Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

28 de jun de 2017

As Árvores e o Machado



Um homem foi à floresta e pediu às árvores para que estas lhe doassem um cabo para o seu machado novo.

O conselho das árvores, uma assembléia composta pelos Anciãos considerados mais sábios, de comum acordo, aceita o seu pedido, e assim lhe oferecem o tronco de uma jovem Árvore para que sua deliberação fosse cumprida.

E Tão logo o homem coloca o novo cabo no seu machado, começa furiosamente a usá-lo. E em pouco tempo já havia derrubado com seus potentes golpes as maiores, antigas e mais nobres árvores daquele bosque.

Um velho Carvalho, observando a destruição à sua volta, comenta desolado com um Cedro seu vizinho:

"O primeiro passo, este sim significou a perdição de todas nós. Se tivéssemos respeitado os direitos daquela jovem árvore, também teríamos preservado os nossos, e poderíamos ficar de pé ainda por muitos anos..."

************
Moral
_O verdadeiro sábio não menospreza, nem demonstra indiferença ou preconceito, e jamais cultiva o sentimento de superioridade em relação a nenhum ser vivo..._

*Esopo*

27 de jun de 2017

Dicas de brincadeiras para o inverno


O melhor das brincadeiras em casa, são as que as crianças mesmo podem criar, usando a sua criatividade.

Para não faltar diversão mesmo em dias frios, trouxe algumas dicas de brincadeiras para o inverno.



Boliche improvisado

Use de 3 a 4 meias para fazer a bola do boliche e 10 garrafas pets, para fazer como pinos. Coloque um pouco de água em cada garrafa, para dar um pouco de peso nela, e feche-as bem. Para deixar a brincadeira mais divertida, pode ser acrescentada tinta com a água. Para a bola do boliche ficar um pouco mais pesada e maior, junte as meias e enrole-as. Coloque os pinos em formato certo para o boliche, e já podemos começar!



Brincando de fada encantada

Você precisa de papelão, papéis coloridos, pincel, tesoura sem ponta, fita adesiva e um palito de churrasco. No papel colorido, desenhe uma estrela, com o tamanho de sua mão e depois recorte-a. Ao redor da estrela, corte pequenas tiras de outros papéis e cole com a fita adesiva. Cole o palito de churrasco em uma das pontas da estrela. Pronto a varinha já está feita. Para montar uma coroa, recorte um pedaço retangular do papelão, desenhe e recorte triângulos de uma extremidade só do papelão, faça desenhos criativos e coloridos, junte as duas pontas medindo na cabeça da criança e depois cole


Herói dentro de casa

Separe uma folha de papel sulfite, tesoura sem ponta, fita adesiva, um rolo de papel toalha já terminado, uma panela com tampa, papel alumínio e um pedaço de tecido. Corte dois retângulos em uma folha de sulfite. No rolo do papel toalha, cole um retângulo cortado, de cada lado e com um espaço para poder segurá-lo. Para dar um ar metalizado, revista o resto do rolo com papel alumínio. Pegue a panela e use como capacete, e a tampa use para servir de escudo. Com o pedaço de tecido, faça a capa do super-herói.

26 de jun de 2017

Crianças: 10 dicas de como prevenir doenças respiratórias no inverno



O inverno é a época do ano que as crianças mais sofrem com doenças respiratórias, mas é possível diminuir essas ocorrências com alguns cuidados simples.

No inverno, as doenças respiratórias afetam principalmente as crianças. Entretanto, com algumas dicas simples é possível evitar as doenças que se manifestam nesta época do ano, por causa das baixas temperaturas, o tempo seco e ao aumento da poluição na cidade. É o que explica o médico Juang Horng Jyh, professor do curso de Medicina da Universidade Cidade de São Paulo (UNICID).

O profissional alerta que o uso de antibióticos está contraindicado, a menos que haja alguma complicação bacteriana. “Se no terceiro dia da doença, o quadro se mantiver ou agravar com persistência de febre, recusa de alimentação, aparecimento de vômitos, cansaço para respirar ou diminuição da urina, é importante levar a criança imediatamente para uma avaliação com o pediatra”, esclarece Horng Jyh.

Já bebês precisam de cuidados especiais. “Os menores de dois anos de idade são mais propensos a problemas respiratórios severos, pois suas defesas imunológicas ainda são fracas e a capacidade respiratória é baixa. Portanto, se tiverem febre ou aparentemente um simples resfriado, é preciso o encaminhamento ao especialista com urgência”, ressalta o médico.

Nesta época do ano também é necessário ter cuidado com os sintomas da bronquite, doença causada por vírus que atacam os brônquios e bronquíolos (pequenos canais dentro dos pulmões que levam o ar para as trocas de gases) levando ao inchaço na parede destes canais e gerando muitas secreções, o que causa grande dificuldade para respirar, com tosse, cansaço e chiadeira no peito.

Confira as dicas de prevenção:

1- Não levar os filhos com resfriado para a escola ou creche, pois além do repouso necessário para a recuperação, será evitado que a criança transmita o vírus para as outras crianças;

2- Evitar que pessoas com gripes ou resfriados fiquem em contato direto com os seus filhos pequenos, dentro da sua própria casa. Caso os pais ou irmãos maiores estejam com resfriado, é recomendado o uso de máscaras comuns (vendidas em farmácias) quando estão perto destas crianças, especialmente, se for um bebê;

3- Evitar sair de casa com bebês com menos de quatro meses de idade para lugares com aglomerações de pessoas. Nessa idade, as defesas do organismo ainda não estão desenvolvidas, sendo muito mais propenso a contrair doenças com mais complicações;

4- Manter a vacinação adequada e em dia;

5- Fazer o aleitamento materno que, além de ser o alimento ideal para os bebês até o sexto mês de vida, transmite anticorpos da mãe que os protegerão de um grande número de doenças;

6- Manter a casa e principalmente o quarto das crianças arejado e limpo. É importante não ter nada que possa acumular pó, pois os ácaros (grande causador de alergias respiratórias) costumam se fixar em objetos como bichinhos de pelúcia, tapetes, cortinas, protetor de berço, mosquiteiro, almofadas, caixas de brinquedos, entre outros;

7- Manter os animais de estimação no quintal;

8- Não fumar e não permitir que fumem dentro da sua casa, em nenhum cômodo, pois a fumaça de cigarros irrita as vias respiratórias;

9- Consultar sempre um pediatra e procurar evitar de ir ao Pronto Socorro com o seu filho sem necessidade, pois neste local ele poderá ficar ao lado de outras crianças que podem estar com doenças contagiosas graves;

10 Nesta época de clima mais seco, deve-se umidificar os ambientes nos quais o seu filho passa maior tempo, para amenizar possíveis irritações de pele e mucosas.

A Pequena Vendedora de Fósforos


Fazia um frio terrível; caía a neve e estava quase escuro; a noite descia: a última noite do ano. 
Em meio ao frio e à escuridão uma pobre menininha, de pés no chão e cabeça descoberta, caminhava pelas ruas. 

Quando saiu de casa trazia chinelos; mas de nada adiantavam, eram chinelos tão grandes para seus pequenos pézinhos, eram os antigos chinelos de sua mãe.

A menininha os perdera quando escorregara na estrada, onde duas carruagens passaram terrivelmente depressa, sacolejando. 

Um dos chinelos não mais foi encontrado, e um menino se apoderara do outro e fugira correndo. 
Depois disso a menininha caminhou de pés nus - já vermelhos e roxos de frio. 
Dentro de um velho avental carregava alguns fósforos, e um feixinho deles na mão. 
Ninguém lhe comprara nenhum naquele dia, e ela não ganhara sequer um níquel. 

Tremendo de frio e fome, lá ia quase de rastos a pobre menina, verdadeira imagem da miséria! 
Os flocos de neve lhe cobriam os longos cabelos, que lhe caíam sobre o pescoço em lindos cachos; mas agora ela não pensava nisso. 

Luzes brilhavam em todas as janelas, e enchia o ar um delicioso cheiro de ganso assado, pois era véspera de Ano-Novo. 
Sim: nisso ela pensava! 
Numa esquina formada por duas casas, uma das quais avançava mais que a outra, a menininha ficou sentada; levantara os pés, mas sentia um frio ainda maior. 
Não ousava voltar para casa sem vender sequer um fósforo e, portanto sem levar um único tostão. 
O pai naturalmente a espancaria e, além disso, em casa fazia frio, pois nada tinham como abrigo, exceto um telhado onde o vento assobiava através das frinchas maiores, tapadas com palha e trapos.

Suas mãozinhas estavam duras de frio. 
Ah! bem que um fósforo lhe faria bem, se ela pudesse tirar só um do embrulho, riscá-lo na parede e aquecer as mãos à sua luz! 

Tirou um: trec! O fósforo lançou faíscas, acendeu-se. 
Era uma cálida chama luminosa; parecia uma vela pequenina quando ela o abrigou na mão em concha... 

Que luz maravilhosa! 
Com aquela chama acesa a menininha imaginava que estava sentada diante de um grande fogão polido, com lustrosa base de cobre, assim como a coifa. 
Como o fogo ardia! Como era confortável! 

Mas a pequenina chama se apagou, o fogão desapareceu, e ficaram-lhe na mão apenas os restos do fósforo queimado. 
Riscou um segundo fósforo.
 
Ele ardeu, e quando a sua luz caiu em cheio na parede ela se tornou transparente como um véu de gaze, e a menininha pôde enxergar a sala do outro lado. Na mesa se estendia uma toalha branca como a neve e sobre ela havia um brilhante serviço de jantar. O ganso assado fumegava maravilhosamente, recheado de maçãs e ameixas pretas. Ainda mais maravilhoso era ver o ganso saltar da travessa e sair bamboleando em sua direção, com a faca e o garfo espetados no peito! 

Então o fósforo se apagou, deixando à sua frente apenas a parede áspera, úmida e fria. 
Acendeu outro fósforo, e se viu sentada debaixo de uma linda árvore de Natal. Era maior e mais enfeitada do que a árvore que tinha visto pela porta de vidro do rico negociante. Milhares de velas ardiam nos verdes ramos, e cartões coloridos, iguais aos que se vêem nas papelarias, estavam voltados para ela. A menininha espichou a mão para os cartões, mas nisso o fósforo apagou-se. As luzes do Natal subiam mais altas. Ela as via como se fossem estrelas no céu: uma delas caiu, formando um longo rastilho de fogo. 

"Alguém está morrendo", pensou a menininha, pois sua vovozinha, a única pessoa que amara e que agora estava morta, lhe dissera que quando uma estrela cala, uma alma subia para Deus. 
Ela riscou outro fósforo na parede; ele se acendeu e, à sua luz, a avozinha da menina apareceu clara e luminosa, muito linda e terna. 

- Vovó! - exclamou a criança. 
- Oh! leva-me contigo! 
Sei que desaparecerás quando o fósforo se apagar! 
Dissipar-te-ás, como as cálidas chamas do fogo, a comida fumegante e a grande e maravilhosa árvore de Natal! 

E rapidamente acendeu todo o feixe de fósforos, pois queria reter diante da vista sua querida vovó. E os fósforos brilhavam com tanto fulgor que iluminavam mais que a luz do dia. Sua avó nunca lhe parecera grande e tão bela. Tornou a menininha nos braços, e ambas voaram em luminosidade e alegria acima da terra, subindo cada vez mais alto para onde não havia frio nem fome nem preocupações - subindo para Deus. 

Mas na esquina das duas casas, encostada na parede, ficou sentada a pobre menininha de rosadas faces e boca sorridente, que a morte enregelara na derradeira noite do ano velho. 
O sol do novo ano se levantou sobre um pequeno cadáver. 

A criança lá ficou, paralisada, um feixe inteiro de fósforos queimados. - Queria aquecer-se - diziam os passantes. 

Porém, ninguém imaginava como era belo o que estavam vendo, nem a glória para onde ela se fora com a avó e a felicidade que sentia no dia do Ano­ Novo. 

Hans Christian Andersen

19 de jun de 2017

João o Menino Sonhador


Era uma vez um menino que adorava festa junina. Seu nome era João, porque seus pais eram muito religiosos. João ia à escola, ansioso para chegar o dia da festa de São João.

Sua professora além de enfeitar a sala com bandeirinhas, adorava contar histórias e ensinar músicas de festa junina. João que era muito sonhador gostava de tudo. Na hora de cantar, a música que ele mais gostava era Cai, Cai Balão, porque no final a professora dava para cada aluno um balão colorido e advertia que soltar balão é perigoso.

João ficava encantado com as tarefas que a professora preparava de colagem, pintura.

João adorava cortar papel e mexer com tinta guache, então seus trabalhinhos eram os que mais se destacavam na sala.

Sempre de orelha em pé, João ficava por dentro de tudo que ia ter na festa junina da escola que por coincidência caia no dia de São João, dia do seu aniversário.

Um dia ele ouviu a diretora dizendo:

__Gente este ano não vai ter pé de moleque.

João interrompeu a diretora e disse:

__Diretora, porque não vai ter pé de moleque?

A diretora explicou para o João que a senhora que fazia o pé de moleque mudou da cidade e pé de moleque gostoso como aquele não encontrava quem fazia.

Então, João disse:

___Diretora, minha mãe sabe fazer um pé de moleque para ninguém colocar defeito, fica uma delícia!

Então a diretora pediu ao João que sua mãe viesse à escola. No dia seguinte a mãe de João compareceu a escola e se comprometeu não só em fazer o pé de moleque, mas também em ajudar a fazer todos os quitutes.

No dia da festa junina, João ficou encantado e teve direito de comer o que queria de graça. Então, João aproveitou, comeu pipoca, milho, batata doce assada na brasa, maçã do amor.

Depois João foi dançar a música que ele mais gostava com sua mamãe!

Cai cai balão
Cai cai balão, cai cai balão
Na rua do sabão
Não Cai não, não cai não, não cai não
Cai aqui na minha mão !

Cai cai balão, cai cai balão
Aqui na minha mão
Não vou lá, não vou lá, não vou lá
Tenho medo de apanhar !

No dia seguinte a diretora chamou a mãe de João e agradeceu e perguntou quanto ela cobrou pelo serviço. A mãe de João emocionada disse:

__A senhora proporcionou momentos emocionantes para meu filho e quem faz meu filho feliz tem tudo comigo. Minha diretora, a senhora não me deve nada, eu é que devo obrigação a senhora por momentos tão gostosos que passei nesta escola.

A diretora chorou ao ouvir e ver a simplicidade de Dona Maria e perguntou:

__A senhora trabalha?

___Sim, faço faxina?

___ A senhora de hoje em diante irá trabalhar com a gente!

___Dona Maria ao ouvir agradeceu e aceitou e foi falando que faxina não encontra todos os dias e tendo um trabalho fixo ela poderá dar mais conforto ao seu filho.

E assim, João que já amava a escola ficou ainda mais contente sabendo que sua mãe também ia estar lá participando de tantos sonhos proporcionados pela escola, pois depois que a mãe ficou viúva ela só vivia triste.

E então, todos os dias João e Dona Maria caminhavam para a escola felizes em busca de sonhos! Teciam o futuro, apostando no Presente felizes, contentes!


Fonte:

Canjica


A canjica é uma iguaria típica da culinária brasileira, consumida especialmente no período das festas juninas e julinas.

O termo é oriundo do quimbundo kanjika.

A canjica é elaborada com grãos de milho, leite de vaca, manteiga, açúcar, água, amendoim, leite de coco e canela.

Em 24 de fevereiro de 1989, a Portaria nº 109 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento aprovou a norma de identidade, qualidade, apresentação e embalagem, da canjica de milho brasileira, definindo assim o conceito comercial de «milho de canjica»

Regionalismo

O termo canjica identifica dois pratos distintos feitos com milho verde:

O creme ou mingau de milho, que no Nordeste do Brasil é conhecido por canjica e em São Paulo, Centro-Oeste e Sul do Brasil conhece-se por curau, porém o ponto do que se chama de curau na região sudeste, centro-oeste e sul é mais mole em comparação a canjica nordestina;

O milho branco debulhado e desolhado cozido no leite de coco ou de vaca, que no Nordeste é conhecido por munguzá e no Sudeste, Centro-Oeste e Sul do Brasil é conhecido por canjica.

Em Minas Gerais, o diminutivo canjiquinha designa um prato diferente, salgado, feito com grãos de milho duro quebrados no pilão (conhecidos regionalmente também como "canjiquinha", e como "quirera de milho" em São Paulo e outros Estados) e cozidos, geralmente com costelinha de porco.

A canjiquinha mineira é, pois, uma variedade do prato luso-brasileiro conhecido como xerém em outros locais.

Benefícios 

 Apesar de ser um doce, e como qualquer outra sobremesa, não parecer ser saudável, em cada 100 gramas de canjica podemos encontrar proteínas, fibras, ferro, fósforo, zinco e vitaminas B1, B2, B3, B5 e B6

18 de jun de 2017

São João Tá chegando gente!!



Canjica, pamonha, amendoim cozido, beiju...


Delicioso milho cozido...


Bolo de fubá, pastéis de queijo, bolinho de tapioca...

Eita trem bão é São João sô!!

Vamos forrozear gente!!

CAPELINHA DE MELÃO


São João tá chegando gente!!

Vamos forrozear meninada!!


Vamos arratar os pés no forró minha gente!!

Adivinhas de São João



Algumas adivinhações para a noite de São João.São certeiras!


1- Na noite se São João, passa-se um ramo de manjericão na fogueira e atira-se ao telhado;se na manhã seguinte,o ramo ainda estiver verde,o noivo será jovem,se murcho,é velho.


2- Na véspera de São João faz-se um pirão com um tantinho de farinha e, dentro,se coloca um grão de milho;com os olhos bem fechados divide-se o pirão em três partes e se coloca uma na porta da rua,outra embaixo da cama e a terceira na porta do quintal.Se for encontrado o pedaço na porta da rua,casamento breve;se em baixo da cama,vai demorar,pode começar o enxoval bem devagarinho e,se for no quintal,esqueça casamento.


3- Tem também a da bananeira: use uma faca que nunca tenha sido usada e enterre numa bananeira;na noite seguinte aparecerá a inicial do noivo ou da noiva.


4- Se duas agulhas forem colocadas numa bacia com água, com uma certa distancia uma da outra e essas agulhas se juntarem,prepare o buquê;vai sair casamento, logo, logo.Isto na noite de São João,claro!


5- Ou escreva o nome dos possíveis pretendentes em papeizinhos pequenos; coloque-os numa bacia com água;o nome que amanhecer aberto é o do noivo ou noiva.


6- Na noite junina encha a boca de água e fique atrás da porta;o primeiro nome que ouvir é do noivo ou noiva.


7- Pegue uma moeda de 10 centavos e atire na fogueira;na manhã seguinte,retire-a das cinzas e ofereça a um pobre;o nome dele será o nome do seu noivo.


8- na noite de São João, ponha um pouco de clara de ovo num copo virgem, com água; e diga: São João ,de Deus amado São João,de Deus,querido Deparai-me a minha sorte Neste copinho de vidro. No dia seguinte, você verá uma igreja(bodas)um navio(viagem) ou um caixão(morte ou viuvez). 


fonte:

Dia Do Orgulho Autista


O Dia do Orgulho Autista comemora-se a 18 de junho.

Este dia celebra a neurodiversidade e as características únicas que as pessoas autistas apresentam.

O objetivo do Dia do Orgulho Autista é mudar a visão negativa dos meios de comunicação quanto ao autismo, e também da sociedade em geral, passando o autismo de “doença” para “diferença”.

Assegurar que as pessoas com autismo não são doentes, mas sim que elas possuem algumas características próprias que lhes trazem desafios e recompensas únicas, é a essência da comemoração.

Os eventos deste dia visam destacar a identidade, a cultura e o orgulho autista e são organizados por diferentes entidades relacionadas com o autismo. O destaque nos eventos vai para os encontros online e offline de pessoas autistas, para os piqueniques e para as caminhadas.

O primeiro Dia do Orgulho Autista celebrou-se em 2005, por iniciativa da Aspies for Freedom.

16 de jun de 2017

Saiba de onde vem a quadrilha, dança típica das festas juninas

 
A quadrilha, dança típica das festas juninas brasileiras, é carregada de referências caipiras e matutas. Mas sua origem vem de muito longe. A “quadrille” surgiu em Paris, no século XVIII, como uma dança de salão composta por quatro casais. Era dançada pela elite europeia e veio para o Brasil durante o período da Regência (por volta de 1830), onde era febre no ambiente aristocrático.


Da Corte carioca, a quadrilha acabou caindo no gosto do povo. Ao longo do século XIX, a dança se popularizou no Brasil e se fundiu com manifestações brasileiras preexistentes. “O brasileiro é um povo muito criativo e criou a forma estilizada de dançar a dança dos nobres”, opina a arte-educadora Lucinaide Pinheiro. A partir daí, diversas evoluções foram sendo incorporadas à quadrilha, entre elas o aumento do número de pares dançantes e o abandono de passos e ritmos franceses. As músicas e o casamento caipira que antecede a dança, também foram novidades incorporadas ao longo dos anos.


Um dos resquícios franceses na dança são os comandos proferidos pelo marcador da quadrilha. Escolhido, geralmente, entre os mais experientes do grupo, seu papel é anunciar os próximos passos da coreografia. O abrasileiramento de termos franceses deram origem, por exemplo, ao saruê (Soirée - reunião social noturna, ordem para todos se juntarem no centro do salão), anarriê (en arrière - para trás) e anavã (en avant - para frente).


15 de jun de 2017

Vamos Aprender Musiquinhas!!


Beijinhos de Luz!

Significado da Fogueira


Além de espantar o frio, típico do outono e inverno, a fogueira tem a ver com São João, um dos santos homenageados na festa. De acordo com a tradição católica, quando João nasceu, sua mãe Isabel pediu para acenderem uma fogueira nas montanhas da Judeia, para avisar sua prima Maria do acontecimento. Maria, por sua vez, estava grávida de Jesus, que nasceu seis meses depois de João.

Além disso, na Europa da Idade Média, o fogo era usado em rituais pagãos, para comemorar o solstício de verão como o triunfo da luz sobre o inverno. A Igreja Católica se apropriou desses ritos, e atribuiu o dia 24 de junho como Dia de São João, perto do início do verão. O aniversário de Jesus, por sua vez, ficou perto do solstício de inverno, no dia 25 de dezembro.

Assim, a fogueira de São João simboliza tanto seu nascimento quanto o calor que espanta o inverno, como era comemorado no passado.

Será que existem outras versões??

Vamos procurar??

Por que acendemos a fogueira no São João?



Acender a fogueira no São João é uma tradição! Mas onde surgiu esse hábito? O que ele significa? Bem, a fogueiras juninas são de origem européia e fazem parte da antiga tradição pagã de celebrar o solstício de verão. A fogueira do dia de “Midsummer” (24 de junho) tornou-se, pouco a pouco na Idade Média, um atributo da festa de São João Batista, o santo celebrado nesse mesmo dia.

Ainda hoje, a fogueira de São João é o traço comum que une todas as festas de São João europeias (da Estônia a Portugal, da Finlândia à França). Estas celebrações estão ligadas às fogueiras da Páscoa e às fogueiras de Natal.

Uma lenda católica conta que o antigo costume de acender fogueiras no começo do verão europeu tinha suas raízes em um acordo feito pelas primas Maria e Isabel. Para avisar Maria sobre o nascimento de São João Batista e assim ter seu auxílio após o parto, Isabel teria de acender uma fogueira sobre um monte.

Será que é só isso mesmo??

Vamos ver??

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!