Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

13 de jun de 2013

Síndrome mão-pé-boca


Etiologia (causa)

Doença causada pelo vírus Coxsackie, principalmente pela variedade A16, altamente infecciosa e contagiosa em crianças.

Afeta em geral crianças abaixo de 5 anos de idade. Nas crianças em fase escolar ocorre com menos frequência e raramente ocorre em adultos.

Os surtos são mais freqüentes na primavera e no outono.


Quadro Clínico

Usualmente o período de incubação é de 4 a 6 dias.

Febre de intensidade variável. Alguns casos podem ocorrer sem febre.

Habitualmente a criança apresenta estomatite (aftas) e gânglios aumentados no pescoço.

Surgem a seguir, em pés e mãos, lesões vesiculosas (como pequenas bolhas) branco-acinzentadas com base avermelhada, não pruriginosas e não dolorosas. As lesões podem aparecer também na área da fralda,  podem ou não se espalhar para as coxas e nádegas, boca e garganta.

Em alguns casos a criança não apresenta sintomas aparentes.

Trata-se de uma infecção de natureza moderada e o exantema regride entre 5 e 7 dias.

Se o quadro for mais grave, as lesões podem se transformar em pústulas ou bolhas, que estouram depois de seis dias


Diagnóstico

O diagnóstico é clínico, pois o quadro é bem característico. Geralmente não é preciso realizar exames complementares.

Na maioria dos casos, apenas uma análise das feridas já é suficiente para que a síndrome mão-pé-boca seja identificada. Se houver dúvidas, o médico poderá pedir um exame de sangue sorológico. O enterovírus 71 também pode ser identificado por um exame de fezes.


Tratamento

A síndrome mão-pé-boca é tratada com medicamentos anti-inflamatórios ou, se o quadro for grave, medicamentos antivirais.

Inclui medidas orientadas para as viroses de uma maneira geral:

• repouso

• alimentação leve

• boa ingesta de líquidos

A febre, se presente, pode ser controlada com o antitérmico prescrito pelo pediatra.

Idas frequentes ao pronto-socorro não alteram a evolução da doença, pois a virose é auto-limitada, ou seja, melhora espontaneamente, com a própria defesa do organismo.

Em alguns poucos casos, quando as lesões da boca comprometem a ingesta de líquidos, é preciso internação para hidratação endovenosa.

Em geral, a síndrome mão-pé-boca desaparece sozinha dentro de cinco e sete dias. Após a melhora dos sintomas, o paciente adquire imunidade ao enterovírus 71, não sendo contaminado novamente.


Complicações Possíveis

Por conta da dificuldade de engolir, a criança pode ficar muito tempo ingerindo poucas quantidades de líquidos, podendo sofrer uma desidratação. Nesse caso, há a necessidade de internação para que o paciente receba soro fisiológico.


Fatores de Risco

A síndrome mão-pé-boca afeta principalmente crianças, mas também pode atingir adultos que entram em contato com a mucosa ou fraldas de uma criança infectada. Sua incidência pode aumentar até 20% no outono e no inverno, por conta da imunidade ficar mais baixa no período.

Postar um comentário

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!