Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
São João está chegando...

30 de abr de 2012

Segunda Arco-Íris



SEGUNDA ARCO-ÍRIS

Hoje o dia é colorido
É segundinha, meu irmão
Tem o azul do infinito
E o verdinho do limão
O vermelho é da maçã
Ou uma doce romã
Ou até, do coração.

Há o lilás que é tão suave
E o branquinho do algodão
O amarelo do canário
E um roxo bem fortão
O laranja tão formoso
Tão sereno e tão garboso
Conquistou meu coração.

A segunda arco-íris
É também coloridinha
Pra encantar a gurizada
O titio e a madrinha
É um dia tão gostoso
Tudo nele, é tão charmoso
É o meu dia de rainha.

A alegria é colorida
O chorinho também é
Não há queixa de cansaço
Nem de calo ou de chulé
O feijão é repetido
O arroz e o ovo mexido
Eu até, bebi café!

A mamãe é mais amiga
E o papai um amorzão
Meu gatinho faz um carinho
Na palma da minha mão
São as cores deste dia
Que em tudo põe magia
E calor no coração!

beijinhos de alegria

29 de abr de 2012

BOLO DE BRIGADEIRO


Ingredientes

. 2 xícaras (chá) e 3 colheres (sopa) de açúcar
. 4 ovos (claras e gemas separadas)
. 3/4 de xícara (chá) de óleo
. 3/4 de xícara (chá) e 5 colheres (sopa) de achocolatado
. 3/4 de xícara (chá) de água morna
. 2 xícaras (chá) de farinha de trigo
. 1 colher (sopa) de fermento em pó
. 200 ml de licor de cacau
. 100 ml de água
. 3 colheres (sopa) de açúcar
. 2 latas de leite condensado
. 2 colheres (sopa) de margarina
. 200 g de chocolate granulado


Modo de preparo

1. Prepare a massa: bata 2 xícaras (chá) de açúcar com as gemas, depois adicione o óleo, 3/4 de xícara (chá) de achocolatado dissolvido na água morna e por último a farinha. 

2. Bate bem a massa, retire da batedeira e junte as claras batidas em neve. 

3. Misture delicadamente e acrescente o fermento em pó. 

4. Leve para assar em forma untada e enfarinhada em forno, preaquecido, aos 180 ºC. 

5. Prepare a calda: em uma panela misture o licor de cacau, a água e 3 colheres (sopa) de açúcar e leve o fogo até ferver. Deixe esfriar. 

6. Desenforme o bolo e divida ao meio. Faça furos no bolo com um garfo e regue com a calda. 

7. Prepare o recheio e cobertura: em uma panela misture o leite condensado, 5 colheres (sopa) de achocolatado e a margarina e leve ao fogo até engrossar, mexendo sem parar. Preste atenção para que fique em consistência mole. 

8. Recheie e cubra o bolo. Polvilhe o chocolate granulado.

28 de abr de 2012

CONVERSANDO COM MARIA!


Ó doce Nossa Senhora
Que todos chamam Maria
Vem me trazer, por favor
Um pouquinho de alegria
Num sorvete bem gostoso
Ou num bolo saboroso
Mas eu quero, todo dia.

Se puder traga também
Alguns lindos pirulitos
E fala, pra mamãezinha
Pra acabar c'os seus gritos
Pra ela falar bem baixinho
Pois eu sou pequenininho
E detesto "faniquitos"

Traz, também, doce Maria
Pra eu brincar co'o amiguinho
Uma pipa, bem gigante
_ "Um gigante passarinho"!
Um novelo de barbante
Pra eu guiá-la, bem distante
Qual se fosse para o ninho.

ficarei bem quietinho
Esperando você chegar
Por favor, não se demore
Pois a noite vai apontar
Com ela, vem o escuro
E, lá em cima do muro
Há o "papão" a espiar.


beijinhos de alegria

A SEMENTINHA


Beto estava muito triste. Seu cão ficou doente e, apesar de todos os cuidados, morreu em seus braços sem que ele nada pudesse fazer para impedir.

Já havia se passado uma semana, mas Beto continuava inconsolável. Não se conformava com a morte do cãozinho Vira.

Lembrava, com saudade, do dia em que encontrara Vira, ainda um filhote, perdido na rua perto de sua casa. Tinha aspecto de cão abandonado. Seu pelo era ralo e feio, estava muito magro e gania de fazer dó. Tinha fome, certamente.

Apesar da feiura, Beto sentiu imediata simpatia por ele. Tomou-o no colo e, quando o cãozinho lambeu seu rosto, já estava decidido a levá-lo para casa.

Recebeu o apelido de Vira, de tanto os familiares caçoarem do pobre e feio filhote, dizendo que ele era um legítimo exemplar da raça dos Vira-latas. Assim, apesar do nome que Beto lhe dera, Rex, passou a ser chamado carinhosamente de Vira.

Desde esse dia, tornaram-se inseparáveis. Só não estavam juntos quando Beto ia para a escola e durante a noite, pois a mãe proibira, terminantemente, que o animalzinho dormisse no quarto, como era desejo do menino.

O resto do dia eles divertiam-se a valer: brincavam de bola, apostavam corridas, passeavam na calçada, ou, simplesmente, rolavam na grama.

Vira transformara-se num belo cachorro. Limpo e bem cuidado, em nada lembrava o filhote magro e feio que Beto encontrou um dia.

Mas agora Vira estava morto. Beto sentia muita falta da sua companhia e vivia a chorar pelos cantos. A mãe não sabia mais o que fazer para alegrá-lo.

Um dia, ela teve uma ideia. Apanhou uma semente de flor e disse:

— Meu filho, quer ajudar-me a plantar esta semente?


Apesar de não ter vontade nenhuma, Beto aceitou, apenas para agradá-la. 

Dirigiram-se para o jardim e a mãe foi explicando como o serviço deveria ser feito:

— Primeiro você fará um buraco no solo. Depois depositará a semente na cova e cobrirá com um pouco de terra. Esta semente, meu filho, lançada ao solo, irá morrer e, depois de algum tempo, germinará.

O menino, que ainda era pequeno, não entendeu direito e perguntou:

— Como assim?!...



— Bem, meu filho, tudo o que existe na face da Terra, e que tem vida, precisa morrer para nascer de novo, isto é, voltar a viver. Como isso acontece, só Deus, que é a Suprema Sabedoria e o Criador de tudo o que existe, o sabe. Mas assim acontece com as plantas, com os animais e com as pessoas, para que todos evoluam, tornando-se cada vez melhores!

Beto ouviu muito sério e compenetrado. Em seguida, indagou:

— Isso vai acontecer também com o Vira?!...

— Sem dúvida! Só que a sementinha dele, que é o espírito, renascerá de uma outra mãe, em outro local.

— Ah!... E eu poderei reconhecê-lo?

— Quem sabe? Se nascer aqui por perto, isso é possível! Ele poderá apresentar o mesmo jeitinho, as mesmas manias, as mesmas tendências.

— Então, se algum dia eu reencontrar o Vira, vou reconhecê-lo, mamãe, e tenho certeza de que ele também vai se lembrar de mim.

Beto calou-se, mas a mãe percebeu que, ao deixarem o jardim, ele já estava diferente, menos triste e bem mais animado.

A partir desse dia, Beto cuidou com muito carinho da sementinha que tinha lançado a terra. Cercava-a de atenções, não deixando faltar água. Ele passava horas sentado no chão, ali perto, pedindo a Jesus que permitisse à semente germinar, enquanto observava cuidadosamente o local onde a depositara.

Até que, alguns dias depois, cheio de alegria e entusiasmo ele correu para a mãe, agitando os braços e gritando: 

— Ela brotou, mamãe! Ela brotou! A sementinha está viva de novo! Viva!...

A mãezinha deixou os afazeres domésticos e foi até o jardim. Os olhos do menino estavam brilhantes de emoção, e ela percebeu como tudo aquilo era importante para seu filho. 

Envolveu-o carinhosamente num abraço, afirmando:

— Você cuidou muito bem da semente que lhe confiei, meu filho, e Deus atendeu às suas preces. Parabéns!

Desse dia em diante, acompanhando o desenvolvimento da plantinha, Beto enchia-se cada vez mais de esperança, de confiança e de gratidão a Deus, Supremo Doador da Vida.

Logo, a plantinha cobriu-se de lindas e perfumadas flores, que Beto não se cansava de admirar e mostrar para as outras pessoas, cheio de justa satisfação, dizendo:



— Fui eu que plantei!

Agora, a idéia da morte não lhe causava mais tristeza ou medo. Ao contrário, sentia-se tranqüilo e confiante, compreendendo que a morte era apenas uma etapa natural na vida de todos os seres da Criação, que morreriam e voltariam a nascer, muitas e muitas vezes, para atingir o sublime objetivo da evolução.

Célia Xavier de Camargo

Tia Célia


beijinhos de luz...

24 de abr de 2012

O FILHOTE



Mariana ficou muito surpresa quando observou seu amigo Otávio: ele acolhia no peito, cuidadosamente, um pequeno filhote de pomba que havia caído na calçada.

- Sempre pensei que os meninos apenas matassem passarinhos! 
- exclamou ela, maravilhada com a bela descoberta.

- Nem todos! - apressou-se Otávio 
- É verdade que muitos garotos são malvados com os animais... 
Este filhote, por exemplo, está sem mãe. 
Vi os meninos da casa ao lado matarem uma pombinha hoje de manhã...

- Mas... por que eles fazem isso? 
Será que não percebem que os filhotinhos não sobrevivem sem a mãe para alimentá-los e ensiná-los a voar?

- Não, Mariana, eles não percebem... respondeu tristemente o menino.

- E o que você vai fazer como o filhote, Otávio?

- Vou levar para casa; meu pai sempre me explica como eu preciso cuidar: dar água e comida no bico, mantê-lo aquecido e protegido; depois torcer para que ele fique forte, aprenda a voar sozinho e possa encontrar as outras pombas. 
Dá trabalho, mas alguém tem que compensar a falta de amor dos outros rapazes...

Mariana achou fantástico que seu amigo pensasse assim! Resolveu ajudar Otávio a cuidar do filhote. E também a incentivar seus amigos a amar e respeitar esses seres que, como nós, são criaturas de Deus.

Letícia Müller

beijinhos de luz...

23 de abr de 2012

SEGUNDINHA COLORIDA!


Segundinha colorida
Que Jesus criou pra mim
Colorido das jujubas
E o gostinho de amendoim

Há o  lilás, laço de fita
Da minha linda bonequinha
E o amarelo tão brilhante
A vestir a  Luluzinha

Olho o campo e vejo o verde
A chamar minha atenção
Igualzinho ao que já vi
Na casquinha do limão

Lá no céu o azul me chama
E um anjinho sorri pra mim
Põe sua língua para fora
Vermelhinha, qual carmim.

Tem asinhas tão formosas
Bem branquinhas, algodão...
Quando abrem se transformam
Num bonito coração

Até a Minie se vestiu
Pra poder comemorar
A segunda colorida
Que chegou para ficar!!


beijinhos coloridos...

Quem nos deu a ideia foi Anne...

Leia também
A FADINHA ROSA E O ANEL PERDIDO
O URSINHO ABCD

21 de abr de 2012

DIA DO BASTA!


BASTA DE ROUBALHEIRAS!



CRIANÇAS NOS LIXÕES!



EXPLORADAS!



SEM ESCOLAS!



COM FOME!


SEM TETO!


SEM LAR!


BASTA DE TANTA JUDIAÇÃO...

20 de abr de 2012

O GATINHO DE LILI


Lili era uma linda criança que adorava animais de estimação, principalmente os gatinhos. Tanto ela pediu a sua mãezinha um bichano para ela, que a sua mãe atendeu ao seu pedido e lhe deu de presente um lindo gatinho muito peralta.

Lili levava o gatinho para todos os lugares por onde ela passeava e havia uma caminha especial no seu quarto para que o gatinho dormisse bem acomodado e quentinho e nunca ficasse do lado de fora da casa como fazem muitos donos de gatinhos que deixam os seus bichanos dormindo no frio.

Um dia Lili levou o gatinho que ela passou a chamar nonô, para passear na casa da sua amiguinha Rosita. Lá, elas foram brincar enquanto o gatinho ficou dentro de um cesta com alguns novelos de lã que Rosita havia arrumado para ele brincar; ao invés de brincar ele ficou cochilando sobre as lãs macias. Depois de muito cochilar  o nonô se escondeu dentro de um saco de papel e ficou escondidinho para pregar uma peça na sua amiguinha Lili.



Quando Lili procurou o gatinho e não encontrou foi um corre-corre pela casa, todos preocupados pensando que nonô havia fugido. De repente Lili chegou perto do saco que estava se mexendo e viu a patinha do  gato. A menina deu uma bronquinha bem carinhosa no gatinho e ele ficou muito feliz porque havia realizado uma peraltice.

Lili tomou o nonô no colo e foram felizes para casa onde ela contou para a sua mãe sobre a traquinagem do gatinho. A sua mãezinha disse:

- Gatinhos são assim mesmo filha, se prepare para as próximas traquinagens...

Lili deu uma risadinha e foi brincar com suas bonequinhas enquanto nonô brincava na sua caminha.

A menina brincava e dava boas gargalhadas, lembrando-se da peraltice do gatinho e, de vez em quando, ela olhava para ele e piscava o olho naquele gestinho de amizade...rs.


bjs,soninha

18 de abr de 2012

O LIVRO INFANTIL!


O LIVRO INFANTIL

Hoje é o dia
do livro infantil
que é muito gostoso...
_ Delícias mil !

Com muitas fadinhas
gnomos, rainhas
estrelas piscando
para as criancinhas

Balões coloridos
azuis e vermelhos
nas folhas, brincando
os escaravelhos

Lanternas nos postes
alumiam as ruas
no céu a brilhar
estrelas e luas

Uma lua verdinha
a outra amarela
no meio da noite
criança à janela

pirulitos queimados
e bem escurinhos
grudando na boca...
_ Sabor de carinho.

Leões e girafa
disputam corrida
e a formiguinha
na juba, escondida

Camelos gigantes
descansam ao sol
enquanto as estrelas
se vêem, no arrebol

Livrinho de criança
é tudo de bom
é linda canção
em alto e bom tom.

É um canto encantado
e é tão gostosinho...
ali eu acampo
bem escondidinho.

Não saio pra nada
favor não chamar...
Livrinho Infantil 
_ É o meu lugar!

*soninha**

18 de abril:
"DIA NACIONAL DO LIVRO INFANTIL"

beijinhos de alegria...

Leia também
O DECRETO DA FADA RAINHA

17 de abr de 2012

QUEBRA POTE !


A festinha na escola do Ruizinho estava hiper animada,a classe da 4ª série havia programado um "quebra pote" para que todos pudessem ganhar presentinhos, e a criançada não via a hora de quebrar o pote.

Claro que não era um pote de verdade e sim um saco de papel bem resistente, bem enfeitado, com um laçarote de fita colorida e cheiinho de coisinhas que as crianças adoram.

Havia bonequinhas, carrinhos,jujubas, casinhas de boneca,pipoca,caramelos,petecas,bolas de futebol e muitas coisinhas mais que aqui não dá para listar tudo.

As músicas animavam o ambiente, crianças pulavam corda, outras brincavam de esconde-esconde, picula, gude, roda, amarelinha...até que se ouviu um apito tocando bem alto - pprrriiiiiiiiiiiiiiiii....

Era a diretora pedindo que todas as crianças fossem para o pátio pois havia chegado o momento tão esperado: - o quebra pote!

Colocaram uma venda escura em Xavier,aluno da 4ª, para ele não ver onde o "pote" estava dependurado, giraram um garoto algumas vezes e o soltaram com um pedaço de madeira na mão para ele tentar quebrar o "pote".

Xavier rodopiou para lá e para cá muitas vezes até que consguiu: - PLAFT! PIMBA! lá se foi o "pote" para o chão, todo rasgadinho, enquanto as guloseimas e brinquedos se espalharam ...

A criançada correu para cima e, em poucos minutos não restava mais nada a não ser os restos do "pote".

A festinha continuou até às 17h quando a diretora deu por terminada enquanto dava um aviso:

- Somente sairão da escola depois de catarem todos os papéis, copos descartáveis, restos de lanche etc, que fazem da escola um local feio e sujo. E não se esqueçam que papel é com papel, latinhas é metal e as garrafinhas de pet vão para o plástico.

Muita atenção!!!

A diretora foi enérgica e falou:
 -"Lugar de LIXO é no LIXO"!


A criançada correu feliz para catar e separar o que havia jogado pelo chão e, a zeladora estava junto às caixas de descarte para orientá-los.

Foi muito bom!

E não nem se incomodaram, o que é mais importante!

Estavam todos felizes,cataram tudo que haviam esparramado pelo chão deixando só a poeirinha para ser varrida pelo zelador.

Nem precisa dizer que a festa foi um SUCESSO pois as crianças haviam se divertido muito além de colocarem em prática o que haviam aprendido com os pais e professores:

- "Cuidar do meio ambiente com carinho"!

bjs,soninha

15 de abr de 2012

DONA JOANINHA E OS SEUS SALTOS ALTOS


Dona Joaninha, vaidosa, não se imaginava calçando sapatinhos baixos nem chinelos. 

Ela dizia que toda joaninha que se preza deve estar sempre muito elegante e isto se aplicava também aos sapatos que deveriam ser de saltos altos.

Bem arrumadinha,saiu para passear no parque, visitar novos canteiros e fazer novas amizades, quando, sem querer...
PLOFT! CROC!! CRACC....

Uai...ui...socorro, me acudam!
 _ Gritava a joaninha aflita._  

Pisei em alguma coisa que fez um barulinhoooo...

Todas as joaninhas correram para acudí-la, e sabem o que ela havia esmagado?!
_ Um imenso girassol cheinho de néctar e pólen.
_ Era de dar água na boca ver tanta gostosura!


- Ããããã...que delícia, vou comer tudinho....hummmm...
._falou a joaninha, muito feliz _.

- Nãnãnãnãnãaaaaooooo...
_ falaram em coro todas as joaninhas_  

Nós corremos para lhe socorrer, agora você vai dividir esta delícia conosco.


Choramingando, a joaninha dividiu o manjar com as suas companheiras e, a partir daquele dia ela aprendeu que era muito feio desejar tudo para si mesmo esquecendo-se dos outros.

Ãhnn...e nunca mais calçou saltos muito altos...rs

bjs,soninha

Leia também:
OS SONHOS DA FADINHA RHANA

13 de abr de 2012

O LÁPIS MÁGICO



As aulas haviam começado e Julinho estava hiper feliz por rever os coleguinhas, aprender coisas novas e brincar muito com todos eles na hora do recreio.

Um dia Julhinho estava sentadinho na sua cadeirinha frente à mesa onde fazia as suas atividades, quando a tia Vivinha pediu que pegassem os lápis de cores pois iriam fazer uma atividade de pintura.

Julhinho pegou a sua caixa e notou que ela estava se mexendo enquanto um dos lápis estava saindo de lá de dentro, falando para ele:

- Julhinho, vamos brincar lá fora no pátio?

O garoto assustado perguntou:

- Como é que você consegue falar se você é um lápis?

O lápis sorrindo respondeu:

- Eu venho de um Mundo Encantado onde todos os seres vivos e todas as coisas podem falar.

Que lindo!  falou Julhinho, piscando para o lápis.

Devagarinho o menino saiu da sala, amarrou um cordão no lápis para servir de rédea, pegou o chapéu do professor e fez de conta que estava galopando num lindo cavalo alazão.

Quando estava na maior animação, o cavalo a toda velocidade, Julhinho escutou:

- triiimmmmmmm....ttrrrrriimmmmmm.....trrriiimmmm.....

Era o despertador tocando em cima da mesinha de cabeceira que ficava juntinho a sua cama.

- Ora..ora.... falou o menino. Pra que você tocou agora?

- Hora de acordar!!! falou a sua mãezinha entrando no seu quarto.

- Ui! que susto! pensei que era o relógio falando...

- O quê?! perguntou a sua mãe.

- Nada não mãezinha, eu estava pensando bobagens...(e deu uma risadinha).

- Pois pare de pensar bobagens e se arrume ligeirinho senão você chegará atrasado no colégio.

- Tá bom mami, maminha, mãezinha, hahahahaha!!!  

sorria Julhinho enquanto se aprontava para ir à escola....

- É tão bom sonhar!....

bjs,soninha

O AMIGUINHO AZUL E A FLORZINHA MÁGICA

Rosinha era uma menininha que amava sair pelo campo a colher flores para dar à sua mãe e aos seus amiguinhos.

Costumava acordar bem cedinho quando o céu ainda estava enfeitado com as últimas estrelas , pegava a sua cestinha e saía bem devagarinho para não acordar a sua família.

Ela não tinha medo porque no Reino onde ela morava todas as pessoas se conheciam e eram muito amigas.

Um dia a Rosinha se aproximava de um canteiro de cogumelos quando escutou uma vozinha a lhe chamar:

- Rosinha...Rosinha...chega aqui pertinho de mim!

_ Quem está me chamando? - perguntou a menina.

- Sou eu! aqui...aqui...olhe! Sou o seu amiguinho azul.

_ Ah! Estou lhe vendo, mas você é tão pequenino...disse a menina sorrindo para o seu novo amguinho e lhe perguntando: _ o que você quer de mim?

- Só a sua amizade garotinha, respondeu azulzinho.

_ Que bom! falou Rosinha.

- Tome! pegue esta florzinha que eu trouxe para você, veio lá do meu planeta, e ela nunca morre.Eu trouxe para que você nunca mais fique triste. Sempre que a tristeza chegar pertinho de você, você dá um beijinho na flor que a tristeza vai fugir bem ligeirinho, falou azulzinho.

_ Muito obrigada meu amiguinho, estou mesmo precisando pois mamãe anda tão dodói... agradeceu Rosinha enquanto recebia a florzinha das mãos do seu amiguinho.

E assim, Rosinha nunca mais ficou triste porque tinha sempre a companhia da florzinha mágica que o seu amiguinho azul lhe deu de presente.

Há sempre um amiguiinho azul ao nosso lado nos oferecendo florzinhas mágicas que afastam as tristezas e as coisas ruins de perto de nós. 

Vamos prestar àtenção para não deixarmos os amiguinhos retornarem sem nos entregar a florzinha mágica.

bjs,soninha

11 de abr de 2012

ESCOLINHA PARA CACHORROS

 
No Reino Encantado dos Cães, estes animais são muito amados e nunca ficam sozinhos sem fazer nada. Há sempre alguém brincando com eles e ensinando-lhes alguma coisinha diferente.

Um dia os cães se reuniram e decidiram:

- De hoje em diante quem vai nos ensinar somos nós mesmos! falou o mais velho de todos eles, o cão vovô.

_ É isto mesmo! falaram os outros.

- Vamos arrumar a nossa sala de aula e cada dia um de nós ensinará o que sabe .

_ Muito bem! falou rex o cãozinho que adorava cantar.Estou doidinho para dar aulas de canto.

Pupi, o mais veloz do grupo, disse que daria aulas de como correr atrás dos gatinhos para dar-lhes um susto.

Sorriram todos...hahahaha...com a ideia do pupi.

Fox, com a sua voz grossona falou:

: Mas não é pra maltratar os gatinhos não! É só pra assustar, de brincadeirinha.

- Tá bom...tá bom...gritaram todos de uma só vez.

Os cães arrumaram a salinha de aula e começaram o que eles mais queriam, que era aprender se divertindo. Nada de humanos dando ordens, falaram.

A escolinha foi inaugurada com uma bela aula de rex onde todos cantaram com muita alegria, uma cançãozinha que o cãozinho ensinou.

No dia seguinte Pupi ensinou a correr; xiquito ensinou os quequeninos onde deveriam fazer xixi e cocô; melaço foi o mais engraçado de todos, porque ele ensinava a beber água sem molhar o chão e ele mesmo molhava tudinho ao seu redor.

Babi, uma cadelinha poodle muito lindinha, da cor de mel, deu aulas de bons modos quando fossem comer e como receber visitas.

Luli um lindo pit bull, ensinou a enfrentar os outros cães, sem ter medo, mas sem machucá-los.

A escola funcionava de segunda-feira à sexta-feira, havia horário de recreio quando brincavam, lanchavam e se divertiam muito. Aos sábados eles arrumavam a salinha, enfeitavam, regavam as plantinhas e aos domingos descansavam.

A escolinha fez tanto sucesso que até hoje muitos cães estão se matriculando e passou a funcionar pela manhã e à tarde para dar conta de tantos alunos interessados em aprender.

Os cães mandaram beijinhos para vocês e avisa que ainda há vagas para quem tiver cãozinho e quiser mandar...

beijos de luz!

LAVANDO O CÉU !



Um belo dia São Pedro resolveu lavar o céu e começou a jogar baldes e mais baldes de água. 

Ele queria que as nuvens ficassem bem branquinhas quais floquinhos de algodão para que os anjinhos pudessem brincar sobre elas e nas noites estreladas elas serviriam de caminhas onde todos eles dormiriam.

São Pedro chamou os anjos ajudantes e pediu  que não demorassem muito pois ele já estava ficando velhinho e se cansava com facilidade. 

Mas ele, Pedro, não se lembrou de abrir o torneirão que jogava a água do céu para a Terra e nem os ajudantes se lembraram.

Quando a água começou a acumular dentro do céu ameaçando inundar todas as casinhas dos anjos, arcanjos, querubins e serafins, o arcanjo Miguel vendo que algo estava errado, correu para verificar se a torneira estava aberta, e ...que surpresa!

A torneira não só estava fechada como estava vedada com uma imensa rolha de cortiça que São Pedro havia colocado para economizar água.

Ele vivia dizendo:

_ Precisamos economizar água...precisamos economizar água!

Os anjinhos lhe falavam:

_**São Pedro, aqui no céu nós não temos problemas com a água! Quem precisa economizar água são os humanos lá na Terra.

Mas São Pedro não queria saber de conversas e vedou a torneira bem vedada. 

E...UFFFAAA!!!!

- que trabalheira para abrir. 

O arcanjo Miguel, depois de muito "lufa lufa" conseguiu  abrí-la, deixando a água jorrar para as cidades que estavam precisando .

Na Terra, as criaturas agradeceram a Deus pela chuvinha forte porém gostosa, as plantinhas ficaram mais alegres e faceiras, os animais saltitavam e brincavam debaixo de grossas gotas e respingos e tudo era luz na Natureza!

O céu ficou limpinho, as nuvens branquinhas e fresquinhas e tudo aconteceu conforme a vontade de Deus!

beijinhos de alegria...

Agora...eu quero ouvir a sua historinha...você me conta?

9 de abr de 2012

** A ABELHINHA ZUM ZUM ZUM **



No Reino Encantado das lindas abelhinhas havia uma que se destacava entre todas as demais, por ser a mais bonita, mais educada e mais laboriosa. Ela trabalhava desde o amanhecer até a noitinha, sempre satisfeita e cantando a sua musiquinha preferida:

_ zum zum zum...zum zum zum...
eu sou uma abelhinha
zum zum zum...zum zum zum...
sou muito amiguinha
zum zum zum...zum zum zum...
e amo uma florzinha...

As outras abelhinhas tentavam ser alegres mas não conseguiam. Viviam a resmungar e reclamavam muito do trabalho que tinham a fazer.

Um dia o zangãozinho zizinho perguntou à zum zum zum:

_ Amiga, como é que você consegue ser tão feliz com tanto trabalho a fazer, e estar sempre cantando?

Zum zum zum, sorrindo respondeu:

** Querido, você já imaginou que chatice seria a nossa vida se não existisse o trabalho? O que é que nós faríamos o dia todo a não ser dormir e comer?

Zizinho que era um pouquinho preguiçoso retrucou:

_ E brincar....

** É! falou zum zum zum, mas você logo iria ficar cansada de tanto descansar...rsrsrs...Experimente!

E o zizinho resolveu experimentar ficar uma semana sem fazer nadica de nada a não ser comer, dormir e brincar, sozinho pois as outras amiguinhas estavam ocupadas.

No final da semana zizinho estava de mau humor, chateado e mais resmungão do que nunca, e sabem porquê? Porque não trabalhava, não era útil a nada nem a ninguém.

Sentindo que não suportaria aquela situação, zizinho retornou ao trabalho junto às outras amiguinhas e, como agradecimento a sua amiga zum zum zum, ele lhe deu uma linda flor e a pediu em casamento assim que ele ficasse mais adulto.

As abelhinhas ficaram muito felizes com a bela lição que zum zum zum dera ao zizinho , principalmente porque conseguiu convencê-lo da importância do trabalho .

Obs: Neste Reino os zangões também trabalham...

beijinhos adocicados...

A TARTARUGUINHA MAGALI


Magali vivia no Reino dos Animais ,era muito prestativa, ajudando sempre a todos os que estavam precisando.

Quando a gatinha nina resolveu aumentar a sua ninhada lá estava magali na sua casinha deixando tudo em ordem enquanto a nina cuidava dos filhotinhos recém nascidos e descansava um pouquinho.

Dona girafa foi passear na casa dos seus pais, magali foi ajudá-la a arrumar as suas malas e foi à estação de trem, conduzindo as suas duas filhinhas.

O macaco jeremias arrumou uma biblioteca no meio da floresta, para que todos os animais tivessem um cantinho onde pudessem ler, sossegados, sem barulho algum, e lá estava a magali, todos os sábados ajudando-o na limpeza e arrumação daquele cantinho gostoso...

Quando os cachorros resolveram fazer uma festinha para comemorar o aniversário do cão mais idoso do Reino, o cão xadrez, com 30 anos, magali foi a primeira a chegar a fim de ajudar em tudo que eles precisavam.

Não havia tempo ruim para aquela tartaruguinha que se vestia com roupas alegre e coloridas.

Um dia os animais resolveram retribuir a bondade da tartaruguinha e fizeram uma festinha em sua homenagem onde ela recebeu um lindo buquê de rosas de todas as cores, um delicioso perfume, um par de sapatinhos coloridos e muitas e muitas outras prendas lindas...

Entre todos os presentinhos que a magali ganhou, um deles, ela gostou mais do que os outros, guardando-o com muito carinho dentro do seu coração. Foi o abraço de dona xuxa a tartaruga mais velha do Reino.

Foi um presente inesquecível...


beijinhos doces...

6 de abr de 2012

Um selinho para os visitantes...

Glitter Photos

Feito com muito carinho, para todos
os visitantes que curtem selinhos.

beijinhos de alegria...

A VELHINHA, A GALINHA E OS OVOS DE PÁSCOA


Numa pequena aldeia, havia uma pequena casa. 

Nesta casa morava uma velhinha. 

Ela criava uma galinha e um coelho. 

A galinha tinha seu ninho embaixo da escada e lá botava seus ovos. 

O coelho vivia solto pelo gramado que circundava a casa. 

A galinha cacarejava toda vez que botava um ovo, e a velhinha corria para recolher o ovo que a galinha botava e a alimentava com boa comida. 

A velhinha gostava muito da carijó, que tinha a crista vermelha, as patinhas amarelas e as penas coloridas.. 

Gostava também do coelho, que tinha o lábio partido, as orelhas bem grandes e o pelo branco bem fofinho. 

Certo dia, a velhinha escuta a galinha cacarejando tão alto e tão feliz: -- Botei, botei, botei! 


Até o coelho assustou-se e ficou com as orelhas em pé. 

A velhinha desceu bem rápido os degraus da escada, abaixou-se e viu no ninho um ovo bem grande, com manchas multicoloridas. 

Era tão lindo que ela não cansou de admirá-lo. Com muito cuidado pegou-o e levou-o para a cozinha. Ficou pensando o que faria com ele. 

Não podia comê-lo, pois era muito bonito e também não podia deixá-lo como enfeite, pois poderia cair e quebrar-se. 

O coelho que estava ao seu lado, disse-lhe: --E se der de presente para uma criança? 

A Páscoa está chegando e com certeza quem recebê-lo ficará muito feliz. 

A idéia é boa, respondeu a velhinha, porém para qual criança? Eu conheço tantas. 


Ela pensou um pouco e exclamou: --Já sei, vou juntar muitos ovos da galinha carijó e depois de pintá-los vou presentear todas as crianças. 

Saltitando e feliz, o coelho dizia: -- Eu também vou ajudar a pintar. 

Assim dito, assim feito. 

A galinha carijó botou muitos ovos. A velhinha recolheu-os numa cesta de vime e junto com o coelho branquinho, pintou-os. 

Ficaram tão bonitos. 
Multicoloridos. Vermelhos, verdes, azuis, amarelos, roxos. 
Alguns listrados., outros com bolinhas e até com flores. 


No domingo de Páscoa, a velhinha os colocou numa bela cesta e o coelho branquinho distribuiu-os para todas as crianças da aldeia.

Conto Lituano de Nijole Jankute
Tradução livre de Olga Prokopowit

beijinhos coloridos...

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!