Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

21 de out de 2010

O INDIOZINHO E A RAPOSA





Era uma vez um indiozinho que vivia pela floresta procurando amigos. Ele passeava pelos campos, que na primavera se enchiam de flores de cores e perfumes variados, Ele até conseguia conversar com os animais e com as plantas.

Um dia, ele estava passeando pela beira de um riacho quando escutou um barulho. Ele olhou, procurou, mos não descobriu de onde vinha. Perguntou:

- Quem está aí?

Então ele escutou

-Sou eu. Eu estou aqui.

Era uma linda raposinha de pêlo dourado e focinho branco, que corria de um lado para o outro se escondendo.

O indiozinho então falou:

- Vem brincar comigo, estou triste e preciso muito de um amigo.

A raposa trocando de lugar respondeu:

- Mas eu não posso brincar. Você não me cativou.

-Que é cativar? - perguntou o indiozinho.

A raposa respondeu:

- É uma coisa muito esquecida que significa "criar laços'...

-Criar laços?

- É. Você não é ainda para mim senão um indiozinho como vários outros que por aqui passam. Eu não tenho necessidade de você e nem você de mim. Mas se você me cativar, eu terei saudades de você quando for embora. Terei necessidade do sua companhia.

E o indiozinho então disse:

-Ah! Agora eu começo a entender.

A raposa falou:

- Por favor... cativa-me!

- E o que é preciso fazer?

A raposa explicou:

- É preciso ter muita paciência... Para isso, que tal nos encontrarmos aqui para nos conhecermos melhor? Assim, todos os dias, eu estarei ansiosa esperando você. A cada dia você irá chegando mais perto. Neste tempo a amizade brotará em nossos corações. Até que um dia seremos grandes amigos


Desta forma o indiozinho seguiu os conselhos da raposa e a cativou. 

Os dois tornaram-se grandes amigos. E como se fosse uma plantinha que deve ser regada todos os dias para poder crescer e sobreviver, a amizade dos dois foi cultivada através do respeito, do carinho, enfim, do amor. 

E uma coisa que o indiozinho nunca esqueceu, pois foi a raposa mesmo que lhe contou é que a gente se torna eternamente responsável por aquilo que cativa, E isso foi muito importante por toda a sua vida.


História inspirado na obra "O Pequeno Principe" de Antoine de Saint-Exupéry, Livraria AGIR Editora, 1964, inserida na apostila do 2º Cicio de lnfância, unidade II, Conduto Espírita e Vivência Evangélica da Federação Espírito do Paraná 


bjs,soninha
Postar um comentário

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!