Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

29 de nov de 2010

A IDEIA DE TONINHO




Cinco meses se passaram e o Toninho não conseguiu descobrir onde dona Ritinha se escondeu com diana e os filhotes de zeus.O menino chorava todos os dias com saudade dos filhotes que já deveriam estar bem crescidinhos e bonitos, e o amigão ficava ao seu lado como se entendesse toda a situação.

Um dia Toninho estava deitado na rede, descansando, teve uma ideia que ele achou ser brilhante, levantou-se de um pulo, assustando o amigão que estava deitado no chão debaixo dele, e correu para falar com a sua mãe:




- Mamãe..mamãe!!! gritou o menino.

- O que foi Toninho, o mundo está acabando? respondeu dona Ziza sorrindo baixinho.

- Acabei de ter uma ideia de como encontrar dona Ritinha com os filhotes de zeus,disse o menino.

- E qual é esta ideia tão brilhante? perguntou a mãe, já desconfiada de que seria mais uma aprontação do menino.

- Meu Deus do céu, disse o menino.Por que não pensei nisto antes ,mamãe?!

- O quêêê...menino...diga logo, pelo amor de Deus, pois estou muito curiosa.

- A senhora vai ao Correio e procura saber com o chefe onde é que a dona Ritinha está morando .

- E se ele não quiser dizer? falou dona Ziza, preocupada em criar alguma confusão com o pessoal do Correio.




- A senhora diz a ele que tinha o endereço mas perdeu e, como está chegando o Natal e a senhora quer mandar cartões para os seus amigos...

- É uma boa ideia, falou dona Ziza.Sabe que você é inteligente? 

- Eu sei mamãe...eu sei....só não sei porque demorei tanto tempo para pensar nisto. Aproveita e compra duas cartelas de selos, para convencer o chefe do Correio que a senhora vai mesmo mandar cartões de Natal.

- Ah! que pena...eu só terei dinheiro dia 05 quando receberei minha aposentadoria. que pena! falou a velha mãe desconsolada.

- Tem nada não mamãe...tem nada não...eu tenho um dinheirinho guardado da minha mesada e lhe dou, afinal de contas é para uma boa causa.

Dona Ziza arrumou-se,pegou o dinheirinho do filho e foi ao correio colocar a ideia do Toninho em prática. 

E não é que deu certo!?

Ela voltou toda feliz, cantatrolando baixinho, com o endereço da dona Ritinha dentro da sua bolsa,bem guardadinho. Já em casa, quando foi recebida pelo filho, ela perguntou:

- Adivinha o que tenho aqui na minha bolsa?!

- Deu certo mãezinha...deu certo....graças a Deus!!  

O menino pulava, beijava e abraçava a mãe enquanto o amigão balançava o rabo com tanta força que parecia estar a bater em todos.




Foi uma felicidade geral. Nesta noite Toninho dormiu igual a um anjinho, desejando que amanhecesse logo a fim de ir à casa de dona Ritinha para buscar os lindos filhotes de zeus.




bjs,soninha
(Ficção)



VER...ouvir...calar...



Ver... ouvir...calar...
pra você não se encrencar
pra a mamãe não reclamar
pra não ter que fuxicar

Ver...ouvir...calar...
se quiser me conquistar
pra você mais acertar
pra depois não vir chorar...

Ver...ouvir...calar...
nem que tenha que apostar
que você não vai contar
o que eu vou segredar...

Ver...ouvir...calar...
uma regra pequenina
pra você linda menina
e também pra o seu irmão

VER...OUVIR...CALAR...
sem jamais se revoltar... 
e,nem mesmo praguejar...
é a receita do perdão!


bjs,soninha




27 de nov de 2010

A GATINHA SAPECA


A Gatinha Sapeca

Meleca remeleca
é a gatinha mais sapeca
ela dança...dança....e dança....
quando dança se requebra.
Meleca remeleca
meleca melequinha
uma doce sapeca
a mais linda das gatinhas.
Seu vestido é verdinho
ela é amarelinha
o seu rabo é comprido
ela é toda listradinha...
Meleca remeleca
meleca melequinha
te amo minha gata
você é linda, gatinha.



bjs,soninha



O BOLO DA VOVÓ



O BOLO DA VOVÓ


O bolinho da vovó
É muito saboroso
Ela usa chocolate
Pra ficar hiper gostoso...
Ela bate...bate....bate...
Até ficar fininho
De mistura ela usa
Seu amor e o seu carinho
O açúcar é o seu sorriso
O fermento é a alegria
O bolinho da vovó
É o fruto da magia!


bjs,soninha

26 de nov de 2010

UM SONHO DE CRIANÇA



Era uma vez...

...uma linda criança que se chamava Clarinha, cujo sonho era conhecer Jesus.

Todos os dias ela ouvia as pessoas adultas falarem sobre este ser tão maravilhoso e a sua mãezinha estava sempre a dizer:

- filhinha, nós temos que buscar Jesus com a nossa alma e o nosso coração para que Ele esteja sempre perto de nós e as coisas ruins não nos aconteçam...

Mas ela não sabia como buscá-lo! 

Ela orava as orações aprendidas com a sua mãezinha e inventava outras que brotavam do seu coraçãozinho inocente, mas o que ela queria mesmo era conhecê-Lo, falar com Ele e passar alguns momentos na sua companhia.

Quando ela ía dormir ela conversava com a sua bonequinha e dizia:

- Sabe aninha, a mãezinha se contenta em saber que Jesus está pertinho dela mesmo sem o ver mas eu quero vê-lo, tocá-lo, abraçá-lo e conversar com Ele; o que você acha?!

De tanto conversar com a sua bonequinha, uma noite a bonequinha lhe respondeu:

- Eu vou realizar o seu sonho, Clarinha!

- O quêêêêê?! falou a menina assustada. Então você estava este tempo todo me escutando e somente hoje me deu uma resposta?

- Pois é Clarinha! falou aninha. Eu tinha medo de assutá-la,por isto ficava bem quietinha e caladinha.

- Bem, vamos deixar estas bobagens de lado e me diga logo como você pode realizar o meu sonho de conhecer Jesus, disse a menina se ajeitando debaixo do cobertor.

Aninha respondeu-lhe sorrindo:

- É fácil garotinha. Feche bem os olhinhos e segure na minha mãozinha que rapidinho vamos chegar no lugar onde Ele costuma passear a estas horas.

Clarinha obedeceu à sua bonequinha e, em poucos segundos elas chegaram num bosque muito lindo, cheio de plantas maravilhosas, muitos lagos, uma luz prateada a iluminar todos os cantinhos, e Ele estava lá. Vestia  roupa clara, comprida, e segurava um grande cajado na sua mão direita

Quando a menina o viu, correu e deu-lhe um longo e carinhoso abraço. Disse-lhe que há muito tempo ela sonhava com aquele encontro e que jamais iria esquecê-LO.

Jesus segurou a sua mãozinha e convidou-a a passear pelo bosque.Enquanto passeavam ela fazia muitas e muitas perguntas a Ele, que eram respondidas com muito carinho.

Quando o dia se preparava para nascer, Jesus falou à Clarinha:

- Agora filhinha, você deve retornar à sua casa com sua bonequinha pois terá que ir à escola, está lembrada?

Clarinha fazendo beicinho falou, com lágrimas nos olhos:

- Oh! meu querido Jesus, é tão bom estar na sua companhia! Eu não quero voltar não. Lá no meu mundo está tudo tão confuso. Papai briga com a mamãe e ela chora muito, ele sai e vai beber e chega quebrando as nossas coisas, no caminho da escola vejo tantas crianças sujas, com fome e sozinhas, tanta soisa ruim...

Jesus olhou no fundo dos olhos de Clarinha, apertou-a de encontro ao peito e disse-lhe:

- Vá criança,vá! Eu estarei sempre ao teu lado se continuares com este coração generoso e esta alma pura. As coisas ruins do mundo, existem porque são coisas criadas pelo ser humano e só deixarão de existir quando eles se tornarem assim iguais a você, puros de alma e coração. Não chore; apenas ore pelos seus pais, pelas crianças e por tudo que você achar que está errado.

Clarinha abraçou intensamente o seu amigo Jesus,voltou-se para aninha e disse:

- Vamos amiga, está na hora de retornarmos.

Clarinha e aninha chegaram no quarto, exatamente no momento em que dona Rita abria a porta para acordar a menina para ir para o colégio.

Já na mesa do café, ela falou com a sua mãezinha:

- Sabe mãezinha, ontem a aninha me levou para conhecer Jesus.

A mãe, como todos os adultos, não acreditou no que a menina lhe contou e respondeu baixinho:

- Qualquer dia destes você vai me dizer que conheceu Papai Noel...e deu uma risadinha.

A menina não escutou o que a sua mãe havia dito e perguntou:

- O quê mamãe? O quê?!

- Nada não...nada não....ande logo que o ônibus escolar está chegando.

Clarinha deu um delicioso beijo na sua mãe e saiu cantarolando, muito feliz...Já na porta ela gritou:

- Ele disse que vai ficar sempre ao meu lado! Iuuuuuupppppiiiiiiiiiii....Tô feliz...tô feliz...



Trabalhando: Os Sonhos, a Fé, O Amor, O Poder da Oração, A Pureza, A Bondade


bjs,soninha

25 de nov de 2010

CARTINHAS COLORIDAS



Era uma vez...

...uma cidade que ficava no meio duma floresta, cercada por lindos pinheiros e sempre iluminada por uma lua enorme, muito cheia e um céu cheinho de estrelas que nunca paravam de piscar. Era uma deliciosa cidade!

Nela moravam muitas crianças que adoravam brincar com os animais e tomar banho numa linda cachoeira cuja água era límpida e transparente;quando ela caía formava uma belíssima lagoa onde se viam milhares de peixinhos coloridos nadando pra lá e pra cá, como se estivessem muito alegres.

Na escola as crianças estudavam com alegria e adoravam a professora que eles chamavam tia Luna.

Uma certa manhã a tia Luna chegou na sala de aula e falou para eles:

- Crianças, o Natal está pertinho...

Julinho ouvindo aquilo se levantou e perguntou:

- Onde tia, onde ele está?! Me diz que eu quero ver...

Luna, sorrindo, respondeu:

- Eu estou dizendo que o dia do natal está perto porque o mês de novembro está terminando e logo será dezembro, o mês das festas natalinas.

- Ah! disse Julinho, entendi...

- Então crianças, vamos fazer a cartinha para o Papai Noel pedindo o presentinho que vocês querem? falou a tia Luna.

- Vaaamooossss!!! gritaram todos ao mesmo tempo.

- Como vocês já sabem escrever eu vou deixar que escrevam sozinhas e depois eu levo para colocar no correio, está bom assim? perguntou a professora.

- Estáááááá´!!! responderam as crianças e acrescentaram: a senhora não esquece de colocar o selo nas cartas senão o correio não leva para Papai Noel.

Está bem! disse a professora e sentou-se lendo um livro de historinhas enquanto as crianças escreviam as suas cartinhas.

Ao fim de algumas horas, quando eles terminaram as cartinhas a tia Luna recolheu todas , se despediu das crianças e prometeu que colocaria naquele dia mesmo, no correio.

Quado as crianças se despediram e foram embora, Luna começou a ler as cartinhas e quase morreu de sorrir com a gracinha delas.As crianças haviam escrito com lápis coloridos e, todas elas, pareciam lindos arco-íris onde no final havia um grande pote de ouro.

Claro que havia alguns erros de português, como: " eu quero uma bicicreta", "dezejo muito uma bunekinha","gostaria de ganhá um karrinhu"...e  muitos mais,mas o que importava mesmo era a beleza , o carinho e o amor com que eles tratavam o Papai Noel. Havia algumas que estavam carimbadas com beijinhos, eram das meninas que haviam passado o baton que elas sempre carregavam nas suas mochilas.

Era uma prova de grande carinho pelo bom velhinho.

As cartinhas ficaram tão lindas que a tia Luna perguntou às crianças se ela poderia fazer cópia de todas elas para colocar no mural. As crianças concordaram, mas somente depois de ver que eram cópias e que as originais iriam para o Papai Noel.




A exposição das cartinhas foi um sucesso e estimulou as outras classes a fazerem o mesmo.As crianças hiper felizes estão aguardando os seus presentinhos, no Natal....





bjs,soninha


23 de nov de 2010

O TEATRINHO DO NATAL



Era uma vez...

... uma cidadezinha que ficava no Reino Mágico dos Miudinhos, onde as criancinhas adoravam brincar umas com as outras e com os animais.Todos se amavam e viviam na maior paz e alegria do mundo.

Havia uma escolinha onde as crianças estudavam e um cantinho onde os animais ficavam enquanto as crianças estavam na escola. Ali, os adultos cuidavam deles, davam banho, cuidavam daqueles que tinham pêlo comprido, escovando e colocando um perfuminho bem suave. Todos recebiam cuidados e carinho.

Estava chegando o dia do Natal e a professora pediu que algumas crianças fizessem um teatrinho mostrando como foi o nascimento do Mestre Jesus. 

Todos queriam participar!

Eu quero...eu quero...eu quero...falavam as menininhas ao mesmo tempo.Os meninos eram mais tímidos e não se manifestaram. A professora Mirinha teve que fazer um sorteio para ver quais seriam os atores.Os meninos sorteados se recusaram pois tinham vergonha...(rs); mas as menininhas aceitaram imediatamente.

E, num lindo final de semana, todos os pais foram convidados para assistirem ao teatrinho que foi um espetáculo muito lindo. Havia um palco onde as luzes piscavam, animais de brinquedo foram colocados ao redor da manjedoura, o bercinho onde Jesus estava, e como não tinha um menino para ser o pai ,as meninas fizeram a festa...

Com esta festinha todas as criancinhas ficaram animadas e com mil ideias para o Natal que estava chegando.Uma delas eram as famosas cartinhas que teriam que escrever para enviar ao Papai Noel.


22 de nov de 2010

A GOTINHA CURIOSA


Era uma vez...

...uma linda gotinha azul que morava numa nuvem bem lá no alto, muito distante da terra.Ela era muito curiosa e sonhava conhecer a terra, passear descalça,molhar os canteiros, beijar as pétalas macias das flores, mergulhar nos rios, nos mares e nos oceanos e conhecer as belezas escondidas bem lá fundo das águas.

Ela vivia feliz na companhia das outras gotinhas mas não deixava de sonhar.

Um dia, uma pombinha branquinha que levava as cartinhas para todos os moradores do céu, levou um recado do rei da Terra. A cartinha dizia:




- Atenção todas as nuvens que estão espalhadas pelo céu, peço-lhes que se preparem porque há uma cidade aqui na Terra que não chove há muito tempo, as plantações e o gado estão morrendo de sede e as pessoas estão sofrendo muito com isto. Se reúnam todas pois amanhã bem cedinho nós iremos ajudá-los com muita água.

A gotinha ficou hiper feliz com a notícia e pensou:

- Esta será a minha oportunidade de conhecer a terra, passear sobre ela e realizar todos os meus sonhos.


No dia seguinte, bem cedinho, todas as nuvens estavam bem juntinhas quando um raio surgiu,seguido de um trovão bem barulhento para, logo em seguida, a chuva cair sobre a cidadezinha que morria de sede.


A gotinha ficou perturbada com a confusão que se seguiu. A água caía aos borbotões e ela ,misturada às outras gotinhas foram sugadas pela terra quente e seca e se perderam nas suas pronfundezas. Adeus sonho de passeaar, de beijar as flores e conhecer o fundo dos mares, pensou a gotinha choramingando.

Os dias se passaram e ela lutava contra a escuridão do solo enquanto falava sozinha:

- Ai que saudade da nuvem onde eu morava...ai que saudade...




De repente, várias gotinhas surgiram ao seu lado e falaram:

- Vamos embora daqui gotinha curiosa?

- Como podemos sair daqui e voltarmos para a nossa nuvem? perguntou , fazendo beicinho.

- Nós vamos subir até a superfície da terra e de lá vamos voando,de mãos dadas, até a nuvem.Vamos tentar?

- Claro! respondeu a gotinha.

Seguraram as mãos,umas das outras, e subiram para a superfície da terra que se banhava com raios de sol bem quentes.A gotinha estranhou o calor e disse:



- Ui...que sol quente é este?

- É assim mesmo,falaram as outras gotinhas.O calor do sol vai nos ajudar a subirmos com mais facilidade até a nuvem.

- Como é que vocês sabem disso? perguntou a gotinha.

- Ah! gotinha, é a primeira vez que você vem à terra mas nós já viemos muitas vezes. Agora que você já sabe como é, sabe também que nem tudo é como nós sonhamos,não é mesmo?

- Quer dizer que nunca vou poder realizar os meus sonhos? perguntou a gotinha,com a falinha trêmula pelo choro.

- Vai sim, vai sim...responderam as outras gotinhas.Uma coisa de cada vez,está certo? Hoje você ajudou a salvar uma cidade, as suas plantações, o gado e as pessoas da seca, um outro dia quem sabe você desce apenas para passear?!...

A gotinha curiosa deu uma risadinha e partiu feliz com as suas amiguinhas, para formarem uma linda e deliciosa nuvem no céu mais lindo do planeta.




bjs,soninha

A DANÇA DOS LIMÕES



A DANÇA DOS LIMÕES


 Quem vê lindos limões
pensa logo em limonada
não podem imaginar
uma coisa engraçada...
Os lindos limõezinhos
adoram um bom forró
e dançam a noite toda
até o nascer do sol...
dois passinhos para lá...
dois passinhos para cá...
os bracinhos bem abertos
parecem que vão voar...
dançam a noite inteirinha
dançam até se esbaldar
melhor é dançar: eles dizem...
do que limonada, virar!


bjs,soninha


21 de nov de 2010

ESTOU DE CASTIGO!



ESTOU DE CASTIGO 


Fui à roça buscar milho
Pra assar no meu fogão
Dei de cara com um tigre
E com um grande leão
Corri em disparada
Igual ao meu coração


Foi uma longa correria
Até eu chegar em casa
Tive que nadar um pouco
Na lagoa, que era rasa
E saltar uma fogueira
Que ardia em pura brasa


Finalmente eu cheguei
No meu lar, o meu abrigo
Os meus pais me acolheram
Mas me deram um castigo
Não vou mais buscar o milho
E nem vou brincar contigo



Castigo SIM! 

Palmadas NÃO!

bjs,soninha


MELANCIA



Melancia é saborosa 
Pra chupar,ou em suquinho 
Quando o sol está bem quente 
Com bastante calorzinho
Saboreio um bocado 
Inda dou ao amiguinho!!


bjinhosss, soninha


20 de nov de 2010

O REI DOS ANIMAIS


A bicharada se reuniu, certo dia, para eleger o seu rei. O candidato natural era o Leão. O problema começou quando três leões jovens e fortes apareceram, desejando ser cada qual o rei dos animais.

Os candidatos discursaram, os animais discutiram, sem solução. Foi daí que o Macaco teve a idéia de lançar um desafio.

Os leões deveriam subir a Montanha das Dificuldades. Aquele que chegasse antes ao pico, teria demonstrado ser o mais forte, o mais hábil e, assim, com direito à coroa.

Marcou-se dia e hora. A bicharada se reuniu para assistir a escalada.

Os três leões tentaram, tentaram, mas nenhum conseguiu chegar ao topo da Montanha.

E agora? - gritaram os animais. Quem será o rei?

Eu sei quem deverá ser o nosso rei - falou imponente a Águia.

Como? - perguntaram todos ao mesmo tempo. Nenhum deles atingiu o objetivo.

Acompanhei, explicou ela, a escalada dos três, voando junto a eles. Tanto o primeiro, como o segundo, após algumas tentativas, retornaram, dizendo: “Montanha, você me venceu.”

Mas o terceiro, afirmou:

“Montanha, você me venceu, por enquanto! 
No entanto, você já atingiu seu tamanho final e eu ainda estou crescendo.

Um dia, vou conseguir chegar lá em cima. Espere-me.”

E concluiu a Águia:

Desta forma, o último é que deve ser o rei porque teve uma atitude de vencedor diante da derrota. Quem age assim é maior que seu problema, é rei de si mesmo. Está preparado para ser rei dos demais.

O jovem Leão foi coroado. Seu discurso foi muito aplaudido:

Não importa o tamanho dos problemas e dificuldades que temos. A maioria deles já atingiu o nível máximo.

Nós, ao contrário, ainda estamos amadurecendo e somos maiores que todos eles juntos. Por isso, cada um pode vencer a escalada da Montanha das Dificuldades. É só acreditar em si mesmo.

Autor desconhecido


bjs,soninha

18 de nov de 2010

O PESSEGUEIRO



Gladys quando era criança, morou em uma casa cujos vizinhos eram terríveis.

Eram maledicentes, mexeriqueiros, barulhentos e briguentos. Os filhos tinham o hábito de se apropriar dos bens alheios. Eram um espinho na carne da vizinhança.

Perto do terreno da casa de Gladys havia um pessegueiro maltratado que fazia sombra na janela da cozinha deles. Quando chegava a primavera, a velha árvore conseguia, a muito esforço, produzir algumas folhas e flores.

As flores se transformavam em pêssegos minúsculos, verdes e duros que nunca chegavam a amadurecer. Só serviam mesmo para que os vizinhos os apanhassem e jogassem longe.

Certo dia, a mãe de Gladys decidiu mandar cortar a árvore, para colocar flores em seu lugar.

Não demorou muito para que sua decisão chegasse aos ouvidos dos vizinhos.

Eles pediram que ela não cortasse a árvore, porque aquela era a única que havia para dar sombra na sua cozinha, que tinha um teto plano e ficava exposta ao sol inclemente daquela localidade.




Seria uma cena tentadora ver aqueles vizinhos que somente irritavam a todos, sufocar no calor da cozinha. Mas, a mãe de Gladys era cristã e acreditava que como cristã deveria se portar em todas as ocasiões.

Assim, a árvore não foi cortada. Quando a primavera chegou naquele ano, uma coisa maravilhosa aconteceu com o pessegueiro.

Os velhos galhos secos começaram a florescer. As flores se transformaram nos conhecidos pêssegos pequenos, verdes e duros. Mas, maravilha das maravilhas, amadureceram e se tornaram frutos doces e deliciosos.

A mãe de Gladys distribuiu alguns aos vizinhos, inclusive aos desagradáveis, e preparou vidros de conserva em quantidade suficiente para durar até o ano seguinte.

Depois de alguns meses, os vizinhos se mudaram dali. A árvore nunca mais produziu bons frutos. Foi só naquele ano.

“Não sei”, diz Gladys, “porque aquilo aconteceu. Mas de uma coisa eu sei: se minha mãe tivesse retribuído o mal com mal, nada teria acontecido, porque não haveria árvore.

E, melhor do que tudo, eu teria perdido uma bela experiência e uma das lições mais profundas de minha vida.

Mamãe teve a oportunidade de revidar. Entretanto, preferiu semear amor e recebeu como recompensa uma maravilhosa colheita.



Houve a colheita da árvore, mas também houve uma colheita no coração dela, no meu e no de muitas outras pessoas.”

Adaptação do Cap. Semeando amor, da obra Histórias para o coração da mulher, de Alice Gray 

bjs,soninha

16 de nov de 2010

O PEIXINHO AZUL


 
Peixinho Azul vivia feliz com sua família.

Nadando nas águas verdes e azuis do mar, brincava com outros peixinhos coloridos.

Peixinho Azul ajudava seus pais a cuidar da casa e do jardim.




À noite, ouvia as histórias que a vovó contava sobre a Baleia Azul. Aprendia que ela era grande e que alimentava-se de plantas e pequenos animais marinhos.

O Peixinho Azul sentia medo da Baleia Azul, por isso a mamãe e o papai peixes sempre lhe diziam para não sair de casa sozinho.

Numa manhã, Azul saiu a nadar e, sem perceber, foi se afastando de casa. Encontrou vários amigos: o cavalo marinho, a sardinha e o peixe boi.

Continuou a nadar. De repente veio uma onda muito grande e o levou para longe.

- "Socorro. Socorro, socoooooooorro!" Gritava, assustado, mas ninguém ouvia seus gritos, pois ele estava muito longe de casa.

Olhou para os lados e viu que todos os peixes corriam e se escondiam entre as pedras e as plantas.

O que estaria acontecendo?

Peixinho Azul foi se esconder dentro de uma concha e ficou esperando...

Os pais de Azul estavam preocupados porque não encontravam o filhinho.

Será que a Baleia Azul encontrou nosso Peixinho Azul? Mamãe peixe chorava.




Azul estava assustado, mas ficou quietinho no seu esconderijo.

De repente, a baleia apareceu, enorme, bufando. Sua boca era muito grande.

Com os movimentos da baleia, a concha onde Azul estava escondido, começou a rolar. Foi rolando, rolando, rolando...

Azul avistou a sua casa e muito contente, saiu da concha e foi correndo abraçar seus pais, prometendo-lhes que nunca mais os desobedeceria.

No dia seguinte, Peixinho Azul contou aos amigos o que lhe havia acontecido e deu um conselho a todos.




- Devemos obedecer nossos pais. Eles sabem o que é melhor para nós, porque nos amam.


Adaptação da história infantil "Peixinho dourado vai passear", de Teresinha Casasanta. Editora do Brasil S/A, 46. ed., Coleção Crianças e bichos.

bjs,soninha


15 de nov de 2010

PASSEIO NA MATA


PASSEIO NA MATA 


Na mata, luzes e brilhos
Encantam a meninada
Maria leva os seus filhos
Pra ver a bicharada.
 
 
Luizinho olha o saci
E fica um pouco espantado
Bichinho! - Saia daqui...
Você é muito levado!


O saci segura o cachimbo
E grita: - Não vou sair!
Você que é muito chato
Não gosta de se divertir...


Luizinho pede desculpas
E vai, com ele, brincar
Sai correndo pela mata
Ninguém vai lhe pegar.


A vida na mata é tão bela
As flores,os rios e os bichinhos
São bênçãos de Deus nesta vida
É a prova do seu carinho.


Quando anoitece na mata
Pirilampos começam a brilhar
Tudo irradia beleza
Somente pra nos encantar...


bjinhos...


14 de nov de 2010

O REINO DOS PERIQUITOS



Era uma vez...

...um Reino Verdinho onde só viviam periquitos. A paz, harmonia e alegria estavam borbulhando no ar; por ali não havia brigas nem disputas, nem palavras feias; eles não mentiam e eram muito trabalhadores, não havia um só periquito que fosse preguiçoso.

Mas,numa bela manhã de sol,o periquito mais velho do Reino Verdinho descobriu que havia um novo morador no Reino e que ele vivia a dormir sobre as árvores, comia dos frutinhos que desejava, se banhava nas cachoeiras de todos sem pedir permissão e não cumprimentava nenhum dos moradores do abençoado Reino,era o periquito azulzinho.




Se um periquitinho falasse com ele,ele respondia, mas ele mesmo não dava um bom-dia,ou um boa-tarde ou mesmo um boa-noite a nenhum deles. Enfim, ele agia como se fosse o dono soberano do Reino.

Foi então que os periquitos se reuniram para decidirem o que fazer com aquele visitante?!

Na reunião todos falaram e foram muitas as ideias que surgiram dali e, quando já haviam decidido que iriam expulsar o visitante, ele que estava escondidinho escutando o que se falava na reunião, gritou em voz alta:

- Por favor! por favor! Eu lhes peço desculpas e juro que,de agora em diante serei difterente; falou o azulzinho.

- E por que você não pensou nisto antes?! perguntou o periquito rei.




- Porque estou mal acostumado, é o que a minha mãezinha sempre me falava.; disse o azulzinho.

Lá na minha casa eu fui expulso porque não queria ajudar e não respeitava ninguém. Mas não me expulsem,voltou a pedir;eu juro que mudarei o meu comportamento.




Bem, falaram os periquitos branquinhos:

- nós vamos lhe dar uma chance e vamos lhe observar,está bem assim?! Caso você não mude,terá que ir embora... 



Está bem...está bem...gritou o azulzinho morrendo de alegria,pulando e dando beijinhos nas mãozinhas de todos os outros periquitinhos.

E se você tentar nos enganar nós vamos fazer você correr daqui até o seu Reino... 

- falou amarelinho



É isto mesmo!  

gritaram dois azulzinhos e um verdinho que estavam empoleirados no galho de uma árvore:


A partir de então o periquito azulzinho se tornou outro. Passou a ajudar a todos nos trabalhos do Reino, cumprimentava quando os encontrava, pedia licença quando queria usar algo da comunidade e agradecia quando os amiguinhos lhe prestavam um favor ,lhe faziam um agrado...etc.

E O Reino Verdinho voltou a viver na mais perfeita harmonia! 



 Trabalhando: 

A COOPERAÇÃO,A PREGUIÇA,O RESPEITO,A CORDIALIDADE E A GRATIDÃO. 
bjs,soninha

13 de nov de 2010

A ALEGRIA DO RATINHO



A ALEGRIA DO RATINHO


Dom ratinho muito alegre
Dava saltos e pulinhos
Tudo isto porque ele
Encontrou muitos queijinhos...


Os queijinhos estavam presos
Em pequenas ratoeiras
Dom ratinho ficou pensando...
Em pegá-los...de que maneira?


Se eu pegar com a mãozinha
Vou cair em um apuro
Ela fica machucada
E de dor...eu caio duro!


Dom ratinho não conseguiu
Os queijinhos abocanhar
A alegria do ratinho
Virou fumaça em pleno ar...


Coitadinho do ratinho
Não conseguiu comer
O gostoso do queijinho
Só lhe fez...aborrecer...


Dom ratinho prometeu
Que vai dar um jeitinho
Pra roubar todos os queijos
Que surgirem em seu caminho.


Será que ele vai conseguir.....?!


bjjjiiinhooosssssss...


11 de nov de 2010

A NUVENZINHA CURIOSA



 Era uma vez....

...uma nuvenzinha branquinha qual um floquinho de algodão que vivia lá no céu, num lugarzinho bem alto,bem pertinho da casa dos anjinhos.A sua mãezinha,uma nuvem maior e um pouco azulada, todos os dias reclamava com ela porque ela gostava de ficar paradinha na porta dos anjinhos esperando eles abrirem a porta para ela espiar dentro da casinha deles.

A sua mamãe falava:

- Nuvenzinha, nuvenzinha, deixa de ser curiosa e passa para cá; vem me ajudar a arrumar as outras nuvenzinhas que estão muito espalhadas pelo céu.




Ao que ela respondia:

- Não mãezinha! Eu vou ficar por aqui pois quero conhecer a casa dos anjinhos.

Nuvenzinha tanto se demorou por perto da casa dos anjinhos,até que uma certa manhã os anjinhos desconfiados do desejo da nuvenzinha curiosa,abriram a porta, viram que ela continuava quietinha na porta, eles entraram e conversaram para decidir o que fazer com aquela nuvenzinha tão curiosinha.


 O anjinho azul, o verde e o amarelinho disseram que o melhor seria convidá-la para conhecer a casinha ,pois assim ela acabaria com a curiosidade e voltaria para perto da sua mãezinha.



O anjinho dourado e o prateado não concordaram, mas a maioria venceu e eles abriram novamente a porta e o anjinho verde falou:

 - Venha cá nuvenzinha!Vem conhecer a nossa casinha.

A nuvenzinha assustada ,pensando estar sonhando, se beliscou para ver se estava mesmo acordada e perguntou:

- Você está falando comigo?!

- Sim, é com você mesma, só há você por aqui...falou o anjinho azulzinho que segurou na sua mãozinha puxando-a para dentro da sua casa.

A nuvenzinha curiosa, ainda desconfiada que tudo não passava de um sonho, se deixou levar pelos anjinhos entrando na casinha deles, muito feliz.Lá dentro ela ficou encantada com tudo que via, Uma sala enorme com muitas poltronas coloridas e confortáveis, sininhos dependurados por toda a casa, tocavam lindas musiquinhas quando eram balançados pelo vento, eram os mensageiros do vento, muitas flores em lindos jarros de cristal e uma linda e enorme mesa onde eles faziam as suas refeições.




Depois de passear por toda a casa os anjinhos perguntaram-lhe:

- Satisfeita nuvenzinha?

- Sim! Estou muito feliz e agradeço a vocês pela bondade e pelo carinho que recebi .

- Agora nós vamos lhe pedir um favor, pode ser? - perguntou o anjinho amarelinho.




- Claro! peçam o que quiserem que eu atenderei,respondeu a nuvenzinha.

- Agora você vai voltar para perto da sua mãezinha para ajudá-la, mas pode vir nos visitar quando você quiser, está bem assim?! falou o anjinho azulzinho.

- Está ótimo meus amiguinhos...está ótimo! Falou a curiosa dando pulinhos de alegria e soltando beijinhos enquanto saía da casa dos seus novos amiguinhos.




Satisfeita a sua curiosidade a nuvenzinha voltou para perto da sua mãezinha e, de vez em quando ela visitava os seus amigos anjinhos.

Ah! a nuvenzinha nunca deixou de ser curiosa...


Um pouquinho de curiosidade é bom....


bjinhos



10 de nov de 2010

UMA MENININHA MUITO ESPECIAL


UMA MENININHA MUITO ESPECIAL


Numa linda cidade do Reino Encantado,morava uma família dona de muitas terras, fazendas cheias de gado e muitas plantações de café. Todos viviam na fartura, comiam e bebiam do bom e do melhor,vestiam roupas vistosas e eram invejados por muitas pessoas do Reino.

Os pais não se preocupavam com as famílias carentes que havia no Reino, nem o filho mais velho,o Joaquim. Porém, a Maria Aparecida, a caçulinha, era muito dedicada aos mais necessitados e vivia pegando comida e roupas usadas para distribuir entre elas.

Um dia, quando todos comemoravam o Dia do Trigo, cantando e louvando a Deus pelo pão de cada dia, a menina perguntou aos pais:

- Paizinho e mãezinha, por que será que algumas pessoas têm tanta comida em casa que até jogam fora enquanto outras passam fome?

O pai da menina se adiantou e respondeu:

- É assim mesmo minha filhinha! Foi Deus quem fez o mundo assim e nós não podemos nem devemos criticá-LO porque Ele sabe o que faz...

A menininha ficou calada olhando para o chão,como se estivesse pensando...pensando...e falou:

- Mas paizinho, você e a mamãe sempre me ensinaram que Deus é maravilhoso e que tudo que Ele faz é bom e é para o nosso bem, como Ele pode deixar as pessoas passarem fome? 

O pai da menina não sabia o que responder e a mãe veio em seu auxílio:

- Ele deve ter se atrapalhado, filhinha.Falou a mãe com um sorriso amarelo nos lábios.

- Mas Maria Aparecida não se dava por contente e retrucou:

- Não acredito não,mamãe. Eu acho que tem alguma coisa errada que eu vou descobrir o que é.

- Você vai descobrir! perguntou o pai assustado.Como você vai descobrir?

- Eu vou perguntar a Deus! respondeu a menina toda feliz.Hoje quando eu for rezar eu vou perguntar a Ele e depois eu digo para vocês o que Ele me respondeu...e saiu sorrindo baixinho...

À noite, na hora de dormir a menininha rezou e perguntou a Deus por que algumas pessoas viviam com fome enquanto outras desperdiçavam comida?

Ela perguntou e ficou esperando escutar a Sua resposta ,mas o soninho chegou e a levou para perto dos anjinhos lá no céu. Lá, ela fez a mesma pergunta aos anjinhos e eles lhe responderam:

- Sabe Cidinha,Deus fez tudo certinho.No começo todos possuíam tudo na mesma quantidade, depois uns foram ficando mais sabidos, mais espertos e mais egoístas do que os outros e começaram a ficar com a maior porção para eles sem se incomodarem com os outros e foi daí que surgiu a pobreza, a fome e a miséria.

- Ah! Então foi assim,anjinho? perguntou a menina curiosa....

- Foi Cidinha, foi assim mesmo! responderam, em coro,todos os anjinhos.

Ao amanhecer Cidinha levantou-se, se arrumou bem bonitinha e foi para a sala tomar café com os pais que já estavam à mesa. Ela cumpimentou-os e sentou-se,caladinha,ao lado da mãe.

- Então Maria Aparecida, falou a mãe, fez a pergunta para Deus?

- Fiz sim,mãezinha.

- E o que Ele te respondeu?

- Ele mandou a Sua resposta pelos Seus anjinhos. E a menina falou para os pais o que os anjinhos disseram.

Os pais encararam a filha e perguntaram ao mesmo tempo?

- Ffooiiii....?

- Foi sim, papai e mamãe, falou a garota que, levantando-se da cadeira completou: de agora em diante nós vamos repartir as nossas coisas com as pessoas que precisam comer,vestir e trabalhar. Papai, você vai dar um pedacinho de terra para cada família e sementes para elas plantarem, vamos repartir as nossas roupas que são demais e nós nem precisamos tantas...nossa comida que está acumulada nas dispensas e pode estragar e vamos fazer uma escolinha para as crianças.

- E quem vai ensinar? perguntou a mãe.

- Você mamãe! Você vai ensinar, já que você passa os seus dias sem fazer nada...

- Mas eu não sei ensinar, respondeu a mãe.


- Você vai acertar mãezinha, eu sei que os anjinhos lhe ajudarão e você fará tudo certinho...

E foi assim que, por meio de uma criança Deus se fez presente na pessoa dos seus anjinhos e mudou toda a vida de uma família que se tornou modelo para muitas outras que também possuíam muito e não repartiam com os mais necessitados...

Trabalhando: A Bondade, O Amor ao Próximo,A Caridade Material, A Caridade Espiritual,O Poder da Oração e a Intervenção do Alto.

bjs,soninha

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!