Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

18 de dez de 2012

O SUSTO


Rafael era um menino muito arteiro. Desses que não param um minuto. 

Desde pequeno dava muito trabalho aos pais, que viviam tendo de protegê-lo a todo instante. 

Assim mesmo, com todos os cuidados, Rafael completara oito anos e já tinha quebrado a perna duas vezes, trincado o osso do braço, cortara duas vezes a cabeça levando vários pontos. Isso sem contar as quedas, os arranhões, os galos e os sustos. 

Ufa! Cuidar de Rafael não era tarefa fácil! 

Sempre tinha alguém gritando: 

— Cuidado, Rafael! 

A mãezinha recomendava-lhe com carinho: 

— Meu filho, não corra tanto! 

— Olhe o buraco! 

— Não atravesse a rua! Olhe o sinal fechado! 

Mas, qual! Rafael, sempre apressado, não dava atenção. 

Um dia, voltando da escola, Rafael viu um amigo do outro lado da rua e não deu outra. Correu para encontrá-lo. A mãe, que caminhava a seu lado, não conseguiu detê-lo. Só conseguiu gritar: 

— Não, Rafael!... Olhe o carro! 

Porém, não deu tempo. O veículo não conseguiu frear a tempo. O motorista, assustado ao ver que o garoto atravessava a rua correndo, ainda desviou o carro, jogando Rafael ao chão. 

Foi aquela correria. Alguém chamou a ambulância, que levou o menino para o hospital. 

Rafael permanecia desacordado. Batera a cabeça no asfalto e esta inconsciente.

Felizmente, não aconteceu nada de grave. 

Enquanto isso, Rafael percebeu que estava num lugar diferente. Olhou em torno e achou tudo bonito. 

Nesse momento aproximou-se um rapaz todo reluzente. Sério, olhou para Rafael e disse: 

— Por pouco você não conseguiu retornar mais cedo. 

— Eu? Retornar para onde? 

— Para o mundo espiritual! Não é isso o que tem tentado sempre? — perguntou o moço. 

O menino respondeu, apavorado: 

— Não!... Não quero deixar minha família, a escola, meus amigos, meu corpo!

Sereno, o rapaz considerou: 

— Então, tenha mais cuidado, Rafael. Cuide bem do seu corpo, proteja-o de perigos. Ele é um grande amigo que você tem e também seu maior tesouro nesta vida. Evite retornar mais cedo porque a responsabilidade será sua. 

Nesse momento, Rafael acordou no hospital. 

Logo viu as fisionomias preocupadas do pai e da mãe. Felizes por vê-lo acordado, eles choravam. 

— Não chorem! — disse ele. — Prometo-lhes que, daqui por diante, terei mais cuidado. 

E contou aos pais a conversa que tivera com o moço luminoso, e eles entenderam o que tinha acontecido com Rafael enquanto estava desacordado. 

Era a resposta do Senhor às suas preces. Juntos, elevaram os pensamentos em oração, agradecendo a Deus. 

A partir desse dia, Rafael transformou-se num outro menino. 

Continuava a ser criança, brincava, jogava bola e se divertia como qualquer outro garoto da sua idade, porém agora tinha mais cuidado e respeito pelo seu corpo e pela sua vida.

Tia Célia

Célia Xavier Camargo 

beijinhos de paz...

Postar um comentário

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!