Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

29 de mar de 2011

As Joaninhas Fofoqueiras




AS JOANINHAS FOFOQUEIRAS


Eram duas joaninhas,a vina e a vane, muito amigas,que adoravam "fofocar" sobre a vida dos outros insetos.Se estavam em casa,logo uma telefonava para a outra e passavam horas e horas conversando sobre o que a formiguinha tinha feito ou o besourinho havia dito e até mesmo a vida das borboletinhas elas tinham algo para fofocar.

Uma delas,a vane ficou resfriada não podia nem mesmo atender aos telefonemas da amiga e assim as fofocas foram se acumulando,esperando o dia que pudessem se encontrar para serem colocadas em dia.

Numa manhã de domingo a vina acordou com o toque do telefone:

- Alô!

- É a vina? perguntou uma vozinha do outro lado da linha.

- Sim,quem está falando?!

- Sou eu amiga,a vane.Estou melhorzinha e ansiosa para te ver e conversarmos um pouquinho, pode ser?!

- Claro garota!Que tal naquela margaridinha da casa do seu Rosalvo?

- Qual margaridinha que não me lembro?! pergunta vane.

- Aquela que sempre olhamos de longe e nunca tivemos coragem de subir com medo do velho.

- ahhhh...lembrei...disse vane.Vai ser ótimo ver o velhote lá de cima da margaridinha,pela sua janela.

Lá se foram as duas joaninhas ao desejado encontro.Chegando ao jardim começaram a subir pelo caule da margaridinha,vane por um lado e vina pelo outro e ooopppsssss ! que surpresa! 

A margaridinha era menor do que elas imaginavam e não cabia as duas onde imaginaram ficar sentadinhas conversando.

As joaninhas agarradas na flor se olharam espantadas,desceram devagarinho para não se machucarem e voltaram para as suas casas com as carinhas amuadas.

No caminho de volta vina falou para vane:

- Sabe amiga,esta mania de falar dos outros não é coisa boa não!

- Porquê?! perguntou a outra joaninha.

- Porque temos que ficar escondidas,falando baixinho para que não nos escutem e porque também não gostaríamos se soubéssemos que alguém estivesse falando de nós.

- Ah! Isto é verdade,sim. Eu mesma não gosto,respondeu a joaninha vane completando:você está coberta de razão,de agora em diante vamos trocar receitinhas de doces?

- hhuuummm...bem melhor! respondeu vina dando pulinhos de alegria e beijinhos na sua amiga.

Desde então as duas joaninhas deixaram de falar dos outros insetos e passaram a trocar receitinhas e criar historinhas para suas filhotinhas...


TRABALHANDO:A Maledicência,A Valorização da Palavra e do Tempo,O Respeito à Propriedade Alheia e aos Idosos,O Valor da Amizade.


bjs,soninha

24 de mar de 2011

A Regata




A REGATA


O grande dia se aproximava…

Era o dia da grande aventura. Todos os insetos daquele jardim estavam ansiosos para a regata de folhas secas pela fonte. Formiguinhas, besourinhos, joaninhas, borboletas, estavam todos lá.

Tica, uma formiguinha muito ativa que por ali morava não poderia ficar de fora. Ficou preparando tudo com muito cuidado pois estava sempre muito preocupada com suas performances. A medida em que o grande dia ia se aproximando, mais preocupada com sua folha e equipamentos ela ficava. Ela mesma havia preparado sua folha para a navegação porém sempre sentia que algum inseto mal intencionado poderia fazer algum tipo de sabotagem a sua folhinha. 

Sendo assim, resolveu, por precaução, preparar duas folhas. Se algum inseto tentasse qualquer sabotagem, ela teria outra folha para sair em sua regata. Quanto mais o grande dia se aproximava, mais ansiosa e preocupada com o que poderia lhe acontecer ela ficava. 

Ela era uma formiguinha muito esperta e como possuia duas folhas para a regata, foi tentar praticar um pouquinho antes do acontecimento. Pegou todos seus objetos necessários para essa aventura porém acabou por esquece-los dentro da outra folha que ficou as margens da fonte.

Quando Tica percebeu já estava no meio da fonte e sem seus apetrechos. Um sentimento de medo e dúvida sobre o que havia acontecido tomou conta de seu pequeno corpinho e seus olhos se encheram de lágrimas ao olhar para aquele cantinho onde seus apetrechos deveriam estar. 

E você deve estar se perguntando para quê tanto alarde? 

O problema era que naquele mesmo dia seria a grande regata e se não conseguisse chegar a tempo de pegar seus equipamentos que estavam na sua outra folha? 

E se alguém tivesse escondido todos os seus equipamentos na outra folha de propósito? Com seus olhinhos fixos naquele cantinho da folha onde deveriam estar seus equipamentos, Tica, em meio a seu desespero, ouviu uma voz que vinha de cima:

"Olhe para mim", disse um pernilongo amigo, "não fique preocupada, foi você mesma quem deixou seus equipamentos lá na outra folhinha. Eu pude ver tudo daqui de cima. Fique confiante de que conseguirá."

Por um instante, ela até se aliviou, mas foi só olhar para aquele cantinho vazio na folha para seu desespero voltar. Foi quando se lembrou da última regata na qual sem querer caiu da sua folha tendo que nadar bravamente e com segurança para que conseguisse se desviar das outras folhas e dos outros insetos e chegar a outra margem da fonte. 

Repleta com a sensação de coragem e segurança dessa lembrança, deu suas costas para aquele cantinho, colocou suas patinhas na água e começou a remar. Naturalmente em pouco tempo chegou a outra margem da fonte bem a tempo para a regata. 

Pulou dentro de sua outra folhinha, nem pensou em suas habituais desconfianças, pois sabia que mesmo que algo desse errado teria suas fortes patinhas para ajudá-la a vencer qualquer obstáculo. Ao fim da regata, tentou imaginar como seria sua próxima regata, e se sentiu feliz e segura pois se qualquer imprevisto ocorresse, já saberia o que fazer.

 Desconheço o autor

bjs,soninha


Pluma Azul



Pluma Azul construiu seu ninho no telhado da casa de Maria Paula, e lá chocou seus ovinhos. Nasceram oito andorinhas. Quando os filhotes já estavam grandinhos, Pluma Azul levou-os para darem seu primeiro vôo. Os filhotes gostaram muito de voar pelo céu azul, pousar nos galhos das árvores e nos arbustos floridos.

Ao voltar com seus filhotes para o ninho, Pluma Azul viu que faltava uma andorinha. O que teria acontecido ao bichinho? Pluma Azul foi procurar a andorinha perdida. 




O filhotinho estava preso entre os galhos da mangueira, no quintal de Maria Paula. Mamãe Passarinho bateu as asas bicou os galhos, tentando libertar seu filhote.Mamãe Passarinho não conseguiu e ficou nervosa. Piou muito tempo, tentando resolver o problema.

Maria Paula passava por ali e ouviu os tristes piados de Pluma Azul. Ao chegar, percebeu logo o que havia acontecido.

- Oh! Coitadinho do filhote! Vou já soltá-lo, disse a bondosa menina.

E assim dizendo, trepou na mangueira e retirou cuidadosamente o filhote, trazendo-o salvo.Pluma Azul ficou tão feliz, que cantava e pousava nos ombros de Mana Paula, voando ao redor de sua cabeça.




Era a sua forma de agradecer o bom gesto da menina. Pouco depois, Pluma Azul voava, levando para o ninho o filhote que se perdera. Maria Paula ficou a observar, surpresa, como os pássaros ficam felizes quando encontram quem os proteja e ampare.





Fonte: Evangelização Infantil - Vol. II Transcrito do “Verdade e Luz”

bjs,soninha


22 de mar de 2011

A Fuga Da Agua Salgada



A FUGA DA ÁGUA SALGADA


No Reino das Águas Unidas todas as águas que ali existiam viviam na mais perfeita harmonia.A água do mar,dos rios,lagos,lagoas,córregos,todas elas comungavam o maior clima de união e paz.

Uma certa manhã o Reino acordou em alvoroço porque corriam boatos que Água Salgada estava muito aborrecida com as Águas Doces,ameaçando fugir para as profundezas da terra e nunca mais ser vista por ninguém.

Jurou que ficaria bem escondidinha para sempre.

Quando os boatos chegaram aos ouvidos das Águas Doces,através dos passarinhos e peixinhos,elas correram ao encontro da Água Salgada a fim de saberem o motivo da sua zanga. Alcançando a Água Salgada, Água da Cachoeira perguntou:




- Água Salgada,ficamos sabendo que você se esconderá no fundo da terra,posso saber o porquê?!

- Ah!Água da Cachoeira, estou muito zangada com vocês,Águas Doces ;respondeu -lhe com a voz trêmula de emoção.

- Zangada com todas nós?! perguntou Água da Cachoeira, surpresa.

- Sim! fiquei sabendo que vocês andam falando mal de mim,que sou salgada e não sirvo para matar a sede dos humanos e nunca irei morar nos tanques das suas casas, respondeu Água Salgada já com olhos marejando de lágrimas.

- Nós nunca falamos isto,Água Salgada,disse a Água dos Rios entrando na conversa,muito aborrecida.

Gostaríamos de saber quem lhe falou tal absurdo?!



- Foram as Gaivotas quando me tocaram para pegar o irmão peixe,respondeu Água Salgada.




- Escute bem Água Salgada,nós nunca falamos isto e esta conversa é fofoca das irmãs Gaivotas ,falou Àgua da Lagoa.Vamos dar-lhes uma lição para que elas possam aprender a não fofocar?!

- Que tipo de lição, perguntou Água Salgada,mais animada.

- Você sabe que nós Águas Doces nos reunimos e corremos para o seu abraço não é mesmo?! disse-lhe Água da Lagoa.



- Sei sim! respondeu Água Salgada.

- Então você deve saber que amamos o seu abraço carinhoso e nunca falaríamos mal de você pois nós precisamos do seu aconchego.

- Claro,respondeu Água Salgada.

- Façamos assim: você se esconderá no cantinho que escolheu lá no fundo da terra durante alguns meses e assim as Gaivotas não terão onde pegar os peixes para se alimentarem, ficarão com fome e pedirão desculpas pela mentira inventada.




- E os peixes dos rios,indagou Água Salgada.




- Eles receberão tratamento especial e irão juntar-se aos que vivem com você,disse Água dos Rios,muito contente.

Foi assim que os peixinhos das Águas Doces receberam um tratamento especial do Dr.Tubarão e se esconderam na Água Salgada ,num cantinho bem escondidinho no fundo da terra.




Durante dois meses as gaivotas tentaram encontrar peixes nas Águas Doces e não conseguiram,então perguntaram pra elas onde estava a Água Salgada?!

- Fugiu! 

- Fuggiiiiuuuuuuuu?! falaram as gaivotas muito surpresas.

- Sim,isto mesmo! Fugiu aborrecida porque vocês inventaram mentiras sobre nós e contaram para ela reponderam as Águas Doces.

As Gaivotas ficaram vermelhinhas de vergonha, se desculparam às Águas Doces e mandaram uma cartinha através delas para a Água Salgada com um lindo pedido de desculpas.




Água Salgada já cansada de estar naquele cantinho apertadinho no fundo da terra,agradeceu a Deus pela cartinha recebida,subiu e se espalhou no seu espaço grande e maravilhoso,desculpou as Gaivotas e recebeu de braços abertos as suas amiguinhas as Águas Doces. 




Os peixinhos retornaram às Águas Doces e todos voltaram a viver na mais perfeita harmonia igualzinho como Deus criou.




bjs,soninha


" 22 de Março: Dia Mundial da  Água "



19 de mar de 2011

Para os visitantes!


Um gracioso mimo feito com carinho...

bjs,soninha


Os Três Machados



OS TRÊS MACHADOS


Um camponês deixou cair o machado no rio, e cheio de angústia, pôs-se a chorar.

A Fada das Águas, ouvindo-o chorar, teve pena dele e levou-lhe um machado de ouro, e então perguntou-lhe:

- É este o teu machado?

- Não, não é esse- respondeu o camponês.

A Fada das Águas mostrou-lhe um de prata.

- Não, não é esse- respondeu ainda o camponês.

Então a Fada das Águas trouxe-lhe o que ele tinha perdido no rio.

- É esse – disse o camponês.

Para compensar a honradez com que ele, o camponês, tinha procedido, a Fada das Águas ofereceu-lhe os machados de ouro e de prata.

No regresso, o camponês contou a sua estranha aventura aos camaradas. E um deles teve a ideia de imitá-lo. Foi à beira do rio, deixou cair o machado e pôs-se a chorar. A Fada das Águas apresentou-lhe um machado de ouro e perguntou-lhe:

- É este o teu machado?

O camponês, muito contente, respondeu:

- Sim, sim é o meu.

A Fada das Águas, para castigar a mentira, não lhe deu o de ouro, nem o de aço, que ficou a enferrujar no fundo do rio.


Desconheço o autor.

bjs,soninha


18 de mar de 2011

Despedida do Verão!




DESPEDIDA DO VERÃO!


Lucas chegou em casa afogueado,gritando:

- Mamãe,mamãe, vem cá ligeirinho.

- O que foi meu filho,aconteceu alguma coisa grave?!

Pergunta dona Rutinha  enquanto enxugava as mãos na toalha de pratos.

- Mãe,mãezinha do céu,a tia da escola falou na aula que o verão está acabando e logo logo vai chegar o outono,é verdade mãezinha?

- Claro meu filho! Você não já sabia que há quatro estações no ano?! O ano passado você me disse que havia aprendido isto na sua aula com a tia Vera,por que está tão assustado?

Disse a mãe tentando acalmar a ansiedade do filho.

- E foi mesmo mãezinha! Mas o verão é tão gostoso que eu me esqueci que um dia ele iria embora par dar o lugar ao outono. Falou Luquinha com lágrimas nos olhos.

- A vida é assim mesmo filhinho;quando o outono chegar você tem as recordações do verão na sua cabecinha...é só lembrar dos passeios na praia,dos sorvetes,das férias... 

respondeu dona Rutinha,afagando-lhe a cabecinha

- Mas não é a mesma coisa mãezinha! choramingou o menino.

- Não é mesmo,mas não podemos fazer nada; disse a mãe dando uma risadinha.

Luquinha amuado correu para o seu quarto e não quís almoçar chateado com a mudança de estação e,deitadinho na sua cama teve a ideia de escrever para Papai do Céu pedindo para deixar o verão demorar mais um pouquinho e deixar o outono pra lá...

O menino pensou,pensou e,depois de conversar com o seu pai desistiu da sua ideia pois o pai lhe convenceu que não daria certo porque o outono era também importante.

- Por que o outono é assim tão importante pai?! pergunta Lucas.

- Sabe meu filho,a Natureza é como uma mulher vaidosa que gosta muito de trocar de roupas de vez em quando,e as suas roupas são as estações do ano,entendeu?!

- Claro paizinho! você explica de uma forma tão simples e bonita que eu entendo logo.Obrigado papai!!

Luquinha abraçou e beijou o pai e correu para  pedir um lanche bem gostoso pois não havia almoçado e a sua barriguinha estava roncando...

ronnn..ronnnn...ronnn...ronnnnnn...e roncava tão alto que todos escutaram e caíram na gargalhada!


bjs,soninha


15 de mar de 2011

Deliciosa Gincana




DELICIOSA GINCANA


As crianças da Escola Mundo Feliz estavam ansiosas pela chegada do final de semana quando participariam de uma gincana literária organizada pela professora Gina. Deveriam escrever uma redação sobre a Escola e um juri formado por alguns professores e ex alunos julgariam a melhor.

A escola estava fervilhando! Os alunos formavam e desfaziam as equipes a cada segundo e foi preciso a intervenção da Diretora,dona Luíza,senão nunca chegariam a um acordo.

Finalmente as equipes foram formadas e começaram a escrever a redação,ansiosos pelo resultado e o prêmio que seria passar um sábado e domingo numa praia bem gostosa.

A Euipe Raio de Luar foi a vencedora com o seguinte texto:

A Escola!

Ela é um cantinho do céu onde nós somos anjinhos e nossos professores são os mágicos que conseguem nos ensinar muitas mágicas que melhoram o nosso dia-a-dia.Neste Cantinho a Diretora é como se fosse uma deusa que acompanha tudo o que acontece por ali, sempre corrigindo o que está errado e aconselhando o que é melhor para todos que estão passeando por aquele pedacinho do céu.

Lá existe alguém muito especial que prepara o nosso lanche com sabor de carinho.São frutinhas deliciosas, saladinhas mimosas,biscoitinhos com leite e tudo que faz bem para nossa saúde e o nosso crescimento. é a dona Raimundinha. Às vezes nós achamos que ela é chatinha porque não nos deixa comer frituras nem beber refrigerantes,aí nós falamos:

- QUE SACO!

Naquele cantinho do céu nós conhecemos nossos amigos e os guardamos num lugar muito especial: dentro do nosso coração. Às vezes nós discutimos,ficamos de mal,resmungamos uns com os outros, mas tudo é de mentirinha porque não demora muito já estamos com saudades uns dos outros e voltamos a nos abraçar e caímos na brincadeira.

Não sabemos o que seria do mundo sem este pedacinho do céu!

Obrigada Deus por este cantinho mágico e precioso na nossa vida.Que a vossa proteção se estenda sobre a vida de todos que ali trabalham e os teus anjos acampem nas suas portas para que o Mal não tenha acesso e o Bem permaneça ali para sempre.


Equipe Raio de Luar.

Componentes:

Luísinho
Martinha
Meirinha
Zezinho
Carlota
Joãozinho
Viviane e
Romualdo.


bjs,soninha


"Dia 15 de Março: Dia da Escola"!




14 de mar de 2011

Meu Pé de Poesia!



 PÉ DE POESIA

A poesia se escondeu
Debaixo da minha cama
Encolheu suas perninhas
Me falou que não quer fama


Diz que odeia holofotes
Bate palmas e folia
Vez em quando dá um "trote"
Despertando a alegria


Perguntei se ela queria
De um livrinho,fazer parte
Ela disse: Deus me livre!
Quero mesmo é fazer arte...


Em um livro escondida
Pra depois amarelar?
Quero mais viver a vida
Pelos campos, me espalhar...


Quero entrar na funda cova
Na caminha da semente
E sentir o que ela prova
Pra poder servir à gente.


Germinar no escurinho
Pra nascer planta frondosa
Ver brotar nos meus galhinhos
Doces versos... linda prosa.


Assim nunca eu morrerei
Serei sempre a "poesia"
E no mundo espalharei
Riso,amor e fantasia!


bjs,soninha

13 de mar de 2011

Zezinho e a Matemática




ZEZINHO E A MATEMÁTICA


As aulas recomeçaram e Zezinho já estava às voltas com a sua pior inimiga: a matemática!

Ele costumava dizer que preferia comer jiló a ter que assitir às aula de matemática pois não entendia nadica de nada e nunca conseguia resolver as questões apresentadas pela professora Joice.

O que Zezinho não sabia ainda era que a professora Joice havia mudado de cidade e a escola contratara outra professora,a Rosa, que usava um jeitinho todo especial para ensinar matemática, um jeitinho tão bacana que todos os alunos conseguiam aprender com a maior facilidade e resolviam todas as questões.

Sabem qual era o jeitinho?!

Primeiro ela usava muito amor com os seus alunos tratando-os com carinho e doçura. Claro que a pró Joice também usava mas a Rosinha exagerava neste tempero...hummm!! e conseguia apresentar a matemática como algo que você pega,toca,acaricia e entende...rs..

Ou seja...ela trabalhava com objetos, não exigia decorar tabuada e estava sempre disponível para tirar toda e qualquer dúvida. Quando ela pedia aos alunos para resolverem um probleminha ela permitia que os cálculos  fossem  feitos utilizando balas e chocolates e o melhor é que os alunos que acertavam ficavam com os petiscos.

Muito bom!

Zezinho assistiu a aula da nova professora muito feliz e ficou imaginando por que alguns professores exigem que o aluno "decorem" uma disciplina tão bonita que é puro raciocínio?!

Rosinha vendo Zezinho tão pensativo perguntou o motivo?!

Ele respondeu-lhe animado:

- Ah! professora, agora sim,eu estou começando a gostar de matemática.

- Por causa dos docinhos?! perguntou a professora.

- Também pró...também...Assim fica mais doce e bem mais fácil...rs...rs..

O garoto chegou em casa hiper feliz,contou a novidade aos pais e a partir daquele dia levava uma  flor para a sua professora Rosinha, a primeira professora a fazê-lo entender e gostar de matemática.

Imaginem qual flor ele oferecia à professora?!
- Sim! Era mesmo uma rosa....

- Uma rosa para outra Rosa,com todo o meu carinho. Era o que ele dizia ao entregá-la à sua pró.

E você?! Também oferece flores à sua professora?!


bjs,soninha



9 de mar de 2011

Um Cachorrinho Especial


UM CACHORRINHO ESPECIAL


Ela era uma senhora idosa, que vivia sem amigos. Para se lembrar de que um dia tivera amigos, ela começou a dar o nome dos seus amigos para as coisas.

Sua cama, grande e sólida, se chamava Belinha. A poltrona confortável da sala se chamava Frida.

A casa se chamava Glória. Tinha mais de cem anos, mas parecia ter somente vinte.

O carro espaçoso se chamava Beto.




Todas essas coisas iriam servir, ela pensava, a outras pessoas, depois que ela mesma morresse.

Certo dia, quando estava lavando a lama de Beto, um cachorrinho chegou no portão.

O animalzinho parecia estar com fome. Ela o alimentou e o mandou embora.

Mas, ele voltou no dia seguinte e todos os outros dias. Abanava o rabo, ela o alimentava e tornava a mandá-lo embora.

Um ano depois, o animal estava lindo, crescido, pêlo lustroso. E tudo continuava do mesmo jeito.

No dia em que ele não apareceu, a velhinha sentiu a falta dele.

Esperou, sentada na escada. Nada. Depois de uns dias, ela resolveu telefonar para o canil e perguntar por um cão marrom.

Eles tinham muitos cães marrons. Então, ela dirigiu Beto até o canil e quando lhe perguntaram o nome do cachorro, ela se lembrou que ele não tinha nome.

Pensou no nome de todos os seus amigos que já haviam morrido e se deu conta de que fora muito abençoada por ter tido tantos amigos.

Pensou: Sou uma velha muito sortuda.

Chegou no meio de todos os cães marrons e chamou: Sortudo!

Ele conheceu o som da sua voz e veio correndo.



Beto gostou de transportar o cachorro. Frida não se incomodou que ele sentasse nela.

Glória não ligou para os pêlos do animal e Belinha...

Bom, Belinha se estica bem toda noite para que nela possa se acomodar um cachorro marrom sortudo e a velhinha que lhe deu o nome.

Adaptação da história A velhinha que dava nome às coisas, de autoria de Cynthia Rylant, Ed. Brinque Book.

bjs,soninha


8 de mar de 2011

08 de Março:Dia Internacional da Mulher!



SOU MENINA...SOU MULHER!


Sou menina pequenina
Sou menina...sou mulher
O meu nome é Cristina
Qualquer outro...o que quiser.


Vou crescer, vou ser adulta
E também vou me formar
Com o meu carro...levar multa
Ao sair pra passear


Encontrar o meu amado
Pra com ele me casar
E vivermos lado a lado
Lindos filhos,procriar...


Ser uma linda vovozinha
"Prafrentex", descolada
Ir dançar com a netinha
Sexta-feira,na balada.


Vou cumprir minha missão
Espalhando muito amor
Trago no meu coração
Doce amor cheirando a flor!


Ser mulher é ser menina
Ser menina é ser mulher
É canção que se afina
Doce Amor que a gente quer!


bjs,soninha


5 de mar de 2011

O Mundo Mágico dos Alimentos




O MUNDO MÁGICO DOS ALIMENTOS


Lívia, uma garotinha linda porém muito magrinha e pálida,vivia se queixando de dores nas perninhas,cansaço,falta de apetite e nenhuma vontade de brincar ou estudar.A sua mãezinha,dona Lucinha fazia doces deliciosos,de banana,leite com coco e rapadura,mamão,goiaba,abacaxi, bolos de chocolate,saladas de frutas.almoços maravilhosos, mas a menina não comia nada.

Um dia a garotinha estava na feira com a sua mãe quando escutou vozes miudinhas e melodiosas numa conversa que ela achou muito interessante. O som das vozes vinha das bancas de frutas e legumes que ficavam uma ao lado da outra.

Primeiro ela escutou o abacate perguntar para a banana;



- Amiga, as pessoas têm levado você para casa?

A banana,surpresa com a pergunta respondeu:



- Qual é a sua abacate? Você sabe muito bem que eu sou rica em potássio, cálcio, ferro, fosforo, magnésio, betacaroteno, ácido fólico, vitamina C, e do complexo B e as pessoas que praticam esporte, as quem sofrem de depressões e anemias, me adoram pois eu estimulo a produção de hemoglobinas,ajudo na pressão arterial nos nervos e nas cicatrizações das úlceras. E você amigo,serve para alguma coisa? perguntou a banana ,sorrindo maliciosamente.

O abacate um pouquinho chateado com a vaidade da banana,pigarreou e disse:



- Mas claro que sim! Você não sabe? Eu sou riquíssimo em vitaminas B e E, potássio,gorduras saudáveis,ajudo a curar reumatismo, bronquite, cálculos renais, diarreia, dor de cabeça , eczema, pela seca, parasitas intestinais, colesterol, úlcera gástrica e duodenal, tosse, rouquidão e artrite. Ainda mato a fome e estimulo qualquer cicatrização. Por ser rico em vitamina E, sou bom para pessoas com doenças cardiovasculares pois a vitamina E reforça também o sistema imunológico.

O abacaxi que estava cochilando falou com a voz arrastada...



- ...ããnnn!!Eu sou rico,muito rico!

- Riicoooo!!! perguntou a acerola.

- Sim,isto mesmo minha amiga vermelhinha.Eu sou rico em vitaminas A, B,e C, em fósforo, cálcio, potássio e bromelaína.Ajudo na má digestão,no aparelho urinário, na pressão arterial, artrite, bronquite, tosse e obesidade. A bromelina é uma enzima que ajuda na digestão, e ainda pode ser eficaz para dissolver coágulo sanguíneos.E você hein? serve pra que mesmo?

A acerola timidamente respondeu baixinho:



- Eu não sou muito rica não mas tenho muita vitamina A, do complexo B, C, ferro e cálcio,sou ótima nos casos de resfriado , gripe e anemia.Viu aí amiguinho? Também sou muito útil.

Livinha ficou encantada com a conversa que escutara entre as frutas,legumes e verduras e pensou estar diante de um Mundo Encantado. A menina correu para perto da sua mãe e lhe contou tudo que havia escutado e acrescentou:

- Sabe mamãe, a partir de hoje eu vou comer tudo que você colocar no meu prato e vou ser muito amiga destas maravilhas que fazem muito bem para nós.



A mãe,muito feliz, deu-lhe um forte abraço falando-lhe:

- ´E assim mesmo que se se fala minha menina linda.

A partir de então Livinha passou a se alimentar bem, ficou com as faces coradas,ganhou uns três quilinhos que melhoraram muito a sua magreza, se interessou pelos estudos, e o que é melhor,começou a brincar de pega-pega,esconde-esconde,amarelinha,pular corda e tudo que mais que lhe chamavam para partcipar.



Foi assim,que um simples passeio numa feira livre ajudou a mudar todos os hábitos de uma linda criança,melhorando em muito a sua saúde.



O Mundo Mágico dos Alimentos é, realmente,encantador!


bjs,soninha


3 de mar de 2011

Joãozinho o Valentão!



JOÃOZINHO O VALENTÃO!


 No Reino das Crianças Obedientes vivia um garotinho muito lindo porém muito violento,o Joãozinho Azulzinho da Mata.O sobrenome Azulzinho da Mata vinha da cor dos seus olhos que pareciam um pedacinho do céu e do seu hábito de passar longas horas na mata correndo atrás dos animais.

A sua mãezinha pedia-lhe muito para deixar os bichinhos em paz porém ele não atendia de forma alguma.Além de correr atrás deles,batia e prendia em armadilhas,cutucava com varas cheias de pregos,usando da sua violência para maltratar os bichinhos.

Na escola,todos os coleguinhas o temiam por causa da sua valentia e,à mínima coisa que um deles fizesse,o Joãozinho não perdoava e partia pra cima aos tapas e bofetões.

O tempo passou,Joãozinho cresceu e se tornou um adulto muito violento. Por onde passava ele brigava com quase todas as pessoas, deixando a sua marca num rosto machucado,um braço quebrado de alguém,uns vergões por pancadas e alguns olhos inchados e roxos.

Joãzinho adulto casou-se e se tornou pai de três lindas crianças que muito apanharam do pai violento e a sua esposa muito foi maltratada pelo marido bruto e violento.

Numa tarde de domingo,assistindo a uma partida de futebol e vendo o seu time perder,a violência de Joãozinho chegou ao máximo fazendo-o parecer-se com um touro acuado na arena em vias de saltar sobre todos e matá-los.

Quando o jogo terminou,insatisfeito com o resultado do seu time, ele discutiu com alguns torcedores do time adversário e,segurando um pedaço de madeira que encontrou pelo caminho, partiu para cima deles aos bofetões e pauladas, mas os adversários eram muitos e ele foi surrado até fazer xixi nas calças.

Todos se foram do estádio ficando apenas o Joãozinho desmaiado, estendido no chão com a cara machucada,as calças molhadas de xixi e muitos arranhões pelo corpo.

Foi uma surra pra ninguém botar defeito!

Quando Joãozinho voltou a si,levantou-se e capengando chegou em casa em estado crítico. A sua esposa e filhos se assustaram com a sua situação mas nada perguntaram, com medo de apanharem.

Todos dormiram! Pela manhã,durante o café, Joãozinho contou à família o que havia acontecido e prometeu-lhe mudar o seu temperamento e nunca mais agir como ele agia até então.

A sua esposa agradeceu-lhe e os seus lindos filhinhos abraçaram-no com carinho cobrindo-lhe de beijos. 

Desde então a família do Joãozinho vive na mais santa paz e amor.

O bom mesmo é não alimentarmos as ondas de violência que surjam dentro de nós e,sempre que tivermos vontade de manifestá-la, fecharmos os olhos e ficarmos paradinhos até sentirmos uma onda de paz nos invandindo e nos envolvendo.

Crianças e adultos não devem ser violentos,devem conversar para se entenderem  como pessoas civilizadas, cultivando sempre a educação,a tolerância,o amor e a paz.


bjs,soninha


2 de mar de 2011

Rambo e o ossinho



RAMBO E O OSSINHO


Marquinhos, um garotinho alegre,estudioso e obediente,gosta muito dos animais e a sua mãezinha procurando agradar-lhe,deu-lhe de presente um cachorrinho chamado rambo e uma cadelinha que ele colocou o nome lassie.

Todos os dias ele brincava no parque com os seus amiguinhos quando voltava da escola,e aproveitava para levar os animaizinhos para brincarem correndo pela grama,tentando subir nas árvores,nos galhos baixinhos e chuparem deliciosos sorvetes que vendiam especialmente para os cães.

Uma tarde ele foi ao parque passear e rambo encontrou um ossinho de galinha no meio da grama, abocanhou e saiu correndo. Marquinhos correu atrás do seu cãozinho para ver o que ele levava preso aos dentes e, quando viu que era um osso de galinha ficou muito preocupado com medo que ele se engasgasse. O menino correu,correu,correu muito mas não conseguiu alcançar rambo que reapareceu alguns minutos depois já sem o ossinho preso aos dentes.

Depois de alguns dias Marquinhos notou que rambo vivia triste pelos cantos da casa, não queria comer,não acompanhava o amigo aos passeios no parque e começou a fazer cocô com a presença de gotinhas de sangue . Assustado o menino levou o cão ao veterinário que  o examinou com muito cuidado e carinho, fez exames de sangue, ultrasonografia e vários outros procedimentos. Enfim,o veterinário descobriu a causa da tristeza do rambo: o ossinho que ele havia comido havia perfurado o seu intestino causando o sangramento e tudo mais que o cãozinho estava apresentando.

Dr.Carlos,o veterinário, operou rambo naquele mesmo dia  e ,graças a Deus, conseguiu salvá-lo, mas o cãozinho passou vários dias deitadinho se alimentando apenas com sopinhas,caldos e água e só voltou a sair depois que a cirurgia havia cicatrizado e ele havia voltado a ser o cãozinho alegre e feliz de sempre.

A partir daquele dia rambo não mais comeu ossinho de galinha,nem mesmo quando ele encontrava e Marquinhos não estava por perto. Parecia que o cãozinho entendia que foi o ossinho de galinha que lhe havia feito mal.

Pois é! As pessoas deveriam ser mais cuidadosas quando merendassem nos parques, e  jogar as sobras do lanche,principalmente com ossinhos,dentro do lixo,pois os cães não conseguem mastigá-los bem miudinhos e eles ficam com pontas grandes que perfuram o intestino do animal.

Graças a Deus tudo terminou bem para o rambo e Marquinhos ficou muito feliz e agradecido ao Dr.Carlos que salvou o seu amiguinho.

Devemos ter muito cuidado com nossos animaizinhos pois eles são muito parecidos com as criancinhas, não sabem nunca quando estão em perigo.


bjs,soninha

O osso da figura é ilustrativo,o que rambo pegou era menorzinho...rs!


Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!