Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

30 de mai de 2012

O PERIQUITO CURRUPACO


Era uma vez um periquito chamado Currupaco. Vivia em uma árvore muito alta e ele era conhecido como Currupaco porque lá de cima, além de falar muito, ele ficava debochando dos outros animais das redondezas.

Certo dia, Currupaco via a Dona Pata, esbaforida, espantando algumas moscas que estavam a atormentar:

- Saiam para lá, suas moscas , vão embora! Vocês estão atrapalhando o meu trabalho!

O periquito achou aquilo muito engraçado e começou a imitar a Dona Pata, brincando de sombra e repetindo tudo o que a pobre patinha falava:


- Pare de me imitar, seu periquito metido! - falava Dona Pata, sem nada adiantar, pois ele havia adorado a nova brincadeira.

As moscas foram embora e Currupaco, após se cansar também partiu.

O sábio babuino Roni, que era uma macaco muito inteligente, estava vendo tudo e resolveu falar com Currupaco:


- Meu amiguinho! Por que você faz isto com Dona Pata, e com todos os outros animais desta floresta? Eu estive observando que você debocha, ironiza, atrapalha a vida de todos. Não é assim que devemos agir!

Currupaco pouco se importou com o que o babuino falava, e também começou a imitá-lo. Roni se retirou, mas antes deixou uma mensagem:

- A amizade não se compra. Temos que conquistá-la com carinho e respeito. Assim você nunca terá amigos. E fez uma pergunta que deixou o periquito pensativo:

- Você tem amigos?

Depois de muito refletir, Currupaco se deu por conta de que o macaquinho tinha razão, pois até hoje ele não havia conquistado um amiguinho sequer.

- Primeira coisa, pensou consigo mesmo, vou pedir desculpas a quem eu magoei. Depois, vou tratar bem a todos os meus irmãozinhos animais, não repetindo os erros que eu cometi até então. E também vou ajudar a todos que precisam de auxílio.

Fazendo isso, em pouco tempo, Currupaco tinha a amizade de todos na região. E ele aprendeu que era muito mais feliz agindo assim, no bem e na caridade, do que maltratando os outros.

Camille Scholl

beijinhos de paz...

26 de mai de 2012

O ANEL DO REI GUSTAVO


Carminha passeava pelo parque quando viu algo brilhando no meio das folhas espalhadas pelo chão.

 _ O que será aquilo meu Deus do céu? Será um brilhante?! Tomara que sim, pois assim poderei ajudar os meus pais, tadinhos, eles  trabalham tanto.... 

A garotinha abaixou-se e pegou o objeto da sua curiosidade. 
Sentiu um friozinho na palma da mãozinha que se espalhou pelo seu corpo.

Aquilo ali lhe traria muita sorte,pensou... Levantou-se devagarinho, abriu a mãozinha e viu um lindo anel de ouro branca com uma pedra azul a brilhar como se desejasse falar alguma coisa. 

Vendo que a joia estava um pouquinho suja de areia Carminha esfregou-a na saia para limpá-la e...PLUFT! surgiu um lindo anjinho na sua frente. 

_ Quem é você?

 - Sou o anjinho que acompanha o Rei.

 _ O REEIII??!! perguntou a menina, espantada. 

- Sim! O REI sim senhorita. Este anel que você achou pertence ao Rei e, sempre que ele precisa de alguma orientação ele me chama e eu o atendo.

 _ Mas eu não lhe chamei! disse a menina. 

- Chamar é a maneira de dizer. Quando ele esfrega o anel eu venho, é isso.

 _ E eu esfreguei o anel? perguntou Carminha. 

- Então não se lembra? Você o esfregou para limpá-lo da areia. 

_ Ah! sorriu a garotinha, foi mesmo!! E agora, posso pedir qualquer coisa a você anjinho? 

- Não! eu só atendo aos pedidos do Rei, mas você pode devolver o anel para ele e pedir qualquer coisa que ele lhe dará, eu lhe garanto. 

A menina, que sempre fora obediente, foi ao palácio e pediu para falar com o Rei.

 = A quem devo anunciar? perguntou a guarda real. 

_ Diga-lhe que é Carminha e preciso falar-lhe do seu anel de pedra azul. 

Quando a guarda real anunciou a garota e disse ao rei do que se tratava, ele olhou para a sua mão e, foi então que notou a falta do seu anel. 

**Traga-a imediatamente, guarda, Vá buscá-la logo, vá...vá!!! 

A guarda real assustada foi buscar a menina conduzindo-a até ele.
 Diante da realeza a garotinha cumpriu o protocolo para a ocasião, o anjinho havia lhe ensinado como se comportar diante do Rei, e ficou quietinha. 

O Rei quebrou o silêncio perguntando-lhe: 

** O que você deseja falar-me doce criança? 

_ Eu achei o seu anel lá no parque. 

**E quem lhe disse ele me pertence?

 _ Foi o anjinho, alteza. 

**Qual anjinho menina?

_ Olhe seu Rei, eu não o chamei não. Eu achei o anel no chão, esfreguei na minha saia para limpar a areia que estava grudada nele e o anjinho apareceu.

 **E onde ficou o anjinho? 

_ Aí eu não sei não alteza, mas ele me pediu para vir devolver o anel, por isto estou aqui. 

O Rei pensou, pensou, caminhando nervosamente de um lado para outro da sala, de repente parou e perguntou: 

** Você quer alguma recompensa, já pensou o quê? 

_ Já pensei sim alteza. Se o sr.puder eu gostaria de melhorar a vida dos meus pais pois eles trabalham de sol a sol na enxada e estão tão cansadinhos. 

O Rei voltou a pensar durante um bom tempo, anunciando: 

**Pois bem: de hoje em diante você e os seus pais virão morar aqui no palácio. 
Você terá tudo que precisa para se tornar uma moça educada e bem instruída e seus pais serão serviçais camareiros, está bom assim? 

Carminha lançou-se aos pés do Rei, de joelhos tomou a suas mãos cobrindo-as de beijos de agradecimento enquanto as lágrimas desciam pela sua face. 

_ Deus lhe abençoe alteza, Deus lhe abençoe!! dizia a menina sem parar... 

Foi assim, por causa de um simples gesto de honestidade que uma garotinha saiu da sua choupana onde lhe faltava e aos seus pais, quase tudo, e foi com eles morar no palácio onde a vida era bem mais tranquila. 

Ser honesto e seguir os bons conselhos é sempre muito bom!

O anjinho?? 
Ah! este aí estava escondidinho no anel assistindo a tudo...

soninha

beijinhos de luz...

UM PROFESSOR DIFERENTE



Embora parecesse uma aula comum, aquele professor era diferente: seu nome era Sócrates e ele adorava fazer os adolescentes pensarem.

Naquela tarde chuvosa, Sócrates dividiu a turma em dois grupos e deu a cada grupo uma questão. Logo, todos os adolescentes conversavam animadamente.

O grupo que ficou mais a direita da sala não conseguia chegar a uma conclusão. A questão era a seguinte: havia muitos roubos no bairro do Sr. X. Para se proteger ele comprou uma arma. Uma noite ele ouviu um barulho em casa e encontrou dois ladrões levando a sua televisão. Se você fosse o Sr. X o que faria?

- Eu chamaria a polícia! - respondeu prontamente um dos adolescentes.

- E, enquanto isso... - disse outro com uma voz sarcástica.

- Eles poderiam voltar para roubar mais - sugeriu um terceiro.

Vários falaram ao mesmo tempo. O professor interveio:

- Todos concordam que ele não deve usar a arma?

- Não! Não! - disseram vários.

- Talvez feri-los para que eles não escapem - disse uma menina.

- Você tem o direito de fazer isto? - perguntou Sócrates.

Alguns responderam que sim, outros afirmaram que não, cada um com seus argumentos. A discussão estava formada e, durante 15 minutos, os alunos discutiram se é certo ou errado atirar no assaltante para feri-lo ou matá-lo.



Enquanto isso o outro grupo de adolescentes discutia a outra questão: um menino deixou o seu par de chinelos na beira da piscina do Clube, junto com os chinelos de várias outras pessoas. Quando saiu da água, percebeu que seus chinelos haviam sumido. Seu pai ordenou que ele desse um jeito na situação, por que ele não podia ficar sem chinelos o resto do dia. O que ele deve fazer? 

- Pegar outro chinelo, parecido com o seu - disse prontamente um dos alunos.

- Não! - respondeu o outro. Ele estaria roubando também. 

- Mas e se o outro menino tivesse cometido apenas um engano e viesse devolver depois? - lembrou uma colega.

- Azar do dono do chinelo que ele pegou para si! Ele não pode sair no prejuízo.

Ali também a discussão estava formada.

O professor ouvia as opiniões atentamente, mas não interferia nas respostas, permitindo que os alunos desenvolvessem suas próprias opiniões, comparando-as com as dos outros, influenciando e sendo influenciados pelos colegas. 

Sócrates sabe que os casos hipotéticos são úteis porque não apresentam urgência verdadeira para serem resolvidos e com menos emoções envolvidas é mais fácil pensar racionalmente, preparando-os para uma situação semelhante. 

Sócrates sonha com um mundo em que pais e professores suscitem perguntas orientadoras sobre dilemas morais, permitindo que crianças e adolescentes externem suas opiniões, desenvolvendo neles o raciocínio e o senso de ética e de justiça.

E você, o que faria nas duas situações?


Claudia Schmidt

beijinhos de luz...

20 de mai de 2012

A FADINHA DOS DENTINHOS



Aninha era uma menina linda, estudiosa e pouco obediente. Ela não cuidava dos seus dentinhos nem mesmo quando a sua mãezinha lhe pedia e falava:

_ Aninha....Aninha... cuida dos dentinhos senão eles estragam e vai ser preciso o dentista extrair.

- O que é extrair mamãe? ...perguntava a menina sorrindo.

_ Extrair é o mesmo que arrancar. Você gostaria de arrancar dentes? perguntava a sua mãezinha tentando fazer com que a menina cuidasse dos dentes.

Aninha continuava a comer doces e não escovar os dentes, nem quando acordava, nem depois das refeições.Ela simplesmente não se importava com os conselhos da mãe.E um dia o seu dentinho começou a doer e a gritar dentro da sua boca.:
** socorro...socorro...estou dodói...


Aninha ficou com medo de falar com a sua mãe e ter que ir ao dentista para extrair o dentinho dodói, então na hora de dormir ela rezou ao Papai do céu e pediu que Ele ajudasse o seu dentinho a  parar de doer.


Enquanto ela dormia Papai do Céu mandou as fadinhas visitá-la e fizessem o que fosse possível. 
A Fadinha dos Dentinhos também veio e, com a sua varinha mágica, ela retirou o dentinho que estava dodói.


Quando Aninha acordou o seu dentinho não mais doía e a menina assustada se perguntou:

- O que será que aconteceu com o meu dentinho dodói?

Então ela escutou :

....ppsssiiiuuuu...pppssssiiiuuu...Aninha, sou o seu dentinho que estava tão dodói que a Fadinha dos Dentes teve que me retirar da sua boquinha. Agora tenha cuidado com os outros senão você ficará banguela...

O dentinho falou e deu uma risadinha sonora...-.hahahahahahaha....

Aninha se voltou na direção da voz e viu o dentinho com asinhas coloridas segurando uma varinha mágica.


A partir daquele dia a menina passou a ter muito cuidado com os seus dentinhos,escovando-os sempre que se alimentava, antes de ir dormir, passava o fio dental e usava uma escovinha macia com um creme dental tão espumante que os dentinhos sorriam de felicidade.



Ah! e o creme dental era tão gostoso, mas tão gostoso, que os dentinhos saboreavam a cada escovada e ficavam torcendo para chegar a hora da próxima .

Ela usava sabor tutti-frutti, morango, cereja e até menta que dava um frescorzinho parecendo que os dentinhos estavam dentro de uma geladeira bem geladinha...


A mãe de Aninha não mais se preocupou em dar conselhos para ela cuidar dos dentinhos pois a menina cuidava-os e muito bem....

bjs,soninha

O PIRULITO MÁGICO



Era uma vez....

Um garoto que adorava pirulitos. Ele se chamava Luquinha.

O sonho de Luquinha era ganhar um montão de pirulitos e chupá-los todos de uma só vez, assim ele dizia para os pais, os irmãos e os amiguinhos, e a sua mãe lhe dizia:

- Meu filho, os docinhos são para serem saboreados e não para encher o nosso estômago pois se você comer muito doce você pode adoecer.

Mas o Luquinha não importava com os conselhos da mãe e continuava a sua cantoria:

- Quero pirulito...quero pirulito...quero pirulito...

Numa manhã quente de domingo o Luquinha foi à Igreja com os seus pais e lá o padre distribuiu pirulitos para as crianças. Todos ganharam um pirulito e o Luquinha ganhou o seu azulzinho da cor do céu. Ele ficou meio triste porque queria mais e saiu da igreja um pouco amuado.

Na volta para casa,sentiu o pirulito fazendo cócegas na sua mão como se fossem formiguinhas caminhando. Olhou, e lá estavam três pirulitos: o azulzinho,um vermelhinho e um amarelinho bem claro.

Espantado Luquinha falou em voz alta:

- Será que foi mágica?!

Os seus pais escutaram e lhe perguntaram:

- Está conversando sozinho filho?!

Ele respondeu:

- Estou conversando com os pirulitos mamãe, e seguiu pensando....pensando...quando uma fadinha lhe apareceu e lhe falou:

- Fui eu quem fez a mágica! Fiz porque você é um bom menino, estudioso,obediente e desejava tanto ganhar mais de um...

- Obrigado fadinha,muito obrigado mesmo;você é a melhor fada do mundo! 

... e saiu dando pulinhos e carreirinhas, cantarolando.

Ser uma boa criança é sempre muito bom, pensou Luquinha,em voz alta.



bjs, soninha

19 de mai de 2012

BARRINHA DE COCO E AMÊNDOA


Barrinha de coco e amêndoa: Iguaria de amêndoa
Foto: Mauro Holanda

Ingredientes:

Massa:
.1 pacote de biscoito de chocolate sem recheio esmigalhado (220 g)
.1/2 xícara (chá) de manteiga ou margarina derretida
.1/4 de xícara (chá) de açúcar.

Recheio e cobertura:
.2 xícaras (chá) de coco fresco ralado grosso (250 g fresco ou 150 g seco)
.1 lata de leite condensado
.1/2 xícara (chá) de amêndoas picadas
.1 xícara (chá) de cobertura de chocolate meio amargo picada
.1 xícara (chá) de cobertura de chocolate ao leite picada
Modo de preparo:

Massa: 
Aqueça o forno a 180°C. Em uma tigela média, misture bem o biscoito, a manteiga e o açúcar. Transfira a massa para uma assadeira de 28 cm x 18 cm, sem untar, e forre o fundo pressionando-a de maneira uniforme. Asse por dez minutos. Deixe esfriar.

Recheio:
Misture todos os ingredientes, menos o chocolate, e espalhe de maneira uniforme sobre a massa. Asse por mais 18 a 20 minutos ou até as bordas ficarem ligeiramente douradas. Retire do forno e deixe esfriar completamente. Em uma panela pequena, junte os dois tipos de chocolate e leve ao banho-maria para se derreter. Espalhe o chocolate derretido sobre o coco e leve à geladeira por quatro horas. Corte em pedaços e sirva na temperatura ambiente.

Dica:
Para não manchar o chocolate evite o vapor no banho-maria.

beijinhos de luz...

ROSITA E A COLCHA DE RETALHOS


imagem daqui


Rosita adorava escutar historinhas antes de dormir. 
Quando não havia ninguém para contar-lhe, ela pegava um livrinho de histórias e ficava lendo até que os seus olhinhos fechassem e ela mergulhasse num soninho gostoso e profundo.

Um dia ela estava lendo quando apareceu uma fadinha e lhe falou:

_ Rosita, cada vez que você ler uma historinha pegue uma folha daquela planta cheirosinha do seu jardim, a que você chama dama-da noite,coloque dentro de uma caixa e deixe guardadinha no seu armário.

- Pra quê? - perguntou Rosita à fadinha.

_ Quando tiver uma quantidade suficiente de folhas eu lhe mostro para quê!! - respondeu a fadinha ao tempo que lhe soprava um beijinho de até mais....

Os dias se passaram e Rosita passou a ler duas e até três historinhas de uma só vez, a cada uma delas ela ia guardando as folhinhas na caixa dentro do seu armário, ansiosa pelo retorno da fadinha.

Uma bela noite a fadinha retornou e disse, sorridente, para Rosita:

_ Ei linda! Chegou a hora! 

Pegue a caixa com as folhas que eu vou te fazer uma bela surpresa.

Rosita, ligeirinho pegou a caixa cheiinha de folhas ,entregando-a à fadinha.

A fadinha passou a mão sobre as folhinhas que ela dispôs arrumadinhas sobre a cama da garota, pronunciou umas palavrinhas mágicas:

raspt...rumpti...roft...sakti...pratik...colds...pregs...max...max...maxx...
ratimbum....bummmm...BUM!

Imediatamente as folhas se transformaram em lindos pedaços de retalhos coloridos unindo-se entre si e formando uma linda e macia colcha de retalhos com uma bela barra florida,que a fadinha presenteou à Rosita.

A garota deu pulos de alegria, beijou e abraçou a fadinha agradecendo milhões de vezes e, a partir daquele dia ela sempre usava a colcha porque ela lhe transportava a maravilhosos lugares do Mundo Mágico dos Sonhos.

Pela manhã a mãe da garotinha perguntou-lhe de onde saíra aquela linda colcha de retalhos e, Rosita toda prosa e feliz contou-lhe tim tim por tim tim, mas a sua mãe não acreditou em nada, pensando que a filha havia recebido de presente de alguma coleguinha e inventado toda aquela história.

Eu não sei porque os adultos não acreditam em nós crianças!
- resmungava Rosita enquanto se preparava para ir ao colégio após cobrir a cama com a sua 
linda Colcha de Retalhos.


soninha

beijinhos coloridos....

17 de mai de 2012

COISA BOA É UM AMIGUINHO...




_ Hummmm que delícia! falou Mirna enquanto cheirava lindas flores.

- O que é que é delícia? O cheiro das flores? pergunta Manu.

_ Sim, este cheirinho suave me lembra o perfume da minha melhor amiga, a Ivana. 
Ela é tão legal!

- Manu pergunta: por que ela é legal? 

_ Porque ela conversa comigo, guarda meus segredinhos, me dá balas, chocolates e sorvetes, me leva para tomar banho na sua piscina, me empresta livrinhos de histórias e me ensina as continhas quando não sei.

- Só por isto? diz Manu.

_ Você tem algum amiguinho que faça isto ?

- Tenho sim, o meu papai, responde o menino, sorrindo.

_ Eu quero saber de um amiguinho que não seja seu parente nem seu pai, retruca  a menina.

- Ãhññ...nññãão...acho que não, gagueja Manu.

_ Viu!? 
É isto que eu digo: amigos de verdade são poucos e eu tenho a Ivaninha que é a melhor amiga do mundo, quer conhecê-la? 

- Querooooo!!! respondeu Manu acrescentando: quem sabe ela se torna minha amiga também ....

Mirna apresentou Ivana ao Manu e a todos os seus coleguinhas e assim formaram um grande
grupo de bons amiguinhos.

A amizade é como uma flor, precisamos tocá-la com carinho para não
machucá-la, cuidar para que não murche e deixar que o seu perfume se espalhe
entre muitas e muitas pessoas...

E você, cuida bem dos seus amiguinhos?!


beijinhos...

15 de mai de 2012

TERÇA FEIRA AMARELINHA



Terça-feira amarelinha
Com as cores do mamão
Me olhou com a cara feia
Azeda qual um limão

Me armei com a coragem
Então lhe perguntei:
"_ Ô dona terça-feira"
Onde foi que eu falhei"?

Ela respondeu baixinho
Com a voz d'uma andorinha:
"_ Você faz tudo certinho
Eu sou mesmo, amarelinha!"

"_Só porque é amarelinha
Precisa ficar  zangada?
Conheço cores mais feias
Belas, se são misturadas!"

Se você se misturar
Com algumas outras cores
Vai, pra nós, presentear
_ Com uma cesta de amores!



soninha

beijinhos de luz...

13 de mai de 2012

Por que Dia das Mães?


_Mamãe, mamãe, por que hoje se comemora o Dia das Mães, quem inventou esta história?

- Não é invenção não filhinha, é de verdade mesmo, respondeu D. Rosa.

Laurinha não contente com a resposta queria saber todos os detalhes e revidou:

_ De verdade? Como de verdade? então a senhora vai ter que me contar: tim tim por tim tim...

- E conto mesmo! senta aqui pertinho de mim e escuta com atenção.

Laurinha sentou-se pertinho da mãe, fez-se toda ouvidos, pronta a acabar com a sua curiosidade.

Dona Rosinha começou dizendo:

Contam que a mais  reconhecida como idealizadora do Dia das Mães na sua forma atual é a metodista Anna Jarvis, filha de Anna Maria Reeves Jarvis, que em 12 de maio de 1907, dois anos após a morte de sua mãe, criou um memorial à sua mãe e iniciou um campanha para que o Dia das Mães fosse um feriado reconhecido. Ela obteve sucesso ao torná-lo reconhecido nos Estados Unidos em 8 de maio. de 1914.

_Mas o que é "idealizadora" mamãe?

- É aquela pessoa que idealiza minha filha; a que sonha que o seu desejo seja realizado.
E o sonho dela não era só homenagear a mãezinha dela e sim que esta homenagem fosse estendida a todas as mães vivas ou falecidas.

_ Ela conseguiu mamãe?

- Conseguiu sim!
Em 1914, a comemoração foi oficializada nos Estados Unidos pelo presidente Woodrow Wilson. 

_Nome difícil o deste presidente!! Aff!! falou a menina
E no Brasil mamãe como surgiu?

No Brasil, o primeiro Dia das Mães foi promovido pela "Associação Cristã de Moços de Porto Alegre", no dia 12 de maio de 1918. A data é comemorada no segundo domingo de maio segundo decreto assinado em 1932 pelo presidente Getúlio Vargas.

_ E em outros lugares é sempre no mesmo dia daqui, mamãe? perguntou Laurinha.

- Não filhinha; cada país tem a sua data. Eu soube que se comemora em datas e meses diferentes.

_ Que bom mamãe que esta tal  de Anna Maria não sei de quê...resolveu homenagear a mãezinha dela, assim todas as mães do mundo são também homenageadas. Mas sabe de uma coisa mamãe?

- O que filhinha, o quê? 

_ Se dependesse de mim o Dia das Mães seria doze vezes no ano. 
Éééééééééé....um domingo de cada mês. 
As mães dão um duro danado para cuidar da casa, marido, filhos, algumas estudam, trabalham fora de casa e tudo mais, bem que mereciam mais comemorações. 
Mas....já que é só hoje, vamos comemorar?

 Laurinha saiu correndo para o seu quarto, retornando de lá empurrando uma mesinha onde havia, presentes, sucos, bolos, chocolates, flores e um lindo cartão que ela mesma havia confeccionado:

"Minha querida mãezinha
Dona do meu coração
Você é a mais doce rosinha
Ainda em fresco botão

Quando estiveres velhinha
Jamais te abandonarei
Ficaremos bem juntinhas
Para sempre eu te amarei!"

Dona Rosinha ficou tão emocionada que chorou!

O pai da Laurinha e os irmãos que a tudo assistiam escondidinhos por detrás das cortinas saíram dos seus esconderijos e participaram da festa onde cantaram muitas canções próprias para aquele dia tão especial, dona Rosinha recebeu muitos presentes, afagos, beijinhos e agradeceu a todos com um belo abraço bem carinhoso.

soninha


FELIZ DIA DAS MÃES


DEUS ABENÇOE TODAS AS MÃES!

11 de mai de 2012

OS IRMÃOS QUE CONTAVAM ESTRELAS



Nino e Nina são dois irmãozinhos inseparáveis.

Nasceram no mesmo dia, são gêmeos, gostam das mesmas coisas, brincam sempre juntinhos e dormem no mesmo quarto.

Uma noite quando os seus pais dormiam eles resolveram sair para contar quantas estrelas havia no céu.

Foram até o quintal mas as laranjeiras e mangueiras eram muito altas e impediam que eles vissem o céu.

Então Nino falou para a irmãzinha:

_ Mana, vamos andar mais um pouquinho?

- Eu vou Nino, mas eu tenho medo de fantasmas, falou a menina.

_ Bobinha, você acha que os fantasmas vão sair dos seus esconderijos numa noite tão linda, tão iluminada por esta lua maravilhosa e estrelas tão cintilantes? - disse o garoto.

- Ãhhnnn...então tá bom, vamos ligeirinho, tá?

_ Tá, bobinha, tá bobinha!! Respondeu o garoto enquanto segurando a mãozinha da sua irmã, correu devagarinho na direção de um lugarzinho mais alto onde eles costumavam brincar.

_ Aqui está ótimo! Vamos começar a contar senão amanhece e não conseguimos.

Os dois irmãos ficaram um bom tempo contando as estrelas, quando de repente duas delas começaram a bailar no céu deixando um lindo rastro de luz no formato de um coração.

O menino meio assustado perguntou:

_ O que será isso Nina?

- Não sei Nino, respondeu a garota.

De repente eles escutaram uma vozinha que lhes dizia:

_ As estrelas estão dizendo que amam vocês mas já está na hora de voltarem para casa .

Eles se voltaram rapidinho na direção da voz e ainda puderam ver uma linda fadinha que saía devagarinho...


Compreenderam que deviam obedecer a fadinha e voltaram para casa, muito felizes com o recadinho das estrelas.

Quando íam entrando em casa o menino perguntou à irmã:

_ Quantas estrelinhas nós contamos, mana?

- Ããhhnnn...esqueci! respondeu a menina já cochilando enquanto corria para o seu quarto.Caiu na sua caminha e sonhou com muitas estrelas...

Ah! Eles deixaram muitos beijinhos para as crianças e os seus pais.

soninha

beijinhos de fantasia...


Leia também
OS APUROS DO PEIXINHO VAVÁ
A FADINHA COR-DE-ROSA

O VENTINHO ALEGRE



Lulinha estava na sala assistindo TV enquanto a sua mãezinha arrumava a casa e preparava o almoço, quando ele viu as cortinas sendo agitadas por mãos invisíveis para logo em seguida escutar leves batidinhas na porta:

_ Tum...tum...tum...

- Quem é?! 

- perguntou o menino, levantando-se e encaminhado-se à porta onde parou esperando a resposta.

_ Sou eu, Lulinha, o Ventinho Alegre.

- Ventinho Alegre? - de onde você veio ?

_Eu vim do céu e estou visitando todas as criancinhas para entregar a cada uma, um montão de alegria.

- Que delícia! - falou o menino abrindo a porta enquanto afastava-se um pouco para dar passagem ao Ventinho Alegre.

O Ventinho Alegre colocou a sua mochila em cima da cadeira, abriu-a e dela retirou um pacotinho perfumado, amarrado com uma fitinha azul, entregou-a ao garoto e disse:

_ Olha Lulinha e presta bem atenção ao que vou lhe dizer.

- Tá bom Ventinho...tá bom! - respondeu Lulinha.

_ Aqui neste pacotinho há alegria suficiente para todos os dias da sua vida. Cuide bem para que não perca e não seja roubada e você nunca será uma pessoa triste.

- Oh! Ventinho, como posso lhe agradecer por este presente tão maravilhoso?- perguntou Lulinha.

_ Cuidando dele...Cuidando dele ...obedecendo aos seus pais, sendo gentil, educado, estudioso, generoso com os idosos e os animais e obedecendo aos Dez Mandamentos.

- Vou tentar...vou tentar, falou Lulinha enquanto recebia o presentinho, apertando-o de encontro ao peito, soltando longos suspiros e risadinhas.

Terminada a sua missão naquela casa o Ventinho Alegre saiu ligeirinho dirigindo-se à casa vizinha onde moravam seis criancinhas.

Lulinha guardou o seu presentinho no fundo da gaveta e ele nunca foi encontrado por ninguém. Foi uma criança alegre e um adulto alegre até a sua velhice quando viajou numa linda nuvenzinha para ir morar com Papai do Céu, carregando consigo a sua alegria, fruto do presentinho que ele ganhou quando criança.

Devemos ficar atentos porque a qualquer momento o Ventinho Alegre pode bater à nossa porta nos trazendo lindos e maravilhosos presentinhos...

soninha

beijinhos de alegria...


Leia também
AS FADINHAS DO SONO

9 de mai de 2012

QUARTA-FEIRA COM MARIA!


Meio dia, hora em que Zeca chega da escola.

Dona Dina, sua mãe, atarefada na cozinha dava os últimos retoques no seu prato favorito: macarronada ao molho com ricota. 

De repente, como se um furacão invadisse a casa, ela ouve os seus gritos:
 _ Mamãe, mamãe, quem é Nossa Senhora?  

- que Senhora meu filho? onde você ouviu esta conversa de Nossa Senhora? 

_ Arre mamãe, só me diga quem é ela, você sabe? 

- Nossa Senhora que eu conheço é a mãe de Jesus, porquê?

 _ Porque a professora de tempo em tempo fala: 
: Valei-me Nossa Senhora! ou então: Me ajude Nossa Senhora!! 

Depois ela agradece baixinho por uma ajuda que parece ter recebido mas eu não vejo senhora alguma entrando na sala para lhe ajudar.

 - Ah! meu filho! disse dona Dina, ela existe no mundo espiritual e somente as pessoas muito sensíveis podem vê-la

._ Sensíveis? e o que são pessoas sensíveis mamãe? eu sou sensível??

 - Todos nós somos meu filho, mas uns são mais do que outros, uns oram mais do que outros e Nossa Senhora gosta de quem ora; uns são mais calmos enquanto outros são mais agitados; ela prefere os calmos, daí nem todos poderem vê-la.

 _ Que pena né mamãe?! 
De agora em diante eu vou ficar bem calminho, vou orar sempre, ser mais obediente e fazer tudo que lhe agrada, para quando ela entrar na sala a fim de ajudar a professora , eu dar um alô para ela. 

Dona Dina sorriu enquanto levava o Zeca para a mesa onde o seu pai os aguardava para o almoço. 

Quando Zeca viu a travessa de macarrão ao molho com ricota, exclamou:

 _"Valei-me Nossa Senhora! é hoje que eu me farto..."

... no mesmo instante em que ele exclamava pela Mãe Santíssima, leve brisa adentrou a sala onde estavam, deixando um suave perfume de rosas entre eles, 

Olharam-se entre si, como se estivessem surpresos e exclamaram: - 

**Obrigada Nossa Senhora,pelo pão de cada dia.**.

soninha

5 de mai de 2012

O PEIXINHO SONHADOR




Cansado de viver nas águas, o peixinho xexéu sonhava um dia poder voar. 

Imaginava-se voando junto a um bando de pássaros, conhecendo novos lugares, passando pertinho das nuvens, tocando-as com as suas barbatanas e, se pudesse, daria um beijinho no sol. Isto,se ele não lhe queimasse! 

Os seus pais conversavam com ele, explicavam que Deus não colocara asas nos peixes porque eles não iriam voar e por isto colocaram as barbatanas para nadarem nas águas; e os pássaros sim, tinham asas porque foram criados para  voar. 

Xexéu não se conformava com as explicações dos pais e vivia orando e pedindo a Deus que lhe desse um par de asinhas para ele voar. 

Ele orava e dizia: _ ó Deus, me dê um par de asinhas para que eu possa voar junto aos pássaros. 
Se o Senhor me der eu lhe prometo que lhe farei uma visitinha. 

Esperava, esperava e nada de nascer as asinhas. 

Todos os dias ele se olhava no espelho da água para ver se as asinhas estavam surgindo, perguntava a um e outro e nada!

 Uma noite, enquanto dormia, xexéu sonhou que estava voando. 
Era uma sensação tão gostosa que ele agradeceu a Deus por aquele sonho tão lindo e tão real. 

Deus olhou dentro dos olhinhos de xexéu e disse:

 - "Meu lindo peixinho xexéu, eu lhe criei para nadar e não para voar e espero que você compreenda isso.

 Para você me visitar, não precisa de asas pois eu estou em toda parte, até nas águas mais profundas. 

Eu lhe prometo que deixarei você sonhar muitas e muitas vezes, que está voando; assim você realiza o seu desejo e ficamos bem, está bom assim?! "

Xexéu acordou feliz e contou aos pais o sonho que tivera, voando e conversando com Deus. 

A partir daquele dia o peixinho não mais ficou triste pois sabia que encontraria Deus em qualquer parte que estivesse e ainda poderia voar....

beijinhos de luz...

Leia também

4 de mai de 2012

BEIJINHOS DE COCO


Receitinha fácil...

Ingredientes 

1 lata de leite moça.
1 colher de sopa de manteiga.
Coco ralado seco ou fresco.
Cravo-da-índia.

Modo de preparo 

- Leve ao forno baixo o leite moça e 1 colher de sopa de manteiga mexendo até desprender da panela.
- Misture 4 colheres de sopa de coco ralado seco ou fresco.
- Passe para um prato untado com manteiga.
- Depois de frio, enrole os docinhos, passe-os no coco ralado e os decore com um cravo.
- Se quiser, faça carinhas de urso puxando 1 orelha de cada lado do docinho, fazendo os olhos com confeitos prateados e o focinho com um cravo-da-índia.

Faça com a mamãezinha e...sucesso!

beijinhos de alegria

Leia também
A FADINHA DA NOITE

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!