Estamos de volta!!

Estamos de volta!!
O Inverno Chegou...

6 de nov de 2010

A FORMIGUINHA QUE SE ACHAVA ESPERTA


 Era uma vez....

...uma linda cidade no meio da floresta onde as formiguinhas viviam felizes e eram muito amigas das pessoas.Elas passeavam pelas casas, jardins, escolas e qualquer lugar sem picar as pessoas e sem serem machucadas por elas. 

Ali, ninguém maltratava as formiguinhas. Todos andavam com muito cuidado a fim de não pisarem nelas e, durante a noite não saíam de casa porque não podiam enxergá-las direito e poderiam machucá-las.

Sabendo ser tão querida pelas pessoas e que elas não lhes fariam mal algum, a formiguinha ruiva decidiu que iria morar na casa mais bonita da cidade pois assim ela teria oportunidade de comer farelos de comidas deliciosas, dormir em camas confortáveis e tomar banho em banheiros limpos e organizados.

Ruivinha saiu pela cidade olhando casa por casa até escolher aquela onde iria morar. Parou diante de uma linda construção, com três portas na frente, algumas nas laterais e muitos vitrôs coloridos. No alto havia um lindo sino dependurado e um imenso relógio pertinho dele. 

Ela olhou...olhou...olhou por todos os lados e decidiu: é aqui que vou morar!




Esperou alguns minutos que alguém saisse por uma das portas,mas como não aparecia ninguém ela resolveu entrar por debaixo de uma delas.

Lá dentro, a formiguinha ficou encantada com tudo que ela via. Eram muitas pessoas paradas em cima de muros, uma banheira pequenina onde ela iria mergulhar muitas vezes e uma comidinha saborosa dentro de uma vasilha dourada,muito bonita,em cima de uma mesa, coberta com um paninho branco.Havia também um suquinho meio estranho que ela provou e ficou tonta,quase caindo de lá do alto da mesa onde ele estava.

As pessoas paradas eram as imagens dos santos, a banheirinha era a pia batismal, a comidinha eram as hóstias e o suquinho era o vinho que o padre bebia na missa, mas a formiguinha não sabia nada disto.

Ruivinha escolheu uma das muitas camas que havia ali, e se deitou falando para si mesma:

- Que cama estranha! por que será que aqui não usam colchões?! 

Ela não sabia que não eram camas e sim os bancos onde as pessoas sentavam-se para assistirem a missa.




Mas o cansaço tomou conta do seu corpinho e ela adormeceu. Quando estava no melhor dos soninhos,
escutou o sino cantando:

- Blom! Blim...blom...blim...blom...blom...blom...blommmmm...

Parecia que não ia parar nunca mais, obrigando a formiguinha a acordar de uma vez por todas. Abriu os olhinhos,espreguiçou-se e viu um homem andando pra lá e pra cá....

Era o sacristão que estava arrumando a igreja para a missa das 7 horas. 

Aos poucos foram chegando pessoas, muitas pessoas que entravam não só pelas portas da frente como pelas portas laterais.

- Que estranho! falou baixinho a formiguinha. Nunca vi tantas portas numa só casa...

Quando o padre entrou, todos se levantaram cantando, ela se deu conta de que não era uma residência e mais do que rapidinho fugiu dali , retornando para perto da sua família.


 A partir daquele dia a formiguinha ruiva nunca mais se sentiu"esperta",e tudo que ela ia  fazer,pedia conselhos e orientações para a sua mãezinha.

Formiguinhas e criancinhas não podem fazer coisas que as mãezinhas não saibam, pois elas podem se dar muito mal. Felizmente não foi o caso da ruivinha, mas ela poderia ter se dado muito mal se as pessoas daquela igreja fossem pessoas más.


Postar um comentário

Não dê armas às crianças!!

Não dê armas às crianças!!