventou uma historinha para responder às perguntas que a deixava tão encabulada. Quando o menino pegou o talher para almoçar e lhe perguntou:

_ Mamãe, quem colocou o nome garfo nesta coisinha com quatro pontinhas, faca nesta outra tão retinha que corta os legumes tão bem e colher nesta lindinha que leva a sua sopa gostosa até a minha boca?


Dona Maria suspirou profundo e contou a sua historinha como resposta às perguntas do filho.

- Sabe Lulinha, eu pesquisei e descobri que os nomes surgiram de um grande Pote Mágico cheio de "palavrinhas" que pertence ao Grande Rei e ele foi pegando uma a uma e colocando sobre cada objeto que surgia no mundo.

_ Verdade mamãe?

- Sim meu filho, é a mais pura verdade.

_Que legal mamãe, o Grande Rei é mesmo muito esperto, não é?

Dona Maria deu uma risadinha de lado e respondeu ao garoto: 

- É meu menino, é mesmo!!

Lulinha saiu pulando de alegria e, nunca mais perguntou sobre a origem das palavras.

Vez por outra Dona Maria encontrava o garotinho meio cismado, falando baixinho:

_ Ééééé...quem me dera encontrar um Pote Mágico!!

Um dia Dona Maria lhe perguntou:

- Você quer encontrar um Pote Mágico meu filho? 

_ Sim mamãe, eu gostaria muito.

- Mas o Pote Mágico de Palavras está com o Grande Rei e eu soube que fica em um cofre que, somente ele e seu filho sabem o segredo para abri-lo.

_ Não mamãe, eu não quero um Pote de Palavras, eu quero encontrar um POTE CHEIINHO DE DOCES!!



- Menino peralta!! falou Dona Maria apertando-o contra o seu peito num forte e afetuoso abraço.

E você, sabe de onde surgiram as palavrinhas?

soninha

beijinhos de luz

25 de jan de 2013

25 de janeiro: DIA DO CARTEIRO


Sabe aquela pessoa que leva a nossa cartinha do correio até a casa do amiguinho, da vovó, da madrinha, do Papai Noel? 
É o carteiro!! 

Claro que hoje em dia há o e-mail, o telefone e muitas outras maneiras de nos comunicarmos rapidinho mas há pessoas que ainda utilizam o Correio para enviar a correspondência e, graças aos "carteiros" que enfrentam sol, chuva, ladeiras, morros, cães e até pessoas mal humoradas, as correspondências chegam às mãos dos destinatários.

Aplausos para estes profissionais devotados e fiéis que fazem a felicidade de muita gente!!

soninha

24 de jan de 2013

A FLOR E O VENTO


Num grande roseiral o vento passeava distraidamente por entre as flores quando escutou um choro baixinho .Olhou para todos os cantos e viu uma linda rosa aos prantos. Aproximou-se dela e perguntou:

_ Por que choras linda rosa? 

- Porque desejo passear pelo mundo e não posso.

_ O seu dia chegará! O seu dia chegará, respondeu-lhe o vento.

Passados alguns dias a rosa tristonha foi colhida e enviada com muitas outras para o enfeitar o caixão do Rei Vavá, que havia morrido num Reino bem distante.

A rosa sem saber para onde ia, sorria para todos, despedindo-se do vento com muita alegria.

- Até ventinho amigo! Quando eu voltar conto-lhe tudo sobre a minha viagem.

No Reino distante a rosa foi colocada dentro do caixão do Rei que desceu à cova para sempre.

No roseiral, até hoje o vento espera pela amiguinha que geme, chora e murcha debaixo da terra.

 Não devemos reclamar pois estamos no melhor lugar que Deus nos colocou,dentro das nossas possibilidades de crescimento e felicidade.

soninha

beijinhos de luz...

21 de jan de 2013

Cuidado com o sol


Não dá para brincar com o sol. Tem de tomar muito cuidado. Além da insolação, existe a ameaça das queimaduras provocadas pelo excesso de exposição. Nesse caso é bom prevenir para não remediar. O efeito do sol é cumulativo e, mesmo que não apareçam problemas na infância, pode provocar doenças sérias na fase adulta, como o câncer de pele.

Sintomas: A insolação é o acúmulo de calor no organismo. Causa dor de cabeça, vermelhidão na pele, febre, sono e vômitos.


Recomendações: Bebês com menos de 6 meses não devem ser levados à praia ou piscina. Mesmo que estejam protegidos do sol, o calor excessivo não faz bem. A temperatura no interior de um carrinho em ambiente quente pode ultrapassar facilmente os 40 graus. Procure não deixar as crianças muito expostas ao sol entre 10 e 15 horas. Chapéu e boné são obrigatórios, e é na sombra que devem brincar. Filtro solar sempre e a toda hora. Lembrando que a aplicação precisa ser feita toda vez que seu filho sair da água ou, pelo menos, a cada duas horas. Quanto ao fator de proteção, fique com os de numeração 15 e 30. Os filtros com fator mais alto são oleosos e acabam por obstruir os poros, o que resulta em aumento do suor e irritações na pele. Sem contar que o grau de proteção não varia muito: 30 (97,5% de proteção) e 50 (97,7%).


Como tratar: Caso a criança esteja muito abatida e não aceite beber nada, é bom levá-la a um pronto socorro. Nos casos de queimadura solar, se o hidratante não aliviar a dor, oriente-se com o pediatra. Deixe a com roupas leves de algodão e fuja de lugares quentes com sol.



Pediatras fazem campanha para abolir andadores de bebê


clique na imagem e veja em tamanho maior
A entidade afirma que o equipamento é inútil para o desenvolvimento da marcha de bebês e que seu uso pode causar acidentes sérios como traumas no crânio chegando até a levar a morte. 
Os médicos dizem que o andador dá uma mobilidade inadequada para a etapa de vida dos bebês e que, com seu uso, eles podem se aproximar de fogões, piscinas e produtos tóxicos. 
O aparelho pode também deixar de estimular certos músculos, o que vai atrasar os primeiros passos, segundos os médicos.
Os dados que norteiam as ações da SBP são da Academia Americana de Pediatria que apontam dez atendimentos nos serviços de emergência para cada mil crianças com menos de um ano de idade, provocados por acidentes com andador, todos os anos. Em um terço dos casos, as lesões são graves, geralmente fraturas ou traumas.
"Há 15 dias, em Jequié (BA), um bebê de nove meses caiu com um andador de uma escada com cerca de dez degraus. Ele morreu antes mesmo de chegar ao hospital devido a uma fratura cervical."

19 de jan de 2013

Cão cego socorre cadelinha que dava a luz na rua


Existem histórias que muitas pessoas costumam hesitar em acreditar, tanto pelo inusitado quanto pelo “quase impossível”. Praticamente todas elas envolvem atos de heroísmo. Quando estas histórias envolvem animais, fica ainda mais difícil para pessoas de pouca sensibilidade acreditar que qualquer animal, que não o homem, possa ser capaz de atos levados pela emoção e pela solidariedade.

No bairro Cidade Nova, em Rio Grande (RS), um cachorro cego, já velhinho, chamado Toco, promoveu cenas de deixar qualquer um emocionado. Moradores na rua Bento Gonçalves, onde se desenrolou a história, dizem que tudo começou quando uma cadelinha de rua entrou em trabalho de parto. Dois filhotes nasceram embaixo de uma árvore, rente ao meio-fio.

Toco, que estava na entrada do pátio da casa de sua tutora, pressentiu o fato, e mais ainda, sentiu o cheiro. Atravessou a rua e lentamente conduziu a cadelinha até o outro lado da rua, empurrando-a com o focinho e levando-a para dentro da casinha dele, onde a cadela deu à luz a mais dois filhotes. Depois disso, atravessou a rua mais duas vezes. E nas duas voltou com um filhote na boca, depositando-os onde a mãe estava.

A tutora de Toco, Rosa Maria, foi uma das que presenciou as cenas, junto com a amiga Irena Jansen. “Eu fiquei impressionada. Quase não pude acreditar no que estava se passando. Assistir a um cachorro socorrer outro de sua espécie foi algo muito emocionante”, diz Rosa, orgulhosa do trabalho de seu amigo.

Irena conta que o mais interessante é que Toco não come enquanto a cadelinha não se alimentar primeiro. “Eu coloco comida no prato dele e ele nem chega perto. Deixa-a vir comer primeiro. Depois, come o que sobra”, conta Rosa Maria. Outro detalhe que elas observaram é que Toco fica de guarda, sempre por perto da sua antiga casinha, hoje ocupada pela mãe e os quatro filhotes.

Mesmo gostando muito de animais, Rosa Maria não tem como ficar com a família toda. “Falaram-me para que eu coloque em adoção a cadelinha e os filhotes. Vou fazer isso, mas eles precisam estar desmamados e se alimentando sozinhos, para que possam ir, então, para outro lar”, frisa. Se alguém se interessar na adoção, é só deixar recado no site do Jornal Agora nos comentários da matéria, que Rosa Maria irá responder.



18 de jan de 2013

PRETA A HEROÍNA



"(...) É verdade que na maioria dos animais domina o instinto. Mas, não vês que muitos obram denotando acentuada vontade? É que têm inteligência, porém limitada. Não se poderia negar que, além de possuírem o instinto, alguns animais praticam atos combinados, que denunciam vontade de operar em determinado sentido e de acordo com as circunstâncias. (...) O Livro dos Espíritos, questão 593"
José é frentista há muitos anos. Ele trabalha à noite, em um posto em uma pequena cidade do interior do Rio Grande do Sul.

Em uma noite fria, apareceu no posto uma cachorrinha faminta, que se aproximou de José, abanando o rabo.

O frentista deu comida e atenção à Preta, como foi chamada a cachorra vira-lata. Aos poucos, ela foi adotada por todos os funcionários do posto, e cada um cuidava dela à sua maneira: conversando, alimentando, brincando, dando água limpa, fazendo de Preta a mascote do lugar.

Ela costumava dormir boa parte do dia e seguia José por toda a parte, durante a noite. Foi ele que percebeu que a cachorrinha engordava a cada dia e, em breve, teria cachorrinhos.

O dia do parto chegou, ou melhor, a noite. José auxiliou no nascimento dos onze cachorrinhos e todos os funcionários do posto ajudaram, no tempo certo, a encontrar um lar amoroso para cada um dos filhotes. 

Preta não se sentia só, tinha a companhia e a amizade de todos que trabalhavam no posto e até de alguns clientes. Mas seu amigo preferido era José, que sabe que os animais são parte da criação de Deus, nossos irmãos. Ele dispensa à Preta um carinho especial e até fez para ela uma capa para aquecê-la nas noites frias de inverno.

A mascote acompanhava José na madrugada em que chegaram ao posto três jovens alcoolizados.

- É um assalto! - anunciaram.

E, nervosos e em desequilíbrio, bateram em José, que caiu no chão.

Preta, então, começou a latir muito alto, como nunca havia feito, e a morder os assaltantes. Enquanto ela ameaçava os três jovens, José conseguiu fugir e chamar ajuda.

Devido ao barulho, às mordidas e à determinação de Preta, os jovens desistiram do assalto, indo embora sem levar nada.

Quando José contou o ocorrido para seus colegas, Preta foi considerada uma heroína. Ela, porém, parece saber que foi apenas uma maneira de retribuir o carinho recebido.

Ter um bichinho de estimação, dispensando-lhe carinho, atenção e os cuidados necessários, como alimentação, moradia, água limpa, é abrir portas para que a bondade de Deus se manifeste de diversas formas, como aconteceu com José e Preta. Conviver com os animais é uma oportunidade de desenvolver virtudes como responsabilidade, respeito, carinho e amor mútuos.

"História baseada em fatos reais"


14 de jan de 2013

Gordinhos em dieta...



Para se refrescar ou como sobremesa, nada melhor do que um picolé em um dia muito quente. Mas qual versão escolher é um dilema, principalmente se você está fazendo alguma dieta para emagrecimento e precisa tomar cuidado redobrado com recheios e coberturas. 


"Algumas versões são mais magras que outras, mas nada impede você de aproveitar os diferentes tipos de picolés, sorvetes e smoothies", diz o nutricionista Ricardo Zanuto, de São Paulo. De acordo com o especialista, é importante lembrar que nenhum alimento pode ser consumido sem restrições e que um profissional pode ajudar você a incluir a sua sobremesa gelada na dieta sem culpa. Precisando de ideias, veja as dicas recomendas pelos especialistas.


10 de jan de 2013

Homenzinhos Verdes



Quando Miguel voltou da casa de um amigo, correu ao encontro do irmão mais velho, Fabrício, passando a contar sobre o novo videogame que havia jogado à tarde.

- Eu matei todos os ETs! Disse, todo orgulhoso.

- Você o quê?

Fabrício não compreendia como alguém poderia ficar orgulhoso de matar, seja lá o que fosse!... Além disso, aquela idéia dos seres de outros planetas serem inimigos... Absurda! 

Chamou Miguel para perto de si. Em um livro de Geografia, mostrou o Sistema Solar, o Sol, a Terra e todos os outros planetas. Mostrou ainda a Lua e as estrelas...

- Olhe só, Miguel. Veja quantas coisas lindas Deus criou no Universo!



O garoto fixava os olhos nas figuras. Tudo é tão grande, tão bonito!

- Este planeta aqui, continuou Fabrício, é o nosso: a Terra. E é um dos menores... Mesmo sendo pequeno, nele existem milhares de pessoas, bichos e plantas.

- Eu sei! Vi tudo isso na aula e na TV.

- Pois é. Mas todos esse seres vivos não são um privilégio nosso. Por que Deus teria criado tantos planetas, se os deixasse vazios?

- Quer dizer então que os Extraterrestres realmente existem?



- Bem, em outros planetas também há vida. Não exatamente igual a que existe no nosso. Mesmo porque, cada mundo é diferente: há mundos bastante atrasados, em condições piores que a Terra; há aqueles mais ou menos parecidos com o nosso; e há outros tantos bem mais evoluídos, mais belos, com pessoas mais felizes. Nas reencarnações nós mesmos, já mais evoluídos, poderemos reencarnar nesses mundos! 

- E... se eles resolvessem invadir a Terra? Perguntou Miguel, lembrando os filmes que assistira.



- Bobagem! No Universo somos todos irmãos, todos fomos criados por Deus. Ele, pela reencarnação, nos faz evoluir, e aos planetas também. De acordo com a nossa necessidade, ou por merecimento, poderemos reencarnar em outros mundos.

- Então, ao contrário do que se imagina, em Marte, os homenzinhos não são verdes?



- Quem sabe? De repente, Deus deve gostar de variar... 


Letícia Müller

9 de jan de 2013

Como Tirar Chulé de Sapatos e Tênis

Cuidar corretamente dos pés vai ajudar muito você a tirar aquele cheiro desagradável que não gera um desconforto com as pessoas ao redor. Saber Como Tirar Chulé de Sapatos e Tênis é ter a ciência que você precisa cuidar da saúde dos seus pés e não deixar acumular o mau cheiro, e ser alvo de diversas gozações entre seus amigos e familiares. O inicio do famoso chulé acontece porque muitas pessoas não sabem como tomar os cuidados devidos para que esse odor não se seja expandido. Separamos algumas dicas para que você tire este odor dos seus calçados.
Tirando o Mau cheiro 
Se você não cuidou da higiene dos seus pés, o cheiro acabou ficando mau. Portanto, procure lavar seus calçados com detergente ou sabão para que este cheiro não fique preso a ele. Evite também usar os sapatos ou tênis por dias consecutivos, pois usando ele todo dia, o suor acaba deixando seu calado sem descanso. 
Por isso, a dica é deixar ele pelo menos 24 horas descansando, e lembrar que o forro sempre fica envelhecido e com todo o mau cheiro. 
Use alguns produtos específicos como sprays e borrifadores antitranspirantes ou antibacterianos para que eles consigam auxiliar nessa tiragem do chulé do seus tênis ou sapatos. Se preferir, use uma receita caseira, deixando o seu pé sobre álcool com canfora e hortelã. Essa mistura pode fazer com que o chulé saia realmente do seu pé e você não deixe que a umidade forme a bactéria se proliferar. 
Deixe seus calçados e seus pés respirando, mas não fique andando descalço, pois no verão, isso pode ajudar a espalhar o mau cheiro. Se nada disso adiantar, sua ultima opção será comprar um removedor de odores fortes para que eles consigam matar os causadores deste mau que o chulé lhe trás.
beijinhos...


6 de jan de 2013

Como separar o lixo reciclável com a ajuda das crianças



Separar o lixo, limpar e descartar corretamente. Dividir a coleta seletiva entre todos da família, inclusive as crianças, ensina sobre educação ambiental e responsabilidade.

Reciclagem é hoje a forma mais fácil de ensinar educação ambiental às crianças. Principalmente, porque isso faz parte da rotina escolar e deve continuar em casa. Assim, aprender a descartar o que a família consome diretamente pode ser uma lição tão preciosa e cotidiana para o futuro das crianças – e dos adultos! – quanto fazer a cama e arrumar o quarto.

Quando encaminhamos o lixo seco para a reciclagem, garantimos que menos recursos naturais sejam extraídos para a fabricação e outros produtos. Também geramos emprego e renda em cooperativas, auxiliando um novo mercado de trabalho formado por cidadãos com menos oportunidades. Por isso, reunimos aqui algumas dicas para ajudar você a incorporar a coleta seletiva na rotina da casa e envolver as crianças, que vão adorar participar:
- Separe o lixo seco e úmido. Um cesto grande para secos e um menor para úmidos é o suficiente.
- Não se esqueça de passar água nos materiais recicláveis para retirar resíduos, evitar contaminação e odor forte. Não precisa lavar com muita água, afinal, economizar água faz parte do processo de sustentabilidade.

- Na hora de descartar, armazene os materiais adequadamente para economizar espaço e facilitar o transporte. Para resíduos de papel, faça um malote amarrado de cada tipo. Para garrafas Pet, retire o ar, amassando e fechando com a tampa.
- Inclua na lista de compras alguns produtos responsáveis. Colaborar com a reciclagem também significa escolher produtos mais sustentáveis, especialmente sob o ponto de vista da embalagem. Eles podem ser mais caros, mas trocar um detergente normal por um sustentável já é uma conquista para o ambiente.

- Descarte pilhas, baterias, aparelhos eletrônicos e lâmpadas em lugares específicos.
- O que não vira lixo, como adesivos, guardanapos, papel higiênico, plásticos laminados, deve ser separado dos orgânicos.

Além de separar o material orgânico, você pode montar uma composteira, que transforma o lixo em adubo para plantas em poucas semanas.
Para envolver as crianças na separação dos recicláveis

Existem diversas maneiras de ensinar a coleta seletiva dentro de casa de forma divertida para as crianças. A separação do lixo pode ser feita de forma educativa dentro de casa. 
- Junte o lixo que restou ao fazer a refeição e faça a divisão entre seco e úmido em família, para que todos possam saber como e o que separar. Dessa forma, a criança fica responsável pelo descarte correto de tudo que comeu. 

- Outra atividade interessante para as crianças é participar da compostagem, processo em que os orgânicos são enterrados para virar adubo, e depois plantar mudas usando o composto rico em nutrientes. Pode ser legal também fazer um canteiro de ervas. Para tornar a reciclagem uma brincadeira, a receita infalível é construir objetos com os materiais secos, para ganharem nova utilidade e serem transformados de acordo com a criatividade de cada um.
composteira doméstica 


5 de jan de 2013

O Caso da Girafa


- Sabe da última, senhor Leão? 

Era a Avestruz, “passando adiante” o que todos os bichos do zoológico estavam a comentar: o sumiço da girafa. 


O Leão nada disse. Ao amanhecer, a Girafa não estava em seu cercado. Havia desaparecido, sem avisar ninguém. 

Cada animal tinha uma versão diferente do fato, falavam sem parar...

Diziam uns que a Girafa, cansada da vida monótona do zoológico, havia fugido

Outros pensavam em sequestro, imaginavam o resgate milionário (que ninguém havia pedido ainda!)...


O Hipopótamo, muito amigo da Girafa, sofria com toda essa falação. Imaginava os mil perigos que sua amiga corria, pensava até que podia ser o culpado de uma “fuga”: 

E se tivesse falado algo que magoou a sensível girafa, e ela tinha ido embora?


Percebendo a agonia do Hipopótamo, o Leão, muito sensato, o chamou. 

- Escute, amigo, cuidado com o que estes bichos falam. Ninguém tem certeza de nada e ninguém viu nada. Muitas vezes eles não têm muito o que fazer, falam da vida dos outros animais, e acabam tirando conclusões precipitadas, fazendo “fofocas”...

Foram bruscamente interrompidos por uma Formiguinha que, esbaforida, saltitava para ser ouvida: 


- Eu vi! Eu vi! Vi um caminhão do circo aqui no zoológico!...

Foi uma gritaria só. Todos tinham certeza: o mistério do sumiço da Girafa estava solucionado! Estava na cara que ela iria virar artista de circo! Como não tinham pensado nisso antes? E saíram a espalhar a novidade para todo o zoológico.


Ficaram apenas o Hipopótamo (choramingando, porque sua amiga nem se despedira dele!...) e o Leão, imperturbável.

Para surpresa de todos, instantes depois apareceu a Girafa, explicando, como podia (pois sua boca estava anestesiada), que durante a noite ela fora ao dentista. Seu dente doía muito, o médico do zoológico percebeu e por isso a haviam levado imediatamente. 


E o Hipopótamo tinha acreditado naquela confusão toda que os bichos fizeram! 

Ele entendeu, então, o que o Leão lhe explicara: É preciso refletir muito sobre o que os outros nos falam, para não se deixar levar por fofocas e mentiras...

História: Letícia Müller 
Desenhos: Cristina Chaves

visite o blog "gatinhos e gatinhas"


2 de jan de 2013

Eeeeca!

Chulé acontece porque bactérias tomam conta do calçado.Saiba o que fazer para evitar o mau cheiro

Sabe aquele cheirinho fedido que sai de dentro do seu tênis? Pode ser culpa sua. O chulé acontece porque, muitas vezes, a gente esquece de revezar os sapatos. Os dermatologistas garantem que, fazendo isso, você pode dizer adeus ao mau cheiro.

E se o seu tênis preferido já tem chulé? Você vai ter que escolher entre ele e ter um pé cheiroso. Os médicos afirmam que, quando o mau cheiro chega o calçado, o jeito é jogar ele fora.

Só que simplesmente trocar de tênis não é a única solução. Veja abaixo o que você pode fazer para dizer xô para o chulé.

DICAS

- Enxugue bem os dedos dos pés, depois do banho
- Use sapatos fechados sempre com meias
- Prefira meias de algodão
- Coloque seus sapatos no sol pelo menos uma vez por semana
- Talcos e sprays anti-fungos ajudam a mater o chulé bem longe
- Dê preferência a sandálias e chinelos em dias quentes


O que é o chulé?
O chulé aparece quando a pele dos pés é atacada por micróbios, que são plantas ou animais microscópicos. Eles se reproduzem mais rápido quando o pé está suado.
Você sabia?
Dos 10 aos 16 anos, as crianças produzem hormônios (substâncias necessárias ao crescimento) em maior quantidade. Isso aumenta o suor, e por consequência, o chulé.
O prefeito de uma cidade do interior de Illinois (EUA) detesta tanto o chulé que criou uma lei. Agora quem tem pé fedido não pode tirar os sapatos em público!

Tem chulé e recebe várias picadas de mosquito no pé? Isso tem explicação científica. Os pernilongos são atraídos pelo mau cheiro, e preferem picar quem tem chulé.

beijinhos perfumados...

Brincando com as mãos e a sombra


Que tal brincar com os coleguinhas?

beijinhos de luz...

1 de jan de 2013

A MENINA MALCRIADA


Aninha era uma menina muito malcriada. 

Por qualquer motivo se irritava, jogava-se no chão aos gritos, batendo os pés.

Rasgava todos os livros e revistas que possuía, quebrava os brinquedos caros que ganhava de presente dos pais e brigava sempre com os poucos amiguinhos que ainda tinha. 

Resultado: em pouco tempo ficou sozinha. Tornara-se uma criança tão desagradável que ninguém mais queria brincar com ela. 

Seus pais, carinhosos e pacientes, diziam-lhe com brandura: 

— Não faça assim, Aninha! 

— Não quebre a boneca que é tão linda! 

— Não rasgue o livro que tem uma história tão interessante! 

— Não bata nos seus amiguinhos! 

Mas, qual! Não adiantava aconselhar. 

Depois, Aninha punha-se a berrar que queria outros brinquedos, livros e revistas novas, e não parava de gritar enquanto não lhe satisfaziam a vontade. 

Sua mãe, muito bondosa, já estava desanimada. Não sabia como agir. 

Aninha era sua filha única e a criara com excesso de carinho, atendendo-lhe aos menores caprichos. Agora queria voltar atrás e não conseguia. 

Desesperada, elevava os olhos em prece, suplicando a Deus que a ajudasse, mostrando-lhe como agir, inspirando-lhe qual atitude tomar. Já não sabia mais o que fazer. Não adiantavam conselhos e orientações. Aninha não mudava. 

Certo dia, Aninha tinha sido excessivamente malcriada. Sua mãe, em lágrimas, orou com especial fervor suplicando o auxílio do Pai Celestial. 

Naquela noite, Aninha dormiu. 

Dormiu e sonhou. 

Sonhou que se encontrava em sua própria casa. Viu seu corpo adormecido, sem saber explicar o que estava acontecendo. 

Sentiu-se mais leve e “boiando” dentro do quarto. A princípio achou graça e divertiu-se com a situação. 

Logo, porém, viu entrar no quarto uns seres estranhos que queriam brigar com ela. Acusavam-na de ser má, egoísta e prepotente. 

Olhando-os bem, começou a reconhecer aquelas figuras. Eram personagens dos livros e revistas que rasgara. Estavam zangados porque haviam perdido a sua casa. Com a destruição dos livros e revistas não tinham onde ficar. 

Aninha, assustada, procurava se defender, gritando por socorro, mas ninguém apareceu para ajudá-la. 

Tentou sair do quarto, fugindo pela porta aberta, mas nesse instante apareceram seus brinquedos avançando em sua direção. Todos estragados, faltando peças, a boneca com a perna quebrada, o carrinho sem rodas, o cachorrinho sem orelhas... Enfim, todos em pedaços! 

Apavorada, viu seus amiguinhos que apreciavam a cena pela janela. Gritou por socorro, suplicou por ajuda, mas eles riam dos seus apuros. 

Gritou por sua mãe e seu pai, mas parece que não ouviam seus pedidos de ajuda. 

Depois de muito gritar, lembrou-se de que sua mãe a ensinara a orar. 

Então, em lágrimas, suplicou: 

— Jesus, me ajude! Não sabia quanto mal estava fazendo. Quero me modificar! 

Nesse instante sentiu que caía num buraco muito fundo e acordou em sua cama. A mãe, apreensiva, estava ao seu lado fitando-a, preocupada. 

— O que foi, minha filha? Você estava tendo um sono tão agitado! 

Aninha abraçou-se à mãe dizendo-lhe, em prantos: 

— Ah! Mamãe, se você soubesse! Tive um terrível pesadelo. Mas serviu-me de lição. Prometo ser diferente de hoje em diante. 

E realmente, a partir desse dia, para surpresa geral, Aninha tornou-se uma menina dócil, boazinha e obediente. Passou a cuidar dos seus livros, revistas e brinquedos com carinho, e nunca mais brigou com seus amiguinhos nem desrespeitou qualquer pessoa.

Tia Célia

Célia Xavier Camargo

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!